Provérbio

Um provérbio (em latim: proverbium) é um ditado simples, concreto, tradicional, que expressa uma verdade baseada no senso comum ou experiência. Provérbios são frequentemente metafóricos.

"Quem vai pôr o sino no gato?" (provérbio do inglês), vem do final de uma história

Alguns provérbios existem em mais de um idioma porque as pessoas os emprestam de línguas e culturas semelhantes às deles. No Ocidente, a Bíblia (incluindo, mas não se limitando ao Livro dos Provérbios) e o latim medieval (auxiliado pelo trabalho de Erasmo) desempenharam um papel considerável na distribuição de provérbios. Nem todos os provérbios bíblicos, no entanto, foram distribuídos na mesma medida: um estudioso reuniu evidências para mostrar que as culturas em que a Bíblia é o grande livro espiritual contêm entre trezentos e quinhentos provérbios que derivam da Bíblia"[1] enquanto outro acadêmico mostra que, dos 106 provérbios mais comuns e generalizadas em toda a Europa, onze são da Bíblia.[2] No entanto, quase toda cultura tem seus próprios provérbios únicos.

DefiniçõesEditar

John Russell (c. 1850) observou poeticamente que um "provérbio é a sagacidade de um e a sabedoria de muitos".[3] Mas dar a palavra "provérbio" o tipo de definição que os teóricos precisam provou ser uma tarefa difícil. Archer Taylor afirmou que "uma qualidade incomunicável nos diz que determinada sentença é proverbial e que outra não é. Assim, nenhuma definição nos permitirá identificar positivamente uma sentença como proverbial."[4]

De maneira mais construtiva, Mieder propôs a seguinte definição: "Um provérbio é uma frase curta e geralmente conhecida de um povo que contém sabedoria, verdade, moral e visões tradicionais de forma metafórica, fixa e memorizável e transmitida de geração em geração".[5] Com base nos provérbios persas, Zolfaghari e Ameri propõem a seguinte definição: "Um provérbio é uma sentença curta, que é bem conhecida e às vezes rítmica, incluindo conselhos, temas sábios e experiências étnicas, compreendendo símile, metáfora ou ironia que é bem conhecida entre as pessoas pela sua redação fluente, pela sua clareza de expressão, simplicidade, expansividade e generalidade e é usado com ou sem mudança".[6]

HistóriaEditar

Provérbios vêm de uma variedade de fontes. Algumas são, de fato, o resultado de pessoas que pensam e elaboram linguagem, como alguns provérbios de Confúcio, Platão, Baltasar Gracián, etc. Outros são tirados de fontes tão diversas como poesia,[7] histórias,[8] músicas, comerciais, anúncios, filmes, literatura, etc.[9] Alguns dos bem conhecidos ditos de Jesus, Shakespeare e outros se tornaram provérbios, embora fossem originais na época de sua criação, e muitos desses ditos não eram vistos como provérbios quando foram inventados pela primeira vez.

Muitos provérbios também são baseados em histórias, muitas vezes o fim de uma história. Por exemplo, o provérbio (conhecido em países quee falam inglês) foi retirada do final da fábula de Esopo chamada A Reunião Geral dos Ratos[10] Relata que uma vez os ratos, que viviam com medo de um gato, resolveram fazer uma reunião para encontrar um jeito de acabar com aquele transtorno. Muitos planos foram discutidos e abandonados. No fim, um rato jovem levantou-se e deu a ideia de pendurar uma sineta no pescoço do gato; assim, sempre que o gato chegasse perto eles ouviriam a sineta e poderiam fugir correndo. Todo mundo bateu palmas, o problema estava resolvido. Vendo aquilo, um rato velho que tinha ficado o tempo todo calado levantou-se do seu canto e falou que o plano era muito inteligente, que com toda certeza as preocupações deles tinham chegado ao fim. Só faltava uma coisa: quem iria pendurar a sineta no pescoço do gato?[11]

Referências

  1. p. 12, Wolfgang Mieder. 1990. Não só de pão: Provérbios da Bíblia . New England Press.
  2. Paczolay, Gyula. 1997. Provérbios europeus em 55 idiomas . Veszpre'm, Hungria.
  3. p. 25. Wolfgang Mieder. 1993. "A sagacidade de um, e a sabedoria de muitos: pensamentos gerais sobre a natureza do provérbio. Provérbios nunca estão fora de época: sabedoria popular na idade moderna 3-40. Oxford University Press.
  4. p. 3 Archer Taylor. 1931. O Provérbio. Cambridge, MA: Harvard University Press.
  5. p. 5. Wolfgang Mieder. 1993. "A sagacidade de um, e a sabedoria de muitos: pensamentos gerais sobre a natureza do provérbio. Provérbios nunca estão fora de época: sabedoria popular na idade moderna 3-40. Oxford University Press.
  6. p. 107, Hassan Zolfaghari & Hayat Ameri. "Provérbios persas: definições e características". Jornal de pesquisa avançada islâmica e humana 2 (2012) 93-108.
  7. Korosh Hadissi. 2010. Uma abordagem sócio-histórica das origens poéticas dos provérbios persas. Estudos Iranianos 43.5: 599-605.
  8. Thamen, Hla. 2000. Provérbios de Mianmar em Mianmar e Inglês. Yangon: Pattamya Ngamank Publishing.
  9. Doyle, Charles Clay, Wolfgang Mieder e Fred R. Shapiro. 2012. O Dicionário dos Provérbios Modernos. New Haven: Yale University Press.
  10. p. 68. Kent, Graeme. 1991. Fábulas de Esopo. Newmarket, Reino Unido: Brimax.
  11. http://www.metaforas.com.br/infantis/areuniaogeraldosratos.htm

Ligações externasEditar