Pierre Frank

político francês

Pierre Frank (também escrito Franck),[1] (1905 - 1984) foi um líder trotskista francês. Ele atuou no secretariado da Quarta Internacional entre 1948-1979.

Pierre Frank
Nome completo Pierre Frank
Nascimento 24 de outubro de 1905
Paris (França)
Morte 18 de abril de 1984 (78 anos)
Paris (França)
Nacionalidade francêês
Ocupação Escritor e Político

BiografiaEditar

Pierre Frank nasceu em Paris (IXº Distrito) em 24 de outubro de 1905, era filho de Aron Frank e de Ana Shirmann, judeus que emigraram da Rússia em 1904 e ganhavam a vida como alfaiate.[2]

Formou-se engenheiro químico[3] na Ecole de Phisique et de Chimie Industrielles de Paris e durante o curso ajudou na fundação da União Geral dos Estudantes Técnicos da Industria, do Comércio e da Agricultura (UGETICA), depois como sindicalista participou ativamente na Federação dos Trabalhadores Químicos afiliada a Confederação Geral do Trabalho Unificada ligada ao Partido Comunista Francês.[2]

O Inicio da MilitânciaEditar

Pierre Frank dedicou sua vida a uma militância que começou no Partido Comunista Francês em 1925,[3] Frank foi um dos primeiros trotskistas franceses, trabalhando com o surrealista Pierre Naville e o sindicalista Alfred Rosmer.[2]

Em 1927, o jovem engenheiro se manifestava partidário da Oposição Unificada (trotskistas e zinovievistas), junto com alguns ativistas do PC francês (Alfred Rosmer, Pierre Monatte e o primeiro Boris Souvarine, que representavam o setor ligado ao sindicalismo revolucionário de Amiens),[3] ficando ao lado das tendências anti-estalinistas e anti-bukharinistas. Dois anos depois, como consequência da simpatia que sentia pela Oposição de Esquerda trotskista é expulso do PCF. Depois disso junto com outros oposicionistas e expulsos funda o jornal La Vérité, o mais antigo jornal trotskista.[2]

Em 1930, juntou-se a Trotsky na ilha de Prinkipo (nos arredores de Istambul ) para participar do secretariado que irá preparar uma primeira conferência da Oposição de Esquerda Internacional. Após o seu regresso à França, assume a liderança da recém fundada Liga Comunista , a organização trotskista francesa.[3]

No final de 1934 a Liga Comunista decide, com o apoio de Trotsky e de acordo com a recente tática de entrismo, a entrar na Seção Francesa da Internacional Operária (SFIO). Os trotskistas formariam uma fração (Grupo Bolchevique Leninista)dentro do SFIO, todos estavam muito tensos pois essa a primeira experiência com a nova tática e o entrismo ia ser tentado pela primeira vez a nível mundial na França. Pierre Frank foi eleito para dirigir o GBL dentro do SFIO em junho de 1935, mas alguns meses depois foi expulso do SFIO junto com a maioria do GBL no Congresso de Mulhouse.[2]

Entre os trotskistas franceses começaram a haver discussões sobre os problemas da tática e construção partidária que surgiram como conseqüência da expulsão do SFIO que levou a uma profunda e duradoura cisão. Rivalidades pesoais e uma profunda animosidade abalaram as relações entre vários lideres trotskistas franceses. Um setor minoritário liderados por Pierre Frank e os irmãos Henri e Raymond Molinier advogavam um amplo reagrupamento fora das fileiras da SFIO e, assim, entrou em acentuado conflito com Trotsky e da maioria dos trotskistas franceses.[2]

O grupo de Pierre Frank e dos irmãos Molinier lançam o jornal "La Commune" e em janeiro de 1936 fundam o Comité pour la IVe Internationale que será renomeado em março de 1936 para Parti Communist Internationalist (PCI).[1]

Em 1939 Pierre Frank foi sentenciado in absentia à prisão em decorrência dos artigos escritos por ele,[2] então junto com Molinier e Frankvão para a Bélgica , acompanhados por Rodolphe Prager.[1] Molinier e Frank são os únicos a escapar da ofensiva alemã , fogem em direção ao Reino Unido com Prager, seus amigos belgas foram quase todos presos. Eles, então, tentar estabelecer contato com os trotskistas britânicos, permanecendo isolados dos trotskistas franceses durante a guerra.[1]

Pierre Frank conseguiu publicar um jornal chamado "Correspondência Internacional" , mas foi preso pela polícia britânica como estrangeiro perigoso . Transferido para um campo de detenção na Ilha de Man em 1943 onde permanece isolado durante toda a guerra,[2] sendo liberado somente com a ajuda da trotskista Betty Hamilton em fevereiro de 1946.[1]

