Philosophical Magazine

A Philosophical Magazine é uma das mais antigas revistas científicas publicadas em inglês, que ainda está sendo publicada.[1] Fundado por Alexander Tilloch (1759-1825), apareceu pela primeira vez em junho de 1798 em Londres. É publicado pela Taylor & Francis desde 1852.[2] Os autores incluem Michael Faraday, James Prescott Joule, James Clerk Maxwell, Joseph John Thomson,[1] Ernest Rutherford e Otto Hahn.

História primitivaEditar

O nome da revista data de um período em que a "filosofia natural" abrangia todos os aspectos da ciência. O primeiro artigo publicado na revista trazia o título "Conta da patente do motor a vapor do Sr. Cartwright". Outros artigos no primeiro volume incluem "Métodos para descobrir se o vinho foi adulterado com quaisquer metais prejudiciais à saúde" e "Descrição do aparelho usado por Lavoisier para produzir água a partir de suas partes componentes, oxigênio e hidrogênio".

Século XIXEditar

No início do século XIX, artigos clássicos de Humphry Davy, Michael Faraday e James Prescott Joule apareceram na revista e na década de 1860 James Clerk Maxwell contribuiu com vários artigos longos, culminando em um artigo contendo a dedução de que a luz é uma onda eletromagnética ou, como ele mesmo disse: "Dificilmente podemos evitar a inferência de que a luz consiste em ondulações transversais do mesmo meio que é a causa dos fenômenos elétricos e magnéticos". O famoso artigo experimental de Albert A. Michelson e Edward Morley foi publicado em 1887 e foi seguido dez anos depois por J.J. Thomson com o artigo "Raios Catódicos" - essencialmente a descoberta do elétron.[3]

Em 1814, a Philosophical Magazine fundiu-se com o Journal of Natural Philosophy, Chemistry, and the Arts, também conhecido como Nicholson's Journal (publicado por William Nicholson), para formar a The Philosophical Magazine and Journal.[4] Outras fusões em 1827 com os Annals of Philosophy, e em 1840 com The London and Edinburgh Philosophical Magazine e Journal of Science (chamado de Edinburgh Journal of Science até 1832) levaram à renomeação do jornal como The London, Edinburgh, e Dublin Philosophical Magazine and Journal of Science. Em 1949, o título foi revertido para The Philosophical Magazine.[5]

Século XXEditar

No início do século 20, Ernest Rutherford era um colaborador frequente. Certa vez, ele disse a um amigo para "ficar atento à próxima edição da Philosophical Magazine; é altamente radioativo!" Além de seu trabalho sobre a compreensão da radioatividade, Rutherford propôs os experimentos de Hans Geiger e Ernest Marsden que verificaram seu modelo nuclear do átomo e levaram a Niels Bohr o famoso artigo sobre elétrons planetários, que foi publicado na revista em 1913. Outra contribuição clássica de Rutherford foi intitulada "Colisão de partículas α com átomos leves. IV. Um efeito anômalo no nitrogênio" - um artigo que descreve nada menos que a descoberta do próton, que ele nomeou um ano depois.

Em 1978 a revista foi dividido em duas partes independentes, Philosophical Revista A e Philosophical Revista B.[5] A Parte A publicou artigos sobre estrutura, defeitos e propriedades mecânicas, enquanto a Parte B se concentrou em mecânica estatística, propriedades eletrônicas, ópticas e magnéticas.

Desenvolvimentos recentesEditar

Desde meados do século, a revista tem se concentrado na física da matéria condensada e publicou artigos significativos sobre mecânicas de sólidos, semicondutores amorfos e vidros.[6] À medida que a área temática evoluiu e tornou-se mais difícil classificar as pesquisas em áreas distintas, não foi mais considerado necessário publicar a revista em duas partes, portanto, em 2003, as partes A e B foram fundidas novamente. Em sua forma atual, 36 números da Philosophical Magazine são publicados a cada ano, complementados por 12 números da Philosophical Magazine Letters.[7]

Philosophical Magazine LettersEditar

Em 1987, a revista irmã Philosophical Magazine Letters foi fundada com o objetivo de publicar rapidamente comunicações curtas sobre todos os aspectos da física da matéria condensada.[7]

SérieEditar

Ao longo de seus 200 anos de história, a Philosophical Magazine ocasionalmente reiniciou seus números de volume em 1, designando uma nova "série" a cada vez. As séries da revista são as seguintes:[8]

  • Revista Filosófica, Série 1 (1798-1826), volumes 1 a 68
  • Revista Filosófica, Série 2 (1827-1832), volumes 1 a 11
  • Revista Filosófica, Série 3 (1832-1850), volumes 1 a 37
  • Revista Filosófica, Série 4 (1851-1875), volumes 1 a 50
  • Revista Filosófica, Série 5 (1876–1900), volumes 1 a 50
  • Revista Filosófica, Série 6 (1901-1925), volumes 1 a 50
  • Revista Filosófica, Série 7 (1926-1955), volumes 1 a 46
  • Revista Filosófica, Série 8 (1955-presente), volumes 1 a 95 (até dezembro de 2015)

Caso a renumeração não tivesse ocorrido, o volume de 2015 (série 8, volume 95) teria sido o volume 407.

ReferênciasEditar

  1. a b «Philosophical Magazine». Nature (em inglês) (3939): 509–509. 1 de abril de 1945. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/155509b0. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  2. «Tilloch, Alexander (1759–1825), journalist and inventor». Oxford Dictionary of National Biography (em inglês). Consultado em 24 de setembro de 2021 
  3. Baldwin, Melinda (1 de maio de 2021). «Ernest Rutherford's ambitions». Physics Today (5): 26–33. ISSN 0031-9228. doi:10.1063/PT.3.4747. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  4. The Philosophical magazine : comprehending the various branches of science, the liberal and fine arts, geology, agriculture, manufactures and commerce. 42. London :: Richard Taylor and Co.,. 1813 
  5. a b «ZDB-Katalog - Detailnachweis: The London and Edinburgh...». zdb-katalog.de. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  6. «Philosophical Magazine Letters». www.scimagojr.com. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  7. a b «Philosophical Magazine Letters». Taylor & Francis (em inglês). Consultado em 25 de setembro de 2021 
  8. «The Philosophical Magazine archives». onlinebooks.library.upenn.edu. Consultado em 25 de setembro de 2021 

Links externosEditar