Partita para violino No. 2 (Bach)

A Partita em ré menor para violino solo ( BWV 1004) de Johann Sebastian Bach foi escrita entre 1717 e 1720. É parte de seu ciclo composicional chamado Sonatas e Partitas para violino solo .

Chacona. Manuscrito de Bach (início).

EstruturaEditar

A partita contém cinco movimentos:

Partita No. 2 para violino



Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.
  1. Allemande
  2. Courante
  3. Sarabanda
  4. Giga
  5. Chacona

Com exceção da chacona, os movimentos são tipos de dança da época e eles são freqüentemente listados por seus nomes franceses: Allemande, Courante, Sarabande, Gigue e Chaconne . O movimento final é escrito na forma de variações e dura aproximadamente o mesmo tempo que todos os outros movimentos combinados.

O tempo de execução de toda a partita varia entre 26 e 32 minutos, dependendo da abordagem e estilo do artista.

Fatos interessantesEditar

A professora Helga Thoene sugere que esta partita, e especialmente seu último movimento, foi uma tombeau escrita em memória da primeira esposa de Bach, Maria Barbara Bach (que morreu em 1720), embora essa teoria seja controversa.

Yehudi Menuhin chamou a Chaconne de "a maior estrutura para violino solo que existe". [1]

O violinista Joshua Bell disse que a Chaconne é "não apenas uma das maiores músicas já escritas mas uma das maiores realizações de qualquer homem na história. É uma peça espiritualmente poderosa, emocionalmente poderosa, estruturalmente perfeita". Ele executou a peça em uma performance de rua na L'Enfant Plaza em uma iniciativa do The Washington Post . [2]

Transcrições da ChaconaEditar

Chacona
Executada por Ben Goldstein

Transcrição da Chacona por Johannes Brahms para piano somente com a mão esquerda, executada por Martha Golsdtein

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.
 
Chacona

Transcrições para pianoEditar

Desde o tempo de Bach, várias transcrições da peça foram feitas para outros instrumentos, particularmente para o piano (incluindo os de Ferruccio Busoni, Alexander Siloti e Joachim Raff ), e para o piano somente com a mão esquerda (de Johannes Brahms e Géza Zichy ) .

Johannes Brahms, em uma carta para Clara Schumann em junho de 1877, falou sobre a chacona:

Em um pentagrama, para um pequeno instrumento, o homem escreve um mundo inteiro dos pensamentos mais profundos e sentimentos mais poderosos. Se eu imaginasse que poderia ter criado ou até mesmo concebido a peça, tenho certeza de que o excesso de excitação e de experiência devastadora teria me deixado louco .[3]

Felix Mendelssohn e Robert Schumann escreveram acompanhamentos de piano para a peça.

Carl Reinecke transcreveu a peça para dueto de piano.

Transcrições para órgãoEditar

A versão mais antiga para órgão é de William Thomas Best . Outras transcrições são de John Cook, Wilhelm Middelschulte, Walter Henry Goss-Custard (1915-1955) e Henri Messerer (1838-1923).

No prefácio de sua transcrição de 1955, John Cook escreve: "A Chacona é prodigiosamente satisfatória em sua forma original, mas muitos concordam que um único violino só é capaz de sugerir as vastas implicações de grande parte dessa música... Talvez seja razoável supor que Bach teria escolhido o órgão, tivesse ele mesmo transcrito a Chacona, como o instrumento mais adequado à escala de suas idéias... Um bom desempenho no violino pode ser tomado como o melhor guia para a interpretação no órgão - o dois instrumentos não existem sem seus pontos em comum, e ambos eram amados por Bach ".

Transcrições para violonceloEditar

Há uma transcrição da Chacona para violoncelo solo feita pelo violoncelista Johann Sebastian Paetsch em 2015. Ela foi publicada pela Hofmeister Musikverlag em Leipzig.[4]

Transcrições para violãoEditar

A Chacona é frequentemente executada no violão. Marc Pincherle, secretário da Sociedade Francesa de Musicologia em Paris, escreveu em 1930: "Se, no que diz respeito a certas rápidas passagens monódicas, a opinião é dividida entre o violino e o violão como melhor meio, o violão sempre triunfa em passagens polifônicas, isto é, quase ao longo de todo o trabalho. O timbre do violão cria ressonâncias novas e emocionais e gradações dinâmicas insuspeitas naquelas passagens que poderiam ter sido criadas puramente para o violino; como, por exemplo, as variações nos arpejos ". [5]

A transcrição mais conhecida para violão é a transcrição Segovia . Hoje, muitos guitarristas preferem tocar o Chacona diretamente da partitura do violino. [6]

Transcrições para orquestraEditar

Existem várias transcrições da Chacona para orquestras de diferentes tamanhos, incluindo a transcrição de Leopold Stokowski para uma orquestra sinfônica completa. [7]

Outras transcriçõesEditar

Anne Dudley arranjou a Chacona de Bach para trio de piano, e uma gravação deste arranjo, pelos músicos do Eroica Trio, está em seu álbum Baroque.

