Universidade de Barcelona

universidade pública de investigação em Barcelona, Catalunha

A Universidade de Barcelona (em catalão: Universitat de Barcelona, UB; em castelhano: Universidad de Barcelona) é uma universidade pública de pesquisa localizada na cidade de Barcelona, Catalunha, Espanha. Com 63.000 estudantes, está na lista das prestigiadas universidades da Europa. Fundada em novembro de 1450, é uma das mais antigas universidades da Espanha. Além disso, é considerada a melhor universidade da Espanha, de acordo com o US News and World Report e o Times Higher Education.[1][2]

Universidade de Barcelona
Universidade de Barcelona
Lema Libertas perfundet omnia luce (A liberdade banha tudo de luz)
Fundação 3 de novembro de 1450
Tipo de instituição Pública
Localização Barcelona, Espanha
Presidente Dídac Ramírez Sarrió
Docentes 4 715
Total de estudantes 90 644
Campus Urbano
Página oficial www.ub.edu

A universidade possui 106 departamentos e mais de 5.000 pesquisadores em tempo integral, técnicos e assistentes de pesquisa, a maioria dos quais trabalha nos 243 grupos de pesquisa reconhecidos e apoiados pelo Governo da Catalunha. Em 2010, a UB recebeu 175 bolsas de pesquisa nacionais e 17 bolsas europeias e participou de mais de 500 projetos de pesquisa conjunta com o setor empresarial, gerando uma receita total de pesquisa de 70 milhões de euros. O trabalho desses grupos é supervisionado pelos centros de pesquisa e institutos da UB, que colaboram com as principais instituições de pesquisa e redes na Espanha e no exterior.

História editar

 
Claustros do edifício histórico principal
 
Edifício histórico da Universidade de Barcelona, construído entre 1863 e 1882 por Elies Rogent.[3]
 
Edifício histórico da Universidade de Barcelona, vestíbulo de entrada

A Universidade foi fundada sob o privilégio real concedido pelo Rei Alfonso V de Aragão, em Nápoles, em 3 de novembro de 1450. No entanto, nos quarenta e nove anos anteriores a isso, a cidade já possuía uma incipiente escola de medicina (ou Estudi General, como as universidades eram conhecidas naquela época), fundada pelo Rei Martin de Aragão, mas nem o Consell de Cent (Conselho dos Cem de Barcelona) nem outras instituições importantes da cidade haviam dado seu reconhecimento oficial, considerando-a uma intrusão em suas respectivas jurisdições. No entanto, o privilégio de Afonso, o Magnânimo foi concedido a pedido do Consell de Cent, e assim o conselho sempre considerou o Estudi General criado em 1450 como a verdadeira universidade da cidade, já que estava sob seu controle e patrocínio.[4]

O processo que culminou na fundação do Estudi General de Barcelona pode ser rastreado até o final do século XIV, com a abertura de várias escolas sob o patrocínio da prefeitura, das escolas da catedral e do convento dominicano de Santa Catarina, que se estabeleceu como um importante centro cultural. Foi o Rei Martin, o Humano que iniciou o processo que resultaria na fundação da Universidade de Barcelona. Em sua carta escrita em 23 de janeiro de 1398, e dirigida aos conselheiros de Barcelona, ele informou que havia buscado a permissão do Papa para fundar uma universidade na cidade por Juan Carlos IX.

Apesar da recusa do Consell de Cent em aceitar a concessão emitida pelo Rei para fundar um estudi general, em 10 de janeiro de 1401, Martin fundou o Estudi General de Medicina em Barcelona sob seu privilégio real, concedendo-lhe os mesmos privilégios desfrutados pela Universidade de Montpellier. Em outro documento, assinado em Valência em 9 de maio de 1402, o Rei Martin buscou promover o Estudi General de Medicina com a nomeação de alguns professores das artes liberais, sem as quais o estudo da medicina era praticamente inútil. A partir desse dia, o Estudi ficou conhecido como o Estudi de Medicina e Artes.[5]

