Paulo (cônsul em 512)

Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Paulo.

Paulo (em latim: Paulus) foi um oficial bizantino do século VI, ativo durante o reinado do imperador Anastácio I (r. 491–518).

Paulo
Nacionalidade Império Bizantino
Progenitores Pai: Viviano
Religião Cristianismo
Semisse de Anastácio I (r. 491–518)

VidaEditar

Paulo era filho do cônsul Viviano e irmão do prefeito urbano de Constantinopla Adamâncio. Em data desconhecida foi nomeado patrício e depois, em 512, cônsul ao lado de Mosquiano. Para que fosse nomeado, pegou emprestado 453 quilos de ouro com Zenódoto, mas foi incapaz de pagá-lo, pois seu pai, que era conhecido por sua generosidade, havia distribuído muito dinheiro durante seu ofício. Quem pagou a dívida foi o próprio imperador Anastácio I, que também deu a Paulo outros 453 quilos de ouro como um presente.[1]

Paulo era um zeloso cristão, provavelmente monofisista. É mencionado numa carta de Severo de Antioquia para Soterico de Cesareia como "o patrício reverenciado e amante de Cristo, Paulo, filho de Viviano". Em 508/510, Severo de Antioquia dedicou a ele e a Apião 2 um tratado contra Eutiques: "para Apião e Paulo, de memória muito ilustre, que eram patrícios".[2]

Ver tambémEditar

Cônsul posterior ao Império Romano
 
Precedido por:
Arcádio Plácido Magno Félix
com Flávio Secundino
Paulo
512
com Mosquiano
Sucedido por:
Probo
com Tauro Clementino Armônio Clementino


Referências

  1. Martindale 1980, p. 854.
  2. Martindale 1980, p. 854-855.

BibliografiaEditar

  • Martindale, J. R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1980). The Prosopography of the later Roman Empire - Volume 2. A. D. 395 - 527. Cambrígia e Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Cambrígia