Abrir menu principal
Arranjo floral com o escudo de Barcelona, Jardins de Mossèn Cinto Verdaguer.

O conjunto de parques e jardins de Barcelona tem uma extensão de 2784 hectares. A sua gestão depende do Instituto Municipal de Parques e Jardins de Barcelona, um organismo dependente da Prefeitura de Barcelona. Desde o século XIX —e especialmente no XX— Barcelona tem apostado pela adequação de zonas verdes na cidade, e actualmente é uma das cidades europeias com mais árvores em via rodoviária (~150 000 unidades). No ano 2001 o Instituto de Parques e Jardins recebeu a certificação ISO 14001 na conservação e a gestão dos espaços verdes e dos espaços verdes em vias rodoviárias.[nota 1][1][2]

Os jardins em Barcelona têm tido uma evolução díspar no tempo: a primeira realização de certa relevância, o Parque do Laberinto de Horta é já do século XVIII; no século XIX abriu-se o primeiro grande parque público de Barcelona, o da Cidadela; mas a maior parte de zonas verdes da cidade condal são do século XX, época em que se deu um grande impulso à jardinagem pública na capital catalã. Neste último século a jardinagem desenvolveu-se principalmente em quatro fases: os primeiros planeamentos efectuados por Léon Jaussely em seu plano de enlaces e por Nicolau Maria Rubió i Tudurí, autor de um ambicioso plano de zonas verdes concêntricas a todo o longo da cidade, desde Montjuïc até o Besós; a época da pós-guerra supôs um retrocesso na criação de espaços verdes, devido principalmente à especulação imobiliária que implicou o aumento da população devido à imigração, bem como à prioridade outorgada ao trânsito rodado pelo incremento do parque automobilístico; com a chegada da democracia teve um novo impulso a criação de espaços ajardinados, com predomínio do desenho arquitectónico e um sentido polivalente do espaço, que ao elemento vegetal acrescentava zonas de serviços e equipamentos lúdicos e recreativos para a população; por último, para finais de século surgiu uma tendência mais naturalista, mais conforme às novas ideias de ecologismo e sustentabilidade do meio ambiental, com preocupação não só pelos parques e grandes extensões verdes mas também pela colocação de arvoredos em ruas e passeios da cidade.[3]

Em função de suas características, os parques e jardins de Barcelona dividem-se em várias tipologias: «históricos», os criados dantes de 1950, como o Parque do Laberinto de Horta, o da Cidadela, o Parque Güell, os jardins da Universidade de Barcelona, os de Laribal e os do Palácio de Pedralbes; «temáticos», que estão dedicados a um determinado tipo de espécies vegetais, como o Parque de Cervantes, dedicados às rosas, os Jardins Mossèn Costa i Llobera, especializados em cactáceas e suculentas, e os Jardins de Mossèn Cinto Verdaguer, dedicados às plantas aquáticas, bulbosas e rizomatosas; «urbanos», são os de tipo mais corrente, parques e jardins localizados em plena cidade e abertos a todos os públicos, com serviços e espaços polivalentes para o desfrute de toda a cidadania; e «florestais», espaços verdes de ampla extensão localizados geralmente nas zonas limítrofes da cidade, como a serra de Collserola e a montanha de Montjuïc.[4]

Ver tambémEditar

Referências

BibliografiaEditar

  • AA.VV. (1996). Enciclopèdia Catalana Bàsica. [S.l.: s.n.]  (em catalão). Barcelona: Enciclopèdia Catalã. 
  • AA.VV. (2001). Gaudí. Hàbitat, natura i cosmos (em catalão). Barcelona: Lunwerg. Gaudí. Hàbitat, natura i cosmos. [S.l.: s.n.] ISBN 84-7782-799-0   
  • AA.VV. (2001). Memòria 2001. Parcs i Jardins de Barcelona, Institut Municipal. Prefeitura de Barcelona. 
  • Añón Feliú, Carmen; Luengo, Mónica (2003). Jardines de España. [S.l.: s.n.] ISBN 84-9785-006-8  Madri: Lunwerg.   
  • Azcárate Ristori, José María de; Pérez Sánchez, Alfonso Emilio; Ramírez Domínguez, Juan Antonio (1983). Historia del Arte. [S.l.: s.n.] ISBN 84-207-1408-9  Madri: Anaya.   
  • Bassegoda i Nonell, Joan (2002). Gaudí ou espaço, luz e equilíbrio. Madri: Critério. Gaudí o espacio, luz y equilibrio. [S.l.: s.n.] ISBN 84-95437-10-4   
  • Buttlar, Adrian von; Soto Caba, Victoria (1993). Jardins do clasicismo e o romantismo. O jardim paisagista.
    Madri: Nerea. ISBN 84-86763-76-2. 
  • Chilvers, Ian (2007). Dicionário de arte. Madri: Aliança Editorial. ISBN 978-84-206-6170-4. 
  • Fernández Areias, José (1988). Arte efémera e espaço estético. Barcelona: Anthropos. ISBN 84-7658-078-9. 
  • Gabancho, Patrícia (2000). Guia. Parques e jardins de Barcelona. Barcelona: Ajuntament de Barcelona, Imatge i Producció Editorial. ISBN 84-7609-935-5. 
  • Garrut, Josep Maria (1976). L'Exposició Universal de Barcelona de 1888 (em catalão). Barcelona: Ajuntament de Barcelona, Delegació de Cultura. ISBN 84-500-1498-0. 
  • Kluckert, Ehrenfried (2007). Grandes jardins de Europa. Colónia: Ullmann. ISBN 978-3-8331-6225-1. 
  • Mirecki, Guillermo; García Reviejo, Luis (2002). Pelos parques e jardins de Barcelona. Madri: Desnivel. ISBN 84-95760-39-8. 
  • Páez da Corrente, Francisco (1998). História dos estilos em jardinería. Madri: Istmo. ISBN 84-7090-127-3. 
  • Vidal Pla, Miquel (2003). Jardins de Barcelona (em catalão). Barcelona: Àmbit. ISBN 84-89681-77-5. 
  • Villoro, Joan; Riudor, Lluís (1984). Guia dels espais verds de Barcelona. Aproximació històrica (em catalão). Barcelona: A Gaia Ciència. ISBN 84-7080-207-0.