O privilégio concedido por Afonso, o Magnânimo, em 1450, autorizando o Consell de Cent a fundar uma universidade em Barcelona, foi o ponto culminante do processo iniciado em 1398. Por diversas razões, especialmente a guerra civil que ocorreu durante o reinado de João II e os conflitos subsequentes envolvendo os agricultores, o Estudi General oficial de Barcelona não começou a se desenvolver até o reinado de Fernando, o Católico; mas foi sob Carlos I, em 1536, que a pedra fundamental foi lançada para o novo prédio da universidade no final da La Rambla. A partir desse momento, a universidade começou a realizar suas atividades normalmente, apesar de dificuldades financeiras e conflitos entre professores universitários, embora isso não tenha impedido alguns professores ilustres de deixar sua marca em seus respectivos campos e criar suas próprias escolas de seguidores acadêmicos.[6]

As Ordenanças de 1596 mais uma vez mostraram a necessidade de reforma. Estas seguiram de perto as anteriores Ordenanças de 1539 e 1559, nas quais o sistema de exame competitivo para a nomeação de professores foi introduzido. Este período foi encerrado com o Decreto emitido em 23 de outubro de 1714, pela Real Alta Comissão de Justiça e Governo da Catalunha - criada pelo Ducado de Berwick - ordenando a transferência imediata das Faculdades de Filosofia, Direito e Direito Canônico para Cervera. Barcelona deveria manter sua Faculdade de Medicina e a Escola Cordelles de Humanidades, governada pelos Jesuítas. Os planos para abrir a Universidade de Cervera só foram iniciados em 1715, e ela só começou suas atividades acadêmicas em 1717, como sucessora das seis universidades catalãs fechadas por Filipe V. Os primeiros estatutos da nova Universidade de Cervera foram aprovados em 1725.

A Universidade de Barcelona foi fechada pela dinastia Bourbon após a Guerra da Sucessão Espanhola de 1714 até 1837.[7] A universidade foi restaurada a Barcelona durante a revolução liberal durante o reinado de Isabel II. Em 1837, a Universidade de Cervera foi transferida para Barcelona, a capital do principado. A partir desse momento, foi reconhecida como o lar cultural das quatro Catalunha e das Ilhas Baleares. Em seu retorno, a Universidade foi inicialmente instalada no Convento de Carme, que havia sido extinto alguns anos antes. Aqui, as Faculdades de Direito Canônico, Direito e Teologia foram instaladas provisoriamente. A Faculdade de Medicina ocupou o edifício da Real Academia de Medicina, ao lado do Hospital de Santa Creu. Assim, todas as Faculdades estavam agora localizadas em apenas duas ruas.

A natureza inadequada dessas instalações logo gerou a necessidade de construir uma casa maior para a Universidade, e em 1863, começaram as obras no novo prédio de Elies Rogent, embora só fosse totalmente concluído em 1882. Sua construção teve grandes repercussões para a cidade, pois foi um dos primeiros edifícios a serem erguidos fora das antigas muralhas da cidade. O trabalho no prédio durou mais de vinte anos, embora em 1871 as primeiras palestras já estivessem sendo ministradas lá. O relógio e o sino de ferro alojados na torre do Pati de Lletres - o "Pátio das Artes" - foram instalados em 1881. Complementando o trabalho de construção, esculturas e pinturas foram encomendadas diretamente de artistas renomados ou premiadas em competições abertas.[8]

As ciências médicas continuaram a ser ensinadas no antigo Hospital de Santa Creu i Sant Pau. Em 1879, a Faculdade de Medicina recebeu um projeto para um novo hospital, e após muitas mudanças nos planos e locais sugeridos, acabou sendo instalada no Hospital Clínic, no lado leste do distrito de Eixample da cidade, em 1900. Hoje, a Medicina também é ensinada no Campus de Bellvitge e no Hospital de Sant Joan de Déu. O crescimento natural da Universidade de Barcelona deu origem à necessidade de realizar obras de grande porte para atender às crescentes demandas feitas pelo número de estudantes que eram inimagináveis no século XIX. Em resposta a esse crescimento, o distrito universitário de Pedralbes foi iniciado em 1952. O primeiro prédio a ser concluído neste novo campus da cidade foi a Faculdade de Farmácia em 1956, ao lado dos Halls de Residência Sant Raimond de Penyafort e Verge de Montserrat.

