Persistência da visão

A persistência da visão tradicionalmente se refere à ilusão de ótica que ocorre quando a percepção visual de um objeto não cessa por algum tempo depois que os raios de luz provenientes dele deixaram de entrar no olho.[1] A ilusão também foi descrita como "persistência retiniana",[2] "persistência de impressões",[3] simplesmente "persistência" e outras variações. Um exemplo muito comum do fenômeno é o aparente rastro de fogo de um carvão incandescente ou uma vara em chamas enquanto gira no escuro.[1]

Muitas explicações da ilusão realmente parecem descrever pós-imagens positivas[4] ou desfoque de movimento.

"Persistência da visão" também pode ser entendido como sinônimo de "fusão de cintilação",[5] o efeito de que a visão parece persistir continuamente quando a luz que entra nos olhos é interrompida com intervalos curtos e regulares. Quando a frequência é muito alta para o sistema visual discernir as diferenças entre os momentos, as impressões claras e escuras se fundem em uma impressão contínua da cena com brilho intermediário.

Desde a sua introdução, acredita-se que o termo "persistência da visão" seja a explicação para a percepção do movimento em brinquedos ópticos como o fenaquistoscópio e o zootrópio, e mais tarde no cinema. No entanto, esta teoria foi contestada mesmo antes do avanço da cinematografia em 1895. Se a "persistência da visão" é explicada como "fusão de cintilação", pode ser considerada a razão pela qual os intervalos escuros não interrompem a impressão contínua de uma cena representada. A ilusão de movimento como resultado de apresentações rápidas e intermitentes de imagens sequenciais é um efeito estroboscópico, conforme detalhado pelo inventor Simon Stampfer.[6]

As primeiras descrições da ilusão frequentemente atribuíam o efeito puramente à fisiologia do olho, particularmente da retina. Nervos e partes do cérebro mais tarde foram aceitos como fatores importantes.

A memória sensorial foi citada como uma causa.[7]

Referências

  1. a b Nichol, John Pringle (1857). A Cyclopædia of the Physical Sciences. [S.l.]: Richard Griffin and Company. Consultado em 29 de outubro de 2017 – via Google Books 
  2. «The Fortnightly». Chapman and Hall. 29 de outubro de 1871. Consultado em 29 de outubro de 2017 – via Google Books 
  3. Tyndall, John (1870). Notes of a Course of Nine Lectures on Light: Delivered at the Royal Institution of Great Britain, April 8-June 3, 1869. [S.l.]: Longmans, Green. p. 26. persistence of impressions. 
  4. Bill Nichols; Susan J. Ledermann (1980). Flicker and motion in film. [S.l.: s.n.] ISBN 9781349164011 
  5. Buchan, Suzanne (22 de agosto de 2013). Pervasive Animation. [S.l.: s.n.] ISBN 9781136519550 
  6. Stampfer, Simon (1833). Die stroboscopischen Scheiben; oder, Optischen Zauberscheiben: Deren Theorie und wissenschaftliche anwendung, erklärt von dem Erfinder [The stroboscopic discs; or optical magic discs: Its theory and scientific application, explained by the inventor] (em alemão). Vienna and Leipzig: Trentsensky and Vieweg. p. 2 
  7. Goldstein, B. (2011). Cognitive Psychology: Connecting Mind, Research, and Everyday Experience--with coglab manual. (3rd ed.). Belmont, CA: Wadsworth: 120.
  Este artigo sobre Fisiologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.