Porto de Itaguaí

Porto marítimo brasileiro
(Redirecionado de Porto de Sepetiba)

O Porto de Itaguaí é um porto localizado no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Adjacente à capital fluminense, foi inaugurado no dia 7 de maio de 1982. É um dos maiores e mais modernos portos da América Latina.

Porto de Itaguaí
Porto de Itaguaí
Localização
País  Brasil
Localização Itaguaí
 Rio de Janeiro
Coordenadas 22° 56' 11" S 43° 49' 55" O
Detalhes
Inauguração 7 de maio de 1982
Operado por PortosRio
Proprietário Governo brasileiro
Tipo de porto Marítimo
Área 7,2 milhões de m² [1]
Berços disponíveis 8
Estatísticas
Carga anual de toneladas 51,7 milhões (2021) [2]
Website [1]

Pretende ser o primeiro Hub Port, ou seja, Porto Concentrador de Cargas, do Atlântico Sul. Sua importância econômica na região da Costa Verde se faz presente de forma direta, gerando empregos, e de forma indireta, atraindo indústrias que necessitam receber e enviar cargas. Graças a isso, tem estimulado o desenvolvimento da economia local.

No intuito de buscar a otimização quanto ao aproveitamento de suas potencialidades, a Autoridade Portuária iniciou, em parceria com a iniciativa privada, a implantação de novos terminais, como Sepetiba Tecon (Terminal de Contêineres), Companhia Siderúrgica Nacional (Terminal de granéis sólidos), Companhia Portuária Baía de Sepetiba (Terminal de minério) e Valesul (Alumínio).

Histórico

editar

O Porto de Sepetiba foi inaugurado no dia 7 de maio de 1982, com a operação, à época, dedicada à descarga de alumina para a Valesul e carvão para a Companhia Siderúrgica Nacional.[3]

Em 1973, o governo do então estado da Guanabara, promoveu estudos para implantação do Porto de Sepetiba, destinado a atender, principalmente, ao complexo industrial de Santa Cruz, situado na zona oeste do Rio de Janeiro. [3]

Com a fusão dos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, em 15 de março de 1975, a implantação do porto ficou a cargo da Companhia Docas do Rio de Janeiro, autoridade portuária do Rio de Janeiro. A CDRJ escolheu o município de Itaguaí para instalar o porto. [3]

As obras foram iniciadas em 1976, com a execução de acessos e fundações do píer de carvão. No ano seguinte, tiveram início as obras de dragagem do canal de acesso, enrocamento e aterro hidráulico.[3]

Polêmica do nome

editar

O porto tinha o seu nome original, "Porto de Sepetiba", por conta da baía onde ele se situa, a Baía de Sepetiba, porém havia alguma confusão nesse caso, pois Sepetiba também é o nome de um bairro da cidade do Rio de Janeiro, o que fazia a alguns pensar que o porto se situa no Bairro de Sepetiba (que também é costeiro e está situado na mesma baía).[4]

Isso causava aos moradores de Itaguaí um certo descontentamento, pois era interessante ter uma associação direta entre o nome da cidade e sua maior fonte econômica. Uma campanha para a mudança do nome para "Porto de Itaguaí" foi feita e a prefeitura atual passou a usar, como slogan, a frase: "Itaguaí, cidade do porto".[4]

Em 2006, teve seu nome trocado definitivamente para Porto de Itaguaí, segundo projeto de lei sancionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A despeito disso, a maior parte da população da cidade e os meios de comunicação continuam a chamá-lo pelo nome antigo.[4]

Rodovias de acesso

editar

As principais ligações da atual malha rodoviária são as rodovias federais BR-101 (Rio-Santos), BR-116 Presidente Dutra), BR-040 (Rio-Juiz de Fora) e BR-465 (antiga Rio-São Paulo) e as rodovias estaduais RJ-099 e RJ-105.[5]

A BR-101 é o acesso principal ao Porto de Sepetiba. A partir dela, na direção sul, acessam-se as regiões de Angra dos Reis e a Baixada Santista e, na direção norte, a Avenida Brasil.[5]

Na Avenida Brasil, através da BR-465, antiga Rio-São Paulo chega-se à rodovia Presidente Dutra (BR-116), principal ligação entre as regiões Sul, Sudeste e Nordeste, e através da BR-040 (Rio-Juiz de Fora), faz-se a ligação com os estados de Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal, permitindo-se atingir as regiões Centro-Oeste e Norte.[5]