Isso foi seguido pela Faculdade de Direito em 1958, pela Escola Universitária de Estudos Empresariais em 1961 e pela Faculdade de Economia entre 1957 e 1968. Hoje, esse distrito é conhecido como o Campus de Pedralbes, enquanto nos anos noventa a universidade acrescentou o Campus Mundet, instalado em alguns dos prédios das Llars Mundet. Em 2006, as Faculdades de História e Geografia e a Faculdade de Filosofia foram transferidas do Campus de Pedralbes para o centro histórico da cidade (distrito de Ciutat Vella), no bairro de El Raval, a uma curta distância do Edifício Histórico da Universidade.[9] A Universidade de Barcelona foi a única universidade na Catalunha até 1971, quando a Universitat Politècnica de Catalunya, compreendendo as faculdades mais técnicas e escolas universitárias, tornou-se uma entidade independente. Em 1968, a Universitat Autònoma de Barcelona tornou-se a primeira de várias novas universidades a serem criadas na Catalunha.

Classificações Internacionais editar

Em 2020, o QS World University Rankings colocou a UB entre as 50 melhores universidades do mundo em várias disciplinas, entre elas, Anatomia e Fisiologia (14ª), Ciência da Informação (43ª), Filosofia (45ª) e Arqueologia (47ª),[10] enquanto o Ranking Acadêmico de Universidades Mundiais da Shanghai Ranking (ARWU) a posicionou em 48º lugar em Medicina Clínica.

Os Rankings de Ensino na Europa de 2019 classificaram a UB em 29º lugar, e os Impact Rankings de 2020 a classificaram em 91º lugar global, com 14º lugar em Educação de Qualidade e 43º lugar em Parcerias para os Objetivos.[11] O QS Graduate Employability Rankings de 2020 a classificou em 80º lugar.[10] No geral, a UB tem sido classificada em 1º lugar na Espanha na maioria das classificações de 2023-2024[12][13][14] e está sempre situada entre as 50 melhores na Europa.[15]

Ligações externas editar


  Este artigo sobre instituição de ensino superior é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «Best universities in Spain». Times Higher Education World University Rankings. 4 de setembro de 2020. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  2. «Best Global Universities in Spain». U.S. News & World Report Best Colleges Ranking. Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  3. «Universitat de Barcelona», BarcelonaTurisme (em catalão) 
  4. «1450–1508: Estudio General de Barcelona» (em espanhol). Universitat de Barcelona. Consultado em 27 de junho de 2020 
  5. «Até 1450: desde os primórdios até o Estudo Geral de Medicina e Artes» (em espanhol). Universitat de Barcelona. Consultado em 27 de junho de 2020 
  6. «1508–1717: Edificio de la Rambla y Estudio General de todas las Facultades» (em espanhol). Universitat de Barcelona. Consultado em 27 de junho de 2020 
  7. Mordechai Feingold. Universities and Science in the Early Modern Period. Springer, 2006. Página 273.
  8. «1859–1900: Nuevo edificio del arquitecto Elies Rogent» (em espanhol). Universitat de Barcelona. Consultado em 27 de junho de 2020 
  9. «Desde 1975 até hoje: Universidade, hoje» (em espanhol). Universitat de Barcelona. Consultado em 27 de junho de 2020 
  10. a b «Universitat de Barcelona». QS World University Rankings. Consultado em 9 de julho de 2020 
  11. «University of Barcelona». Times Higher Education World University Rankings. Consultado em 9 de julho de 2020 
  12. «Shanghai Ranking-Universities». www.shanghairanking.com. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  13. «World University Rankings». Times Higher Education (THE) (em inglês). 27 de setembro de 2023. Consultado em 27 de setembro de 2023 
  14. «US News Global Universities Rankings». U.S. News & World Report Best Global University Ranking 
  15. Studies (CWTS), Centre for Science and Technology. «CWTS Leiden Ranking». CWTS Leiden Ranking (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2021