Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para a ponte em Itumbiara, veja Ponte Affonso Penna. Para outras pontes pênsis, veja Ponte pênsil (desambiguação) .
Ponte Pênsil Afonso Pena
Nome oficial Ponte Pênsil Afonso Pena
Arquitetura e construção
Material Madeira sustentada por cabos de aço
Estilo arquitetônico Arquitetura de ferro
Design Ponte pênsil
Mantida por Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Sapucaí
Início da construção 1905
Término da construção 11 de janeiro de 1911 (108 anos)
Data de abertura 27 de maio de 1911 (108 anos)
Comprimento total 132 m
Geografia
Cruza Rio Sapucaí
Localização São Gonçalo do Sapucaí, Minas Gerais, Brasil
Coordenadas 21° 52' 37.22" S 45° 42' 42.04" O

A Ponte Pênsil Afonso Pena, também conhecida como “Ponte Metálica”, é uma ponte pênsil construída sobre o Rio Sapucaí, que liga a cidade de São Gonçalo do Sapucaí a Turvolândia bem como outros municípios além do rio.

HistóriaEditar

De fabricação alemã, a ponte foi trazida da cidade do Rio de Janeiro em barcos a vapor que navegavam no Rio Sapucaí e também através de carros de boi. Sua construção teve início provavelmente em 1905 e sua inauguração se deu em 1911[1].

Há uma lenda infundada que conta que tal ponte foi montada ali por engano, pois seu correto destino seria São Gonçalo, no Estado do Rio de Janeiro. Tal absurda tese é derrubada devido às dimensões faraônicas de tal ponte e até mesmo a complexidade de sua construção.

Sabe-se porém, que tal ponte foi trazida à cidade por intermédio do Senador Manuel Alves de Lemos, importante figura política da cidade, descendente do Barão do Rio Verde.

ObjetivoEditar

Os benefícios que tal ponte trouxe à cidade vão desde interesses políticos, já que as cidades da banda de lá do rio pertenciam juridicamente a São Gonçalo, visando tornar fácil o acesso entre elas. Também sabe-se que tal ponte também beneficiou a empresa mineradora Anglo-Francesa “Xicão Gold Mining Co.”, que explorava o ouro dessa região naqueles anos, tanto que outros benefícios vieram com tal empresa, como novas estradas de terra, um bondinho, e até mesmo o ramal ferroviário que ligava a cidade de Campanha a São Gonçalo do Sapucaí.

EstruturaEditar

Sua base é constituída peças de pedra de granito, maciças, uma de cada lado, trabalhadas à mão. O ancoradouro dos cabos de aço são do lado de Turvolândia duas grandes grutas de pedra, engenhosamente esculpidas. Do lado de São Gonçalo, são dois poços e dois túneis, perfurados numa grande rocha que há ali. São dezoito cabos de aço que sustentam a ponte, cada cabo com o peso médio de uma tonelada.[2] A engenharia usada impressiona, visto que a estrutura é altamente forte e ostenta uma imponência ímpar.

AtualmenteEditar

Sob responsabilidade do município, ela é tombada pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Histórico e Artístico Municipal, e encontra-se em fase de tombamento pelo IEPHA e IPHAN. Necessita de reparos metalúrgicos em seus batentes, bem como nos cabos de aço e tábuas.

AvariaEditar

No mês de Setembro de 2010, parte da estrutura metálica na cabeceira da ponte cedeu, provavelmente por excesso de peso.[3] Tal avaria, segundo a engenheira da Prefeitura de São Gonçalo do Sapucaí, se deveu ao grande número de caminhões com carga excessiva que ali transitavam.

Referências

  1. Dados encontrados no documento de tombamento da Ponte
  2. «Inventário de Tombamento». Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA). Abril de 2008. Consultado em 10 de outubro de 2010 
  3. «Matéria no Jornal Regional». EPTV Sul de Minas. Outubro de 2010. Consultado em 10 de outubro de 2010