Peter Criss

Peter Criss
Criss durante o turnê da convenção de 1995
Informação geral
Nome completo George Peter John Criscuola
Também conhecido(a) como The Catman
Nascimento 20 de dezembro de 1945 (74 anos)
Local de nascimento Brooklyn, Nova Iorque, Nova Iorque
Estados Unidos
Gênero(s) Hard rock, heavy metal
Ocupação(ões) Músico
Instrumento(s) Bateria, percussão, vocais
Período em atividade 1964–2017
Gravadora(s) Casablanca, Mercury
Afiliação(ões) Kiss, Chelsea
Página oficial petercriss.net

George Peter John Criscuola (Brooklyn, 20 de dezembro de 1945), mais conhecido como Peter Criss, é um baterista americano, conhecido também por ter sido o baterista original da banda americana de hard rock Kiss, entre 1973 a 1980, 1996 a 2001, e novamente entre 2002 e 2004.[1][2]

BiografiaEditar

Mais velho de uma família de cinco irmãos, Peter sempre foi bom filho, pelo menos na infância. Aos 9 anos descobriu seu interesse pela bateria e começou a praticar. O ginásio encontraria-o um pouco menos bom filho que o costume, mais enturmado. Mas o estudo de música o manteve nos trilhos. Formou dezenas de bandas, como Os Barracudas, mas sua ambição sempre foi grande.

Aos 19 anos conheceu Lydia Di Leonardo, com quem casou-se em 1970. Enquanto trabalhava como ajudante de açougueiro, Peter colocou um anúncio na revista Rolling Stone, oferecendo-se como baterista e logo foi procurado por Gene e Paul e entusiasmou-se logo com o esquema. Atualmente não é mais integrante da banda. Logo que o Kiss começou a fazer sucesso, sua vida virou um paraíso, estavam ricos e sempre em excursão, onde levava Lydia, ou gravando um novo álbum. Compôs a canção "Beth" (que se iria chamar "Beck", mas Gene sugeriu a troca de nome, para não associá-la a Jeff Beck), que é um dos maiores sucesso do Kiss, até hoje. Paralelamente, seu casamento ia pouco a pouco deteriorando-se. E ele ia afundando-se nas drogas.

Em 1979, Peter separa-se de Lydia e sofre um acidente de carro. Nesse mesmo ano, casou-se com a modelo americana Debra Jensen. Seu álbum solo, lançado simultaneamente com os dos outros integrantes do Kiss, em 1978, não obteve bons resultados nas paradas de sucesso. Mas o processo era irreversível, pouco a pouco ia perdendo o interesse pelo Kiss e seus truques. Então com alguma mágoa deixa a banda.

Rapidamente lançou o seu próximo disco solo, Out of Control, em 1980. Dois anos depois lançou Let Me Rock You. Em 1989, fez uma participação especial no disco do guitarista Ace Frehley, chamado Trouble Walkin, na música Hide Your Heart (música que também foi lançada pelo Kiss no mesmo ano, no disco "Hot In The Shade", essa música foi escrita por Paul Stanley). Em 1994, lançou Criss Cat#1, que contou com a participação do amigo Ace Frehley em três músicas. Peter teve também um projeto que teve a participação de Mark St. John, que foi guitarrista do Kiss nos anos 80.

Depois de 15 anos, Peter leva sua filha Jenilee a uma convenção de fãs do KISS, onde se encontrou com Gene. É convidado e participa do acústico do Kiss em 1995. No ano seguinte (1996), Peter estava de volta ao Kiss. Peter casou-se novamente em 1997, agora com Gigi Criss, e em 2001, Peter sai do Kiss mais uma vez.

No final do ano de 2001 participou de dois episódios da série OZ.

Peter Criss voltou para o Kiss e tocou num show com a Orquestra Sinfônica de Melbourne, na Austrália, no dia 28 de fevereiro de 2003, rendendo um álbum, ("Symphony: Alive IV"). Tocou com o Kiss também em três shows no Japão em março, e em uma apresentação em Las Vegas, também em março de 2003. Participou também da turnê com o Aerosmith em 2003. Atualmente Peter não está no Kiss. Em seu lugar está o baterista Eric Singer (ex-Black Sabbath, ex-Badlands).

DiscografiaEditar

ChelseaEditar

KissEditar

SoloEditar

ParticipaçõesEditar

Referências

  1. «Kiss». Rock & Roll Hall of Fame. Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  2. «Peter Criss». Long Island Music Hall of Fame (em inglês). Consultado em 8 de dezembro de 2019