Abrir menu principal
Paul Grüninger
Nascimento 27 de outubro de 1891
Morte 22 de fevereiro de 1972 (80 anos)
Ocupação comandante de Polícia

Paul Grüninger (27 de outubro de 1891 - 22 de fevereiro de 1972) foi o comandante da polícia do cantão de St. Gallen, na Suíça.[1]

Em agosto e setembro de 1938, após a Anschluss, ele salvou cerca de 3.601 refugiados judeus dos nazis na Áustria, permitindo-lhes entrar na Suíça (naquela época, devido à política de neutralidade, a Suíça tinha fechado as suas fronteiras aos refugiados). Um ano depois foi condenado por fraude e sentenciado a dois anos de prisão e a pagar uma multa. Como ex-presidiário, foi-lhe difícil conseguir um emprego e a vida que tinha não era fácil. Paul Grüninger morreu na pobreza em 1972, sem ver o seu heroísmo reconhecido.[2]

Os descendentes de Paul Grüninger, juntamente com pressões diplomáticas americana e de grupos judeus, conseguiram limpar o seu nome. O tribunal do distrito de St. Gallen exonera-o em 1995. Honras oficiais foram dadas em Israel: ele é um dos mais de 20.000 gentios lembrados como justos entre as nações pelo Yad Vashem.[3] Em honra do seu sacrifício, uma rua, localizada no bairro Pisgat Ze'ev de Jerusalém, recebe o seu nome.[4]

Entre outros casos conhecidos de figuras que se destacaram pela coragem e humanismo incluem-se o cônsul de Portugal em Bordéus, Aristides de Sousa Mendes, e o cônsul japonês em Kaunas (Lituânia), Chiune Sugihara.

Referências

  1. «"Página web de Paul Grüninger"». Consultado em 23 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 23 de junho de 2011 
  2. «"História de Paul Grüninger na Suíça"». Consultado em 23 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 4 de setembro de 2010 
  3. Paul Grüninger - a sua actividade para salvar Judeus' vidas durante o Holocausto, o Yad Vashem site (em castelhano)
  4. "Rua em Jerusalém recebe nome de Paul Grüninger"