Primeira luz (astronomia)

Na astronomia, a primeira luz é o primeiro uso de um telescópio (ou, em geral, de um novo instrumento) para obter uma imagem astronômica depois de construída. Frequentemente, essa não é a primeira visão com o telescópio; testes ópticos provavelmente terão sido realizados à luz do dia para ajustar os componentes.[2]

First light image from the Kepler space telescope[1]
First light image from the Kepler space telescope[1]

CaracterísticasEditar

A primeira imagem de luz normalmente tem pouco interesse científico e é de baixa qualidade, uma vez que os vários elementos do telescópio ainda não foram ajustados para uma eficiência ideal. Apesar disso, uma primeira luz é sempre um momento de grande empolgação, tanto para as pessoas que projetam e constroem o telescópio quanto para a comunidade astronômica, que pode ter antecipado o momento por muitos anos enquanto o telescópio estava em construção. Um objeto astronômico bem conhecido e espetacular geralmente é escolhido como sujeito.

Exemplos históricosEditar

O famoso 5.08 m (200 in) Telescópio Hale do Observatório Palomar viu a primeira luz em 26 de janeiro de 1949, visando NGC 2261[3] sob a direção do astrônomo americano Edwin Powell Hubble. A imagem foi publicada em várias revistas e está disponível nos Arquivos Caltech.

O Telescópio Isaac Newton teve duas primeiras luzes: uma na Inglaterra em 1965 com seu espelho original e outra em 1984 na ilha de La Palma.[4] A segunda primeira luz foi feita com uma câmera de vídeo que mostrava o Pulsar do Caranguejo piscando.[5]

A euforia com as primeiras imagens iluminadas pelo Telescópio espacial Hubble em 1990 logo deu lugar à decepção inicial quando uma falha impediu os ajustes para a operação adequada. A esperada qualidade de imagem de primeira luz foi finalmente alcançada após uma missão de manutenção em 1993.

O Grande telescópio binocular teve a sua primeira luz com um único espelho primário em 12 de outubro de 2005, que era uma visão do NGC 891.[6][7] O segundo espelho primário foi instalado em janeiro de 2006 e tornou-se totalmente operacional em janeiro de 2008.[8]

Os 10.4 m (1,040 cm) Gran Telescopio Canarias teve uma primeira imagem luminosa de Tycho 1205081 em 14 de julho de 2007.[9]

O observatório espacial IRIS alcançou a primeira luz em 17 de julho de 2013.[10] O PI observou :

"A qualidade das imagens e espectros que recebemos da IRIS é incrível. Isso é exatamente o que estávamos esperando..."[10]

GaleriaEditar

Referências

  1. Atkinson, Nancy. «Kepler's "First Light" Images». Universe Today. Consultado em 13 de outubro de 2012 
  2. «Primeira luz para o maior telescópio - DN». www.dn.pt. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  3. Kardel, Scott (26 de janeiro de 2009). «January 26: 60th Anniversary of Hale Telescope "First Light"». 365daysofastronomy.org. Consultado em 4 de fevereiro de 2012 
  4. http://www.ing.iac.es/PR/chronology.html
  5. Information, Reed Business (16 de fevereiro de 1984). New Scientist. Reed Business Information. [S.l.: s.n.] 
  6. http://medusa.as.arizona.edu/lbto/first_light.htm Arquivado em 2008-12-02 no Wayback Machine.
  7. «Large Binocular Telescope Successfully Achieves First Light». SpaceRef.com. 26 de outubro de 2005. Consultado em 4 de fevereiro de 2012 
  8. «Giant telescope opens both eyes». BBC News. London. 6 de março de 2008. Consultado em 6 de março de 2008 
  9. «First Light for the Gran Telescopio Canarias». 14 de julho de 2007. Consultado em 3 de outubro de 2015 
  10. a b Zell, Holly (9 de março de 2015). «IRIS Telescope's First Look at Sun Atmosphere»