O pós-guerraEditar

Ao final da Segunda Guerra Mundial, voltou para a França via Bélgica e participou da primeira Conferência pós-segunda guerra mundial dos trotskistas que ocorreu em março de 1946 em Paris, nesta conferência a unificação das forças trotskistas foi selada. Na França a campanha para reunificar os trotskistas franceses tinha ocorrido dois anos antes em fevereiro de 1944 numa Conferência Europeia clandestina, onde as três principais correntes rivais se unificaram, a nova seção da Quarta Internacional passa a utilizar o mesmo nome da antiga corrente de Pierre Frank antes da guerra Parti Communiste Internationaliste (PCI, Partido Comunista Internacionalista). Logo após o termino da Conferência Internacional Pierre Frank é incorporado na direção do PCI.[2]

Com o fim da onda revolucionária na Europa Ocidental pós-II Guerra Mundial, em torno de 1948-1949, o movimento trotskista francês - assim como em toda a Europa Ocidental e América do Norte - passou por um novo período de estagnação e retrocesso que foram refletidos no aumento dos problemas internos e numa série de divisões. Pierre Frank participou de todos esses debates internos. O fato é que eles serviam para manter a continuidade programática e teórica do movimento através dos reajustes inevitáveis ​​ditados pelos novos fenômenos que os marxistas revolucionários tiveram de lidar , como a vitória na Iugoslávia, as revoluções chinesa e da Indochina liderados por forças que se originaram no movimento estalinista, mas foram levadas a romper com ele sobre questões-chaves da estratégia revolucionária para ser capaz de levar a revolução à vitória em seus respectivos países.[4]

Na França dos final dos anos 40 Pierre Frank representava quase sozinho a continuidade do trotskismo pré-guerra dos anos anos 20 e 30, pois a maioria dos quadros e ativistas foi morta durante a guerra e a ocupação fascista; ou abandonaram a atividade politica.[2]

No Congresso Mundial de 1948, ele é incorporado á direção da Quarta Internacional, junto com Ernest Mandel e Michel Pablo .Em 1952/1953, mesmo estando em minoria dentro do PCI apoiou as posições de Michel Pablo de entrismo sui generis. Nas décadas de 50, 60 e 70 viajou por vários países da Europa, da América e da Ásia como representante do Secretariado Internacional da Quarta Internacional (SIQI).

O pequeno PCI sobreviveu durante esse período, liderada por Pierre Frank. Sua principal conquista foi o de compreender a importância da revolução colonial, que continuaram a se desenrolar no mundo ao longo dos anos 1950 e 1960. Devido a esse trabalho de solidariedade, Pierre Frank foi preso em 1956. Assim, teve a honra de ser o único líder do movimento operário francês a ser preso por solidariedade com a Revolução Argelina.[4]

Na verdade, o PCI, estimulado por Michel Pablo e Pierre Frank, comprometeu-se a uma defesa ativa, incluindo uma ajuda material e política, à Revolução Argelina, à Revolução Cubana e à Revolução Vietnamita. Isto permitiu-lhe influenciar e, em seguida, conquistar uma ampla corrente de juventude comunista na União dos Estudantes Comunistas (Communistes Union des Etudiants - UEC), que tinha adotado a mesma orientação.[4]

Isto levou à criação da Juventude Comunista Revolucionária (Jeunesse Communiste Révolutionnaire - JCR) e depois de maio de 1968, na fusão do JCR e PCI que deu origem à Liga Comunista, seção francesa da IV Internacional, o primeiro exemplo, na Europa, a transformação de um dos pequenos grupos trotskistas originais em uma organização numericamente mais forte com mais raízes na classe trabalhadora.[4]

Em 1963 participou ativamente no processo de fusão que deu origem ao Secretariado Unificado da Quarta Internacional (SUQI), participando de sua direção, tornou-se editor do "Press Intercontinental". Anos mais tarde ele ajudou a organizar a Liga Comunista Revolucionária , em 1973, continuando sendo um ativo militante.[2]

Depois de ter suas responsabilidades políticas retiradas na segunda metade da década de 70 Pierre Frank morre em 18 de abril de 1984 no hospital La Pitíe em Paris . Foi cremado no cemitério Père Lachaise.[2]

ObrasEditar

Sua obra literária inclui muitos artigos e folhetos, mas dois de seus livros merecem especial menção: Quarta Internacional: A Longa Marcha dos Trotskistas e História da Internacional Comunista (1919-1943) cujos dois volumes foram publicados pela Editora La Breche em 1979. Este livro, que é o único trabalho científico, marxista sobre este tema decisivo ilustra o alcance da experiência e lucidez que Pierre adquirida em seus quase sessenta anos de ativismo. Da mesma forma, também reflete a sua preocupação fundamental com a continuidade da teoria e da prática comunista, isto é, no século XX, da teoria e prática marxista revolucionária.[4]

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c d e Christophe Nick, Les Trotskistes, Fayard, 2002
  2. a b c d e f g h i j k l Wolfgang Lubitz; Petra Lubitz. «Biografia de Pierre Frank» (PDF) (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2012 
  3. a b c d Pepe Gutiérrez-Álvarez. «Pierre Frank, el militante con piel de elefante» (em espanhol). Consultado em 19 de julho de 2012. Arquivado do original em 13 de julho de 2012 
  4. a b c d e Ernest Mandel. «Pierre Frank is Dead». Marxists’ Internet Archive (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2012