Abrir menu principal
Pavilhão do Conhecimento
Centro Ciência Viva
Fachada principal do edifício
Nomes anteriores Pavilhão do Conhecimento dos Mares
Tipo Museu interactivo de Ciência e Tecnologia
Estilo dominante Contemporâneo
Arquiteto João Carrilho da Graça (1997-1998)
Engenheiro António Adão da Fonseca
Fim da construção 1998 (21 anos)
Inauguração Pavilhão do Conhecimento dos Mares
22 de maio de 1998 (21 anos)
Pavilhão do Conhecimento
Centro Ciência Viva
julho de 1999 (20 anos)
Prémios
Precedido por
Edifício Bagatela
1997
Prémio Valmor
1998
Sucedido por
Edifício C8 da FCUL
2000
Proprietário inicial Parque Expo 98 S.A.
Função inicial Cultural e recreativa: pavilhão de exposições
Função atual Cultural e recreativa: pavilhão de exposições
Visitantes 850 visitantes por dia[1]
Promotor / construtor Parque Expo 98 S.A.
Diretor Rosalia Vargas
Website www.pavconhecimento.pt
Património Nacional
SIPA 9903
Geografia
País Portugal Portugal
Cidade Lisboa Lisboa
Largo José Mariano Gago
Distrito Lisboa
Freguesia Parque das Nações
Coordenadas 38° 45' 43.99" N 9° 5' 44.2" O
Localização do edifício em mapa dinâmico

O Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência Viva, originalmente Pavilhão do Conhecimento dos Mares, é um museu de ciência localizado na margem direita do rio Tejo, no Parque das Nações, em Lisboa, Portugal.

Constitui-se em um museu interactivo de Ciência e Tecnologia que tem como objectivo torná-las mais acessíveis para todos, estimulando a exploração do mundo físico e a experimentação.

HistóriaEditar

Fez parte da área abrangida pela Expo 98 em 1998, actualmente denominada Parque das Nações. O projeto do seu edifício é de autoria do arquiteto Carrilho da Graça e do engenheiro António Adão da Fonseca, e foi contemplado com o Prémio Valmor e Municipal de Arquitectura em 1998, ex-arquiqueto com o Pavilhão de Portugal, na mesma área.

Durante aquele evento, o pavilhão teve a denominação de "Pavilhão do Conhecimento dos Mares", e os seus conteúdos mostravam a relação do Homem com os Oceanos ao longo dos tempos. Entre os atractivos à época, contavam-se mostruário com hologramas-miniatura, numerosos modelos de barcos e submarinos, e um modelo em tamanho real de um submarino idealizado por Leonardo da Vinci.

Com o fim do evento, o espaço foi remodelado como Pavilhão do Conhecimento e aberto ao público em Julho de 1999, constituindo-se no maior centro interativo de Ciência e Tecnologia da rede de centros Ciência Viva no país. Recebe em média mais de 850 visitantes por dia.

Exposições e actividadesEditar

O centro acolhe grandes exposições temáticas e dezenas de módulos interactivos destinados à exploração, pelos visitantes de todas as idades, de aspectos do mundo da Física, da Matemática e da Tecnologia, distribuídos em 4.000 metros quadrados. Exposições temporárias e permanentes, atelier, conferências, ATL e outras atividades complementam a oferta.

Os módulos permanentes são:

  • Explora
  • DÓING - oficina aumentada
  • A Casa Inacabada

É disponibilizado ainda aos visitantes uma cafetaria e uma Loja.

Ver tambémEditar

Referências

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pavilhão do Conhecimento
  Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.