Abrir menu principal

Phytolacca

género de plantas


Como ler uma infocaixa de taxonomiaPhytolacca
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
(sem classif.) Eudicots
(sem classif.) eudicots nucleares
Ordem: Caryophyllales
Família: Phytolaccaceae
Género: Phytolacca
L.
Espécies
Cerca de 35 espécies.
Ver texto.
Sinónimos
Um cultivar de jardim de P. americana com grandes frutos.

Phytolacca L. é um género de plantas com flor pertencente à família Phytolaccaceae que agrupa um conjunto de espécies perenes nativas da América do Norte, América do Sul, leste da Ásia e Nova Zelândia que se distinguem pela presença nos seus tecidos de fitolacatoxina e fitolacigenina, compostos venenosos para mamíferos e peixes mas inofensivos para as aves.

DescriçãoEditar

As espécies integradas no género Phytolacca são herbáceas de 30 cm a 15 m de altura, com folhas simples alternas, afiladas, com margens rugosos. Frequentemente o caule apresenta coloração rosa ou roxa. As flores são branco-esverdeadas, em longas cachos no final dos ramos. O fruto é uma drupa de coloração púrpura ou negra quando madura.

EtnobotânicaEditar

A espécie Phytolacca dioica, a bela-sombra, é uma planta arborescente que cresce de modo semelhante a uma árvore nas pampas da América do Sul, dando sombra nas extensas pastagens naturais daquela região. É um símbolo da Argentina e Uruguay e da cultura dos gaúchos.

As folhas jovens de algumas espécies são utilizadas para alimentação humana, mas são fervidas três vezes para reduzir o seu teor em toxinas, mudando de água após cada fervura. O resultado é uma salada, ocasionalmente disponível comercialmente. Contudo, ainda que fervida várias vezes, ficam sempre traços das toxinas.

Em 1989, Akliku Lemma e Legesse Wolde-Yohannes receberam o prémio Right Livelihood Award pela sua investigação sobre o uso da espécie Phytolacca dodecandra como medida preventiva para a esquistossomíase.

As drupas quando esmagadas produzem um corante vermelho muito usado pelos ameríndios para decorar os seus cavalos. O sumo vermelho tem sido usado para simbolizar sangue, nomeadamente durante as manifestações contra a escravatura de Benjamin Lay.

Serve como planta ornamental, principalmente pelos seus belos frutos.

TaxonomiaEditar

Notas

  1. «Phytolacca». Tropicos.org. Jardim Botânico do Missouri. Consultado em 28 de maio de 2011 
  2. «Phytolacca». Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. Consultado em 5 de janeiro de 2015 
  3. Quattrocchi, Umberto (2000). CRC World Dictionary of Plant Names. 3 M-Q. [S.l.]: CRC Press. p. 2065. ISBN 978-0-8493-2677-6 
  4. Phytolacca en PlantyList consultado el 28 de mayo de 2011
  5. a b c «Nombres comunes de las plantas de Colombia». Consultado em 19 de junho de 2018. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 

Classificação do géneroEditar

Sistema Classificação Referência
Linné Classe Decandria, ordem Decagynia Species plantarum (1753)

BibliografiaEditar

  • Flora of North America Editorial Committee, e. 2003. Magnoliophyta: Caryophyllidae, part 1. 4: i–xxiv, 1--559. In Fl. N. Amer.. Oxford University Press, New York.
  • Forzza, R. C. & et al. 2010. 2010 Lista de espécies Flora do Brasil. http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/.
  • Luteyn, J. L. 1999. Páramos, a checklist of plant diversity, geographical distribution, and botanical literature. Mem. New York Bot. Gard. 84: viii–xv, 1--278.
  • Marchioretto, M. S. & J. C. Siqueira. 1993. O gęnero Phytolacca L. (Phytolaccaceae) no Brasil. Pesquisas, Bot. 44: 5-40.
  • Molina Rosito, A. 1975. Enumeración de las plantas de Honduras. Ceiba 19(1): 1–118.
  • Standley, P. C. & J. A. Steyermark. 1946. Phytolaccaceae. In Standley, P.C. & Steyermark, J.A. (Eds), Flora of Guatemal a - Part IV. Fieldiana, Bot. 24(4): 192–202.
  • Stevens, W. D. 2001. Phytolaccaceae. En: Stevens, W.D., C. Ulloa, A. Pool & O.M. Montiel (eds.). Flora de Nicaragua. Monogr. Syst. Bot. Missouri Bot. Gard. 85(3): 1924–1928.
  1. Stevens, W. D., C. U. U., A. Pool & O. M. Montiel. 2001. Flora de Nicaragua. Monogr. Syst. Bot. Missouri Bot. Gard. 85: i–xlii, 1--2666.

Ligações externasEditar