Caio Horácio Púlvilo

Caio Horácio Púlvilo (em latim: Gaius Horatius Pulvillus) foi um político da gente Horácia nos primeiros anos da República Romana eleito cônsul por duas vezes, em 477 e em 457 a.C., com Tito Menênio Agripa Lanato e Quinto Minúcio Augurino Esquilino respectivamente. Porém, há dúvidas sobre seu segundo consulado, uma vez que Lívio cita Marco Horácio Púlvilo como cônsul para aquele ano.[1]

Caio Horácio Púlvilo
Cônsul da República Romana
Consulado 477 a.C.
457 a.C.

Primeiro consulado (477 a.C.)Editar

Em 477 a.C., o Senado conferiu Caio Horácio a campanha contra os volscos enquanto seu colega, Tito Menênino, foi enviado para lutar contra Veios para ajudar os Fábios, que realizavam sua campanha particular contra a cidade.[2][3]

Enquanto conduzia sua campanha, Caio Horácio teve que voltar rapidamente para socorrer Roma, pois os veios, depois de terem aniquilado os Fábios na Batalha de Cremera,[4] haviam derrotado também o exército de Tito Menênio[5] e estavam acampados no Janículo, às portas da cidade.[6]

Depois de recuperar a ordem na cidade, Caio Horácio partiu para enfrentar os veios, primeiro perto do Templo da Esperança e, depois, na Porta Colina; o resultado desta batalha, a última do ano consular, recuperou a confiança do exército romano.[3][6]

Segundo consulado (457 a.C.)Editar

Horácio Púlvilo foi eleito em 457 a.C. com Quinto Minúcio Augurino Esquilino.[7] Aparentemente foi um marcado pela longa disputa entre patrícios e plebeus, entre cônsules e os tribunos da plebe, depois da aprovação da Lex Terentilia, proposta pelos tribunos e derrotada pelos senadores. Mas a notícia de uma invasão dos sabinos e équos em território romano restaurou a concórdia entre as duas partes, que concordaram em nomear dez tribunos da plebe, dois para cada classe, ao invés dos dois que eram eleitos até então.

A Minúcio foi confiada a tarefa de enfrentar os sabinos enquanto Horácio enfrentava os équos, que, pela enésima vez, foram derrotados perto do monte Algido, em Ortona e Corbio, que foi arrasada para não cair nas mãos inimigas.[1]

Ver tambémEditar

Cônsul da República Romana
 
Precedido por:
'Lúcio Emílio Mamerco II

com Caio Servílio Estruto Aala
Opitero Vergínio Tricosto Esquilino (suf)

Caio Horácio Púlvilo
477 a.C.

com Tito Menênio Agripa Lanato

Sucedido por:
'Aulo Vergínio Tricosto Rutilo

com Espúrio Servílio Prisco

Precedido por:
'Caio Náucio Rutilo II

com Lúcio Minúcio Esquilino Augurino

Caio Horácio Púlvilo II
457 a.C.

com Quinto Minúcio Esquilino Augurino

Sucedido por:
'Marco Valério Máximo Letuca

com Espúrio Vergínio Tricosto Celimontano


Referências

  1. a b Lívio, Ab Urbe Condita Libri III, 30.
  2. Dionísio, Antiguidades Romanas IX, 18.
  3. a b Lívio, Ab Urbe Condita Libri II, 51.
  4. Dionísio, Antiguidades Romanas IX, 19-20.
  5. Dionísio, Antiguidades Romanas IX, 23
  6. a b Dionísio, Antiguidades Romanas IX, 24.
  7. Dionísio, Antiguidades Romanas X, 26.

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar