Queen Jane Approximately

"Queen Jane Approximately"
Canção de Bob Dylan
do álbum Highway 61 Revisited
Lançamento 30 de agosto de 1965
Gravação Columbia Studios, Nova Iorque, 2 de agosto de 1965
Gênero(s) Folk rock, rock de garagem[1]
Duração 05:19
Gravadora(s) Columbia Records
Composição Bob Dylan
Produção Bob Johnston
Faixas de Highway 61 Revisited
"Ballad of a Thin Man"
(5)
"Highway 61 Revisited"
(7)

"Queen Jane Approximately" é uma canção do músico e compositor norte-americano Bob Dylan lançada em seu álbum Highway 61 Revisited, em 1965. Foi lançada como single no lado B de "One of Us Must Know (Sooner or Later)" em janeiro de 1966. Também foi regravada por vários artistas, incluindo o Grateful Dead e o The Four Seasons.[2][3]

EstiloEditar

A música é estruturada como uma série de versos em quarteto ABAB, com cada verso seguido por um refrão que é uma repetição da última linha do verso, que é sempre "você não vem me ver Rainha Jane."[4] Cada linha B termina com uma rima em "ain", enquanto as linhas A terminam com uma rima de dupla sílaba, como "cheek to / speak to" ou "lent you / resent you".[4] A música é gravada com uma filosofia consistente com o resto do álbum Highway 61 Revisited.[1] As guitarras elétricas estão fora de sintonia ou fora de fase e entram em choque com os acordes de órgão e piano, o baixo tem inflexões espanholas e a mixagem é crua com um som similar ao rock de garagem.[1][5][6] Os músicos de "Queen Jane Aproximadamente" incluem Dylan, Mike Bloomfield nas guitarras elétricas e Al Kooper e Paul Griffin nos teclados.

Identidade da personagem-títuloEditar

Uma das questões persistentes sobre a música é a identidade da Rainha Jane a quem o título se refere. Especulações sobre o assunto incluem as rainhas Casa de Tudor, Joana Grey e Joana Seymour.[5][6][7] Ainda mais especulações se concentraram em Joan Baez, já que a semelhança dos nomes "Jane" e "Joan" permite que o nome da personagem-título seja uma tentativa velada de ocultar a identidade de Baez, as reputações de Dylan e Baez como rei e rainha da música tradicional, e o azedamento da relação entre ambos na época em que a canção foi escrita.[1][5][8][6] No entanto, em 1965, o próprio Dylan disse à jornalista Nora Ephron que "a Rainha Jane é um homem".[8][9]

Apresentações ao vivoEditar

Embora o cantor raramente tenha tocado essa música em concerto, uma versão ao vivo aparece no álbum Dylan & The Dead. Numa pesquisa de 2005 com artistas feita pelo Mojo, "Queen Jane Approximately" foi listada como a 70ª música de todos os tempos de Bob Dylan.[10]

Referências

  1. a b c d Janovitz, Bill. «Bob Dylan: Queen Jane Approximately». AllMusic (em inglês). Consultado em 25 de março de 2018 
  2. «Grateful Dead: Queen Jane Approximately». AllMusic (em inglês). Consultado em 25 de março de 2018 
  3. «The Four Seasons: Queen Jane Approximately». AllMusic (em inglês). Consultado em 25 de março de 2018 
  4. a b Williams, P. (1990). Bob Dylan Performing Artist (em inglês). [S.l.]: Omnibus Press. p. 166–167. ISBN 0-88733-131-9 
  5. a b c Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome highway
  6. a b c Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome shelton
  7. Hinchey, John (2002). Like a Complete Unknown. [S.l.]: Stealing Home Press. p. 147–151. ISBN 0-9723592-0-6 
  8. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome gill
  9. Humphries, Patrick (1995). Bob Dylan. [S.l.]: Omnibus Press. p. 26. ISBN 0-7119-4868-2 
  10. «100 Greatest Dylan Songs». Mojo (em inglês). Consultado em 30 de março de 2018 

Ligações externasEditar