Abrir menu principal

Wikipédia β

Text document with red question mark.svg
Este artigo contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2011)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Tronco de uma Sequoia sempervirens em comparação a um ser humano.

Chama-se de caule o órgão condutor de seivas (tanto seiva bruta como seiva elaborada) das plantas, por que e que sustenta a copa das árvores. Possui gemas (apical e auxilar) de onde brotam os nós, os ramos, as folhas e as flores. O meristema é o tecido responsável pelo crescimento do caule.

Índice

AnatomiaEditar

 
A imagem ilustra a localização dos tecidos adjacentes de um tronco. Ep : epiderme; C: córtex; BF: bast fibres; P: floema; X: xilema; Pi: pith

O caule das plantas vasculares completamente desenvolvidos é um corpo subcilíndrico formado por camadas sucessivas de diferentes tecidos:

Nó, entrenó e gema terminal/gema apical

  • : região caulinar geralmente delgada de onde partem as folhas.
  • entre-nó ou meritalo: região caulinar entre dois nós consecutivos.
  • gema terminal/gema apical: Situada no ápice, constituídas por escamas, ponto vegetativo (região meristemática, de forma cônica) e primórdios foliares que o recobrem. Podem produzir ramos foliosos, flores e promover crescimento. Há gemas nuas, isto é, sem escamas.
  • gema lateral: De constituição semelhante á anterior e que pode produzir ramo folioso ou flor. Situada na axila de folhas, chama-se também gema auxiliar. Muitas vezes, permanece dormente, isto é, não se desenvolve devido.

Classificações dos caulesEditar

 
Detalhe do caule do orégano, erva utilizada como condimento
 
Detalhe do colmo de um bambu.
 
Detalhe do caule de uma Vitória-régia.
 
Espécie de crescimento simpodial.

Tipos de caules considerando-se a consistência da plantaEditar

  • caule herbáceo - caule macio ou maleável com presença de tecido colenquimático e consequentemente com acúmulo da celulose junto à parede celular (podendo, geralmente, ser cortado apenas com a unha);
  • caule sublenhoso - é lignificado apenas na parte mais velha, junto à raiz, e ocorre em muitos arbustos e ervas;
  • caule lenhoso - amplamente lignificado, rígido e, em geral, de porte avantajado, forma, por exemplo, os troncos das árvores.

Posição do caule: ereto, rastejante, trepador e volúvel.

Tipos de caules considerando-se o desenvolvimento da plantaEditar

  • erva: Pouco desenvolvida
  • subarbusto: Arbusto pequeno
  • arbusto: tamanha médio inferior a 5 metros, resistente e lenhoso
  • Arvoreta: Mesma arquitetura das arvores, porém só alcança 5 metros
  • árvore: superior a 5 metros e geralmente com o tronco nítido.
  • liana: cipó trepador sarmentoso
  • tronco.

Tipos de caules considerando-se a forma da plantaEditar

  • caule anguloso;
  • caule achatado ou comprido;
  • caule bojudo ou barrigudo, exemplo: baobá;
  • caule cilíndrico;
  • caule cônico;
  • caule estriado;
  • caule sulcado.

Tipos de caules considerando-se o habitat da plantaEditar

Caules aéreosEditar

  • caules volúveis sinistros;
  • caules volúveis dextros; madressilva
  • caules não-volúveis.

Nota: O estolho ou estolhão é uma brotação lateral que em intervalos sucessivos forma gemas com raízes e folhas. Logo, o estolho permite a propagação vegetativa da espécie, exemplos: clorofito e morango.

  • bulbo tunicado, exemplo: cebola;
  • bulbo composto ou bulbilho, exemplo: alho e gladíolo ou palma-de-santa-rita;

Nota: Pseudobulbo ou caulobulbo é uma dilatação em forma de bulbo, que é característica das orquídeas e serve tanto para o armazenamento de água como também nutrientes minerais importantes para a nutrição vegetal.

Caules aquáticosEditar

São considerados caules aquáticos todos aqueles que se desenvolvem em meio aquoso, exemplos: elódea, vitória-régia e outras plantas ornamentais aquáticas.

Tipos de caules considerando-se o tipo ramificação da plantaEditar

  • caule monopodial;
  • caule simpodial;
  • caule em dicásio.

Ver tambémEditar

  A Wikipédia possui o portal:

Referências

  • VIDAL, Waldomiro Nunes & VIDAL, Maria Rosária Rodrigues (1990). Botânica organografica: quadros sinóticos ilustrados de fanerógamos. (3 ed.). Viçosa: Universidade Federal de Viçosa.
  • AGAREZ,Fernando Vieira. Botânica: taxonomia, morfologia e reprodução dos angiospermae: chaves de determinação das famílias. (2 ed.) Rio de Janeiro Âmbito Cultural(1994)

Ligações externasEditar