Piankhi-Yerike-Qo

31º rei da Dinastia Napata do Reino de Cuxe

Piankhi-Yerike-Qo foi o 31º rei da Dinastia Napata do Reino de Cuxe, acredita-se que tenha reinado na primeira metade do século III a.C. [1] [2]

Piankhi-Yerike-qo

<
anxpiA2rw
nb
q
>
31º Rei da Dinastia Napata
do Reino de Cuxe
Reinado primeira metade do século III a.C.
Antecessor(a) Kash(...)
Sucessor(a) Sabrakamani

EvidênciasEditar

A única evidência do reinado de Piankhi-Yerike-Qo está em uma inscrição erguida por seu sucessor Sabrakamani (Kawa XIII). Sua filiação e relações familiares são desconhecidas. O nome contém os componentes Piye, escritos como o nome de seu grande predecessor e significando talvez "rei" no uso cuxita posterior,[3] e Irike, que em Meroítico (yerike) tem o significado de gerado de. Consequentemente, seguindo a sugestão de Macadam,[3] Irike-Piye pode ser interpretado como gerado pelo Rei. O nome é complementado com o elemento -qo, que ocorre em um grande número de nomes reais cuxitas, bem como no material de nomes não reais preservados do período Meroítico, mas seu significado é obscuro. [4] Como consequência da datação da inscrição de Sabrakamani ser da primeira metade do século III a.C., seu predecessor Irike-Piye-qo teve seu reinado no início do século III a.C. Seu local de sepultamento é desconhecido. Na literatura, vários túmulos na necrópole de Jebel Barcal foram associados a ele: Dunham afirma que sua sepultura é em Jebel Barcal (Bar.)18; [5] Hofmann o coloca em Bar.15; [6] Hintze na Bar.11; [7] Wenig na Bar.14; [8] mas todas essas atribuições são, no entanto, mera conjectura. [1]

Precedido por
Kash(...)
31º Rei da Dinastia Napata
do Reino de Cuxe

primeira metade do século III a.C.
Sucedido por
Sabrakamani


Referências

  1. a b Eide, Tormod (1994). Fontes Historiae Nubiorum:. From the mid-fifth to the first century BC (em inglês). [S.l.]: University of Bergen, Department of Classics. p. 533 
  2. Török, László (2015). The Kingdom of Kush: Handbook of the Napatan-Meroitic Civilization (em inglês). [S.l.]: BRILL. p. 203 
  3. a b Macadam, Miles F. (1949). The Temples of Kawa:. I. The inscriptions Plates (em inglês). [S.l.]: Griffith Inst. p. 73 
  4. Hofmann, Inge; Vorbichler, Anton (1981). Material für eine meroitische Grammatik (em alemão). [S.l.]: Afro-Pub. pp. 52 ss 
  5. Dunham, Dows (1957). The royal Cemeteries of Kush. 4. Royal tombs at Meroe and Barkal (em inglês). [S.l.]: Museum of Fine Arts. p. 6 
  6. Hofmann, Inge (1978). Beiträge zur meroitischen Chronologie (em alemão). [S.l.]: Anthropos-Inst. p. 35 
  7. Hintze, Fritz (1962). Die Inschriften des Löwentempels von Musawwarat es Sufra. Berlin: Akademie-Verlag. p. 19 
  8. Steffen Wenig (1967) Bemerkungen zur Chronologie des Reiches von Meroe in Mitteilungen des Instituts für Orientforschung volume 13 p. 44