Paquistão Oriental


Dominion of East Pakistan
Domínio do Paquistão Oriental

Domínio da Comunidade das Nações

Flag of Pakistan.svg
1955 – 1971 Flag of Bangladesh.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Hino nacional
God Save The Queen


Localização de Paquistão Oriental
Continente Ásia
Capital Daca
Língua oficial bengali
Governo monarquia
Rainha do Paquistão
 • 1956-1971 Isabel II do Reino Unido
História
 • 14 de Agosto de 1955 Fundação do Paquistão Oriental
 • 25 de Março (declarada) - 16 de Dezembro (Reorganizado) de 1971 República da República Popular do Bangladesh
Moeda rupia paquistanesa
Membro de: Commonwealth, ONU

O Paquistão Oriental foi uma província paquistanesa estabelecida em 1955 pela Política de Uma Unidade, que hoje está dividida entre Índia e Bangladesh. Suas fronteiras terrestres eram com a Índia e a Birmânia, com um litoral na Baía de Bengala. Os paquistaneses orientais eram popularmente conhecidos como "paquistaneses bengalis"; para distinguir esta região do estado da Índia Bengala Ocidental (que também é conhecido como "Bengala indiana"), o Paquistão Oriental era conhecido como "Bengala paquistanesa". Em 1971, o Paquistão Oriental tornou-se o recém-independente estado de Bangladesh.

O Paquistão Oriental foi renomeado de Bengala Oriental pelo esquema de uma unidade do primeiro-ministro paquistanês Muhammad Ali Bogra. A Constituição do Paquistão de 1956 substituiu a monarquia paquistanesa por uma república islâmica. O político bengali Huseyn Shaheed Suhrawardy serviu como primeiro-ministro do Paquistão entre 1956 e 1957 e um burocrata bengali Iskander Mirza se tornou o primeiro presidente do Paquistão. O golpe de estado paquistanês de 1958 trouxe o general Ayub Khanao poder. Khan substituiu Mirza como presidente e lançou uma repressão contra líderes pró-democracia. Khan promulgou a Constituição do Paquistão de 1962, que acabou com o sufrágio universal. Em 1966, Sheikh Mujibur Rahman emergiu como o líder proeminente da oposição no Paquistão e lançou o movimento de seis pontos pela autonomia e democracia. A revolta de 1969 no Paquistão Oriental contribuiu para a derrubada de Ayub Khan. Outro general, Yahya Khan, usurpou a presidência e promulgou a lei marcial. em 1970, Yahya Khan organizou a primeira eleição geral federal do Paquistão. A Liga Awami emergiu como o maior partido, seguido pelo Partido Popular do Paquistão. A junta militar atrasou a aceitação dos resultados, levando à desobediência civil, à Guerra de Libertação de Bangladesh e ao genocídio de Bangladesh em 1971. O Paquistão Oriental se separou com a ajuda da Índia.[1]

A Assembleia Provincial do Paquistão Oriental era o órgão legislativo do território.

Devido à importância estratégica do Paquistão Oriental, a união paquistanesa era membro da Organização do Tratado do Sudeste Asiático. A economia do Paquistão Oriental cresceu a uma média de 2,6% entre 1960 e 1965. O governo federal investiu mais fundos e ajuda externa no Paquistão Ocidental, embora o Paquistão Oriental tenha gerado a maior parte das exportações. No entanto, o presidente Ayub Khan implementou uma industrialização significativa no Paquistão Oriental. A Barragem de Kaptai foi construída em 1965. A Refinaria Oriental foi estabelecida em Chittagong. Dacca foi declarada a segunda capital do Paquistão e planejada como sede do parlamento nacional.[2]

Localização: Paquistão Ocidental e Paquistão Oriental

Ver tambémEditar

Referências

  1. Partner, The Media Group | Publishing (23 de setembro de 2017). «Special report: The Breakup of Pakistan 1969-1971». DAWN.COM (em inglês). Consultado em 26 de março de 2022 
  2. «National Assembly Building of Bangladesh». architectuul.com. Consultado em 26 de março de 2022 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.