LiteraturaEditar

Em 2005, Joseph C. Mastroianni publicou Chaconne The Novel. Milo, abandonado pelo pai que o apresentou à Chacona, estuda na Espanha há quatro anos para dominar a peça. [8]

Em 2008, Arnold Steinhardt, solista de violino e primeiro violinista do Quarteto de Cordas Guarneri, publicou Violin Dreams, um livro de memórias sobre sua vida como violinista e sobre seu desafio final: interpretar a Chacona de Bach. [9]

Em 2017 Márta Ábrahám e Barnabás Dukay publicaram um livro sobre a Chacona de Bach: Trechos da Eternidade - A Purificação do Tempo e do Caráter, a Realização do Amor e da Cooperação com a Vontade Celestial na Chacona para Violino, de Johann Sebastian Bach .

Referências

  1. Menuhin 2001, 236.
  2. Weingarten 2007.
  3. Schumann & Brahms 1927, 2:16.
  4. Leipzig: Friedrich Hofmeister Verlag, FH 3021, 3 Pieces from BWV 565, 903, 1004, Leipzig 2015, (Editor/Arranger – Johann Sebastian Paetsch), ISMN: 9790203430216
  5. Pincherle 1930.
  6. Berg 2009.
  7. Smith 1990, 243.
  8. Mastroianni n.d.
  9. Block 2007.

Bibliografia

  • Altschuler, Eric Lewin. 2005. "Were Bach's Toccata and Fugue BWV565 and the Ciacconia from BWV1004 Lute Pieces?" The Musical Times 146, no. 1893 (Winter): 77–86.
  • Anderson, Rick. 2002. "Johann Sebastian Bach: Morimur. Hilliard Ensemble; Christoph Poppen. ECM 289 461 895-2, 2001." Notes, second series, 59, No. 1 (September): 145.
  • Berg, Christopher. 2009. "Bach, Busoni, Segovia, and the Chaconne". Pristine Madness [Christopher Berg blog] (10 August) (accessed 20 June 2016)
  • Block, Melissa. 2007. "Violin Dreams': Chasing Bach's Elusive Chaconne". NPR Music (18 January) (accessed 20 June 2016).
  • Erickson, Raymond. 2002. "Secret Codes, Dance and Bach's Great 'Ciaccona'". Early Music America 8, no. 2:34–43.
  • Humphreys, David. 2002. "Esoteric Bach". Early Music 30, no. 2 (May): 307.
  • Mastroianni, Joseph C. n.d. Chaconne: The Novel. The Devil's Advocate (accessed 26 October 2014).
  • Menuhin, Yehudi. 2001. Unfinished Journey, new edition. London: Pimlico. ISBN 978-0-7126-6809-5.
  • Pincherle, Marc. 1930. "Bach and the Guitar".
  • Rich, Alan. 2006. "Morimur: Is There Sex after Bach?" In his So I've Heard: Notes of a Migratory Music Critic, 66–67. Milwaukee: Amadeus. ISBN 1-57467-133-2.
  • Schumann, Clara, and Johannes Brahms. 1927. Letters of Clara Schumann and Johannes Brahms, 1853–1896, 2 vols., edited by Berthold Litzmann. Encore Music Editions. London: E. Arnold; New York: Longmans, Green and Co. Reprinted, Westport, CT: Hyperion Press, 1979. ISBN 0883557614.
  • Silbiger, Alexander. 1999. "Bach and the Chaconne". The Journal of Musicology 17, no. 3 (Summer): 358–85.
  • Smith, William Ander. 1990. The Mystery of Leopold Stokowski. Rutherford, Madison, and Teaneck: Fairleigh Dickinson University Press; London and Toronto: Associated University Presses.
  • Thoene, Helga. 1994. "Johann Sebastian Bach. Ciaconna—Tanz oder Tombeau. Verborgene Sprache eines berühmten Werkes". In Festschrift zum Leopoldfest [15. Köthener Bachfesttage] , 14–81. Cöthener Bach-Hefte 6, Veröffentlichungen des Historischen Museums Köthen/Anhalt XIX. Köthen.
  • Thoene, Helga. 2001. Johann Sebastian Bach, Ciaccona: Tanz oder Tombeau?—Eine analytische Studie. Oschersleben: Ziethen. ISBN 3-935358-60-1.
  • Thoene, Helga. 2003. "Verborgener Klang und verschlüsselte Sprache in den Werken für Violine solo von Johann Sebastian Bach". In AnsBACHwoche, Almanach: 25 Juli bis 3. August 2003, 22–35. Ansbach: Bachwoche Ansbach GmbH.
  • Weingarten, Gene. 2007. "Pearls Before Breakfast" (article text only); includes video. Washington Post Magazine (April 8; accessed September 18, 2011).

Ligações externasEditar