Abrir menu principal
Cajal-mi.jpg
Ver no Commons
Santiago Ramón y Cajal

Santiago Ramón y Cajal (18521934) foi um importante médico e histologista espanhol, premiado com o Nobel de Medicina de 1906.

Os estudos mais famosos de Ramón y Cajal incidiram sobre a estrutura fina do sistema nervoso central. Cajal usou uma técnica de coloração histológica desenvolvida pelo seu contemporâneo Camillo Golgi. Golgi descobriu que conseguia escurecer algumas células cerebrais tratando o tecido do cérebro com uma solução de cromato de prata, concluindo que o tecido nervoso era um retículo contínuo (ou teia) de células interligadas como as que constituíam o sistema circulatório. Usando o método de Golgi, Ramón y Cajal chegou a uma conclusão muito diferente. Postulou que o sistema nervoso é composto por biliões de neurónios distintos e que estas células se encontram polarizadas. Cajal sugeriu que os neurónios, em vez de formarem uma teia contínua, comunicam entre si através de ligações especializadas chamadas sinapses. Esta hipótese transformou-se na base da doutrina que indica que a unidade individual do sistema nervoso é o neurónio. Por este trabalho, Ramón y Cajal e Golgi compartilharam o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina em 1906.

Lista de subpáginasEditar

Esta é a lista de subpáginas que aparece na caixa de "Biografia selecionada" do Portal:História da ciência. inclua uma nova página abaixo com o número da sequencia e também atualize a predefinição contida nesta página. Mudando o número de {{Rand}} para o número de subpáginas existentes.

  1. Portal:História da ciência/Biografia/0
  2. Portal:História da ciência/Biografia/1
  3. Portal:História da ciência/Biografia/2
  4. Portal:História da ciência/Biografia/3
  5. Portal:História da ciência/Biografia/4
  6. Portal:História da ciência/Biografia/5