As principais rodovias de ligação, a BR-116 e a BR-040, foram privatizadas em regime de concessão e são de pista dupla pavimentada. A Rodovia estadual RJ-099 faz a ligação entre a BR-101 e a antiga Rio-São Paulo, funcionando como uma via de acesso ao município de Itaguaí. A RJ-105 liga a antiga estrada Rio-São Paulo, através dos municípios de Nova Iguaçu e Belford Roxo (RJ), à BR-040 (Rio-Juiz de Fora). Terá papel fundamental na conexão do porto com a malha rodoviária, a rodovia BR-493, em construção, ligando a RJ-099 até a BR-040, contornando a região Metropolitana do Rio de Janeiro e descongestionando os acessos ao Porto de Sepetiba.[5]

Ferrovias

editar

O Porto de Itaguaí é atendido pela empresa MRS Logística S/A. O acesso ferroviário direto ao Porto de Sepetiba é feito a partir do pátio de Brisamar, próximo à cidade de Itaguaí, numa extensão de 1,5 Km em linha tripla. A partir da estação Brisamar, as linhas férreas em bitola larga (1,60 m) interligam-se com a Malha Sudeste da MRS Logística S/A, atendendo em particular ao triângulo São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte [6]

Dentro da Malha Sudeste, o ramal Japeri – Brisamar, com 32,9 quilômetros de extensão, é de especial importância para o atendimento ao Porto de Sepetiba. o qual também atende ao Terminal de Guaíba, em Mangaratiba, da empresa Minerações Brasileiras Reunidas - MBR. A partir de Japeri, a linha tronco Rio – São Paulo, interliga as regiões metropolitanas dessas cidades e atravessa todo o vale do Paraíba.[6]

O estado do Rio de Janeiro é atendido por ramais das empresas MRS Logística S/A e Ferrovia Centro – Atlântica S/A – FCA. A Malha Centro–Leste de bitola estreita (1,00 metro), arrendada à Ferrovia Centro-Atlântica, atende aos estados de Minas Gerais, Bahia e Goiás e ao Distrito Federal. Conexões interferroviárias são realizadas através da Rumo Logística a partir de São Paulo e Jundiaí, atendendo a todo o interior do estado de São Paulo, e de duas outras empresas que operam na região Centro – Oeste.[7]

Marítimo

editar

Canal de Acesso

editar

O Canal de Acesso (Carta 1623), estende-se desde a Ponta dos Castelhanos na Ilha Grande e a Ponta do Arpoador na Restinga de Marambaia por cerca de 22 milhas com profundidade média de 22 metros e variando entre 300 e 180 metros de largura. Se considerarmos como referencial a Ilha Guaíba, o canal se estenderá por 12 milhas com largura variando entre 200 e 180 metros e 15 metros de profundidade mínima, através do canal sul de Martins.

Movimentação de cargas

editar

Em 2021, o porto de Itaguaí movimentou 51,7 milhões de toneladas, o segundo maior porto público em movimentação de cargas.[8]

44,8 milhões de toneladas movimentadas foram de minério de ferro, o que corresponde a 87% do total movimentado, sendo o maior porto público em embarque de minério de ferro no país. O minério de ferro tem origem em Minas Gerais é transportado por ferrovias.[8]

Há também significativo volume movimentado de contêineres, tanto de longo curso, quanto de cabotagem, além de importação de carvão e coque.[9]

Ligações externas

editar

Referências

editar
  1. https://www.portosrio.gov.br/pt-br/portos/porto-de-itaguai/caracteristicas
  2. https://navalportoestaleiro.com/porto-de-itaguai-e-porto-do-rio-de-janeiro-estao-no-ranking-dos-maiores-em-movimentacao-de-carga/
  3. a b c d «Porto de Itaguaí - História | PortosRio». www.portosrio.gov.br. Consultado em 18 de dezembro de 2022 
  4. a b c «Plenário aprova projeto que muda nome do Porto de Sepetiba». Senado Federal. Consultado em 18 de dezembro de 2022 
  5. a b c d «Porto de Itaguaí - Características | PortosRio». www.portosrio.gov.br. Consultado em 18 de dezembro de 2022 
  6. a b «Plano Mestre Porto de Itaguaí» (PDF). 2014 
  7. «Ferrovia Centro-Atlântica» 
  8. a b Redação (19 de fevereiro de 2022). «Porto de Itaguaí é o 2ª maior em movimentação de cargas no ano de 2021 entre os portos públicos do país». Jornal Atual. Consultado em 18 de dezembro de 2022 
  9. «QlikView». ea.antaq.gov.br. Consultado em 18 de dezembro de 2022