Abrir menu principal

Pixote (banda)

banda musical
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pixote
Dodô, vocalista da banda.
Informação geral
Origem São Paulo, SP
País  Brasil
Gênero(s) pagode romântico
Período em atividade 1993-presente
Gravadora(s) Atração (1995-97; 2005-08)
Continental East West (1991)
Warner Music (2001)
Sky Blue (2004)
EMI (2010)
Radar Records (2011)
Som Livre (2013 - presente)
Integrantes Dodô
Thiaguinho
Tiola Chocolate
Ex-integrantes Mineirinho

Wallace
Nito
Página oficial Sítio oficial

Pixote é uma banda brasileira de pagode romântico. No início eram 7 os componentes, hoje, são 3. Douglas Fernando Monteiro, o Dodô no vocal, Thiago Carvalho Santana, o Thiaguinho nos teclados, Agnaldo Nascimento Apolinário, o Tiola Chocolate no tantan e, completando a turma, Eduardo Pereira Pacheco, o Dú no pandeiro. Clayson Rangel Batista, o Mineirinho, também era integrante do Pixote (tocava violão) mas em outubro de 2014 deixou o grupo e se converteu evangélico para seguir carreira na música gospel. Foi o último a deixar o grupo. O primeiro integrante a deixar o grupo foi o Wallace, que tocava cavaquinho e é único no qual o motivo de sua saída do Pixote é desconhecida. Outro integrante que deixou a banda foi o Nito, que tinha como principal instrumento o repique de mão, ele saiu do grupo em 1998 e alguns anos depois voltou retornou a carreira musical como integrante da banda Katinguelê, um grupo de pagode que assim como o Pixote fez sucesso estrondoso nos anos 90. Ele é irmão do Théo, que também é integrante do Kantiguelê.

HistóriaEditar

Em 1993, os sete, ainda crianças mas já com banda formada, participaram de um festival de samba numa praça pública de São Paulo. E foi nessa ocasião que acabaram sendo observados e descobertos pelo pessoal da gravadora Zimbawê. Foram eles que sugeriram, pelo fato de se tratarem de pré-adolescentes, a mudança de nome do grupo para Pixote, que acabou pegando e fazendo marca.

O primeiro trabalho foi a participação do grupo na coletânea "Pagode de Primeira", onde interpretam as canções Sonho Real e Sonho de Poeta. Em 1995, finalmente lançavam o primeiro disco, "Brilho de Cristal", onde o grupo estourou com a faixa de mesmo nome e com Cada Um Cada Um, principalmente no interior e na capital paulista. A faixa " Mal de amor", partencente a esse mesmo disco é a única que não é cantada na voz de Dodô, e sim do tecladista Thiaguinho, que na época era o integrante mais jovem do grupo com apenas nove anos de idade.

O segundo CD, "Tão Inocente", saiu na esteira do trabalho anterior e alavancou seis sucessos nas paradas. Os meninos dão, então, o maior passo de sua carreira, assinando contrato com a gravadora Continental East West, onde lançaram, em 2000, o terceiro álbum de sua carreira, "Tá Bom Demais", onde contam com a produção cuidadosa do Bira Hawai.

Mas nem tudo foi fácil antes do sucesso. Tiveram muitas dificuldades no início de carreira. E batalharam duro em outros palcos menos iluminados. Douglas era atendente do McDonalds. Tiola vendia autopeças. Mineiro era guia turístico em Ouro Preto/MG.

Existem 3 momentos especiais na carreira destes garotos, momentos inesquecíveis desta explosiva trajetória, que, em apenas sete anos, os tornou conhecidos em praticamente todo o Brasil. A gravação do primeiro CD, a participação do público no primeiro show, e o primeiro trabalho pela Continental East West, pontapé inicial de nesta carreira.

Entre os diversos shows que já fizeram, os mais marcantes na opinião do Grupo foi o realizado no CERET-SP para uma audiência de mais de 100 mil pessoas, apresentação durante a Copa do Mundo de 94, no Ginásio do Ibirapuera. As músicas marcantes, segundo o próprio Pixote, são: Brilho de Cristal, a preferida, e as ainda lembradas Saudade de Nós e Beijo Doce.

CríticaEditar

Escrevendo para o Yahoo!, Regis Tadeu publicou uma crítica negativa para o grupo em 2012: "Até quando teremos que aguentar grupos de pagode fazendo o mesmíssimo som, cantando as mesmíssimas coisas, com as mesmíssimas coreografias? Até quando, meu Deus? Até quando?"[1]

IntegrantesEditar

Formação atualEditar

Ex-integrantesEditar

Wallace Martins - cavaquinho (1993-1997)

Erico Lins Rodrigues ("Nito") - repique de mão (1995- 1998)

Eduardo Pereira Pacheco ("Dú") - Pandeiro (1993-2019)

Quando iniciou, o grupo Pixote possuía sete integrantes, todos eles com idade entre sete e quatorze anos,. Na capa do álbum "Brilho de Cristal" (1995), os créditos não foram dados ao Nito, que aparece na foto da capa do álbum "Tão Inocente" (1997). A partir de 1998 com a saída de Nito, que alguns anos depois ingressaria ao grupo Katinguelê ao lado do irmão Théo, o grupo passou a contar com cinco integrantes. Desde quando começou, o Pixote mantém a mesma formação, algo que é considerado raro em grupos de pagode que possuem uma grande troca de seus integrantes.

DiscografiaEditar

Referências

  1. Regis Tadeu (1 de fevereiro de 2012). «Regis Tadeu comenta a agenda de shows de fevereiro». Yahoo!. Consultado em 6 de fevereiro de 2017 

Ligações externasEditar