Quinto Minúcio Esquilino Augurino

Quinto Minúcio Esquilino Augurino (em latim: Quintus Minutius Esquilinus Augurinus) foi um político da gente Minúcia nos primeiros anos da República Romana eleito cônsul em 457 a.C. com Caio Horácio Púlvilo.

Quinto Minúcio Esquilino Augurino
Cônsul da República Romana
Consulado 457 a.C.

ConsuladoEditar

Quinto Minúcio foi eleito em 457 a.C. com Caio Horácio Púlvilo.[1] Aparentemente foi um marcado pela longa disputa entre patrícios e plebeus, entre cônsules e os tribunos da plebe, depois da aprovação da Lex Terentilia, proposta pelos tribunos e derrotada pelos senadores. Mas a notícia de uma invasão dos sabinos e équos em território romano restaurou a concórdia entre as duas partes, que concordaram em nomear dez tribunos da plebe, dois para cada classe, ao invés dos dois que eram eleitos até então.

A Minúcio foi confiada a tarefa de enfrentar os sabinos enquanto Horácio enfrentava os équos, que, pela enésima vez, foram derrotados perto do monte Algido, em Ortona e Corbio, que foi arrasada para não cair nas mãos inimigas.[2]

Ver tambémEditar

Cônsul da República Romana
 
Precedido por:
'Caio Náucio Rutilo II

com Lúcio Minúcio Esquilino Augurino

Caio Horácio Púlvilo II
457 a.C.

com Quinto Minúcio Esquilino Augurino

Sucedido por:
'Marco Valério Máximo Letuca

com Espúrio Vergínio Tricosto Celimontano


Referências

  1. Dionísio, Antiguidades Romanas X, 26.
  2. Lívio, Ab Urbe Condita Libri III, 30.

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar