Parque da Quinta das Conchas e dos Lilases

O Parque da Quinta das Conchas e dos Lilases é um parque em Lisboa. Dá o seu nome a um bairro e a uma estação de Metro do mesmo nome.Trata-se da terceira maior mancha verde de Lisboa, a seguir ao Parque Florestal de Monsanto e ao Parque da Bela Vista[1].

Parque da Quinta das Conchas e dos Lilases
Parque da Quinta das Conchas e dos Lilases
Mapa
Localização Lumiar, Lisboa
País Portugal Portugal
Tipo Público
Área 26 hectares
Inauguração 12 de maio de 2005 (18 anos)
Administração Câmara Municipal de Lisboa

História editar

Foi construído no espaço de duas quintas quinhentistas (a das Conchas e a dos Lilases), e tem uma superfície de 26 hectares. Situa-se na freguesia do Lumiar[2].

A Quinta das Conchas remonta ao século XVI, tendo sido instalada por Afonso Torres. Após ter passado por várias famílias de proprietários acaba por ser adquirida - a 25 de Fevereiro de 1899 - por Francisco Mantero.

Nesta ocasião foi igualmente transaccionada a Quinta dos Lilases. Tendo feito fortuna enquanto proprietário de várias roças de café em São Tomé e Príncipe, Mantero arquitectou a Quinta dos Lilases à imagem da colónia portuguesa à data: o edifício existente foi reconvertido em mansão de estilo colonial enquanto o lago foi guarnecido com duas ilhas arborizadas, que simbolizam as ilhas de São Tomé e Príncipe.

Data desta mesma época - início do século XX - a construção da mansão e do fontanário (hoje inactivo e seco, com uma inscrição na pedra com a data de 1916) existentes na área de mata da Quinta das Conchas. A Tobis Portuguesa - companhia de filmes sonoros - chegou a possuir, numa parcela da quinta, um estúdio onde foi, entre outros, realizado o filme A Canção de Lisboa por José Cottinelli Telmo, em 1933.

Em 1966 os descendentes de Francisco Mantero "transferem" para a Câmara Municipal de Lisboa a gestão e preservação da Quinta.

Possuidora de uma área de mata profusamente arborizada (cerca de dois terços da superfície total), a Quinta das Conchas encontra-se favorecida por diversas áreas de lazer, nomeadamente, um café/auditório, restaurante, parque infantil, parque de merendas, lago com pontão, bem como um circuito interno que permite a prática de actividades desportivas, como por exemplo, caminhada, corrida e/ou ciclismo. A norte do parque, a Quinta dos Lilases complementa o espaço, sendo constituída por uma mansão de estilo colonial (a qual serviu de residência a Francisco Mantero), jardim e lago - com duas ilhas arborizadas ao centro.

Tendo sido alvo de obras de beneficiação e requalificação, o Parque da Quinta das Conchas e dos Lilases foi "reinaugurado" ao público a 12 de Maio de 2005, sob a tutela do presidente da edilidade lisboeta à data, Pedro Santana Lopes. Estas obras de qualificação receberam o Prémio Valmor e Municipal de Arquitectura em 2005.

A secção de terreno que constitui a Quinta dos Lilases foi, por sua vez, reaberta ao público a 15 de Janeiro de 2007, presidindo António Carmona Rodrigues à Câmara Municipal de Lisboa à data.

A sua gestão e preservação são da responsabilidade da Câmara Municipal de Lisboa, estando diariamente aberto ao público das 06:00 à 01:00.

Existe aqui uma pequena biblioteca ao ar livre, pertencente à rede norte-americana de troca de livros gratuita Little Free Library.

Referências

  1. «Quinta das Conchas». Lisboa Convida. 11 de abril de 2014 
  2. «Lisboa vai ao Parque - e você?». Sábado - GPS. 22 de abril de 2015 
  • Divisão de Ambiente e Espaços Verdes da Câmara Municipal de Lisboa

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o Parque da Quinta das Conchas e dos Lilases
  Este artigo sobre espaços verdes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.