Quinto Petélio Libo Visolo

político

Quinto Petélio Libo Visolo (em latim: Quintus Poetelius Libo Visolus) foi um político da gente Petélia nos primeiros anos da República Romana eleito decênviro para o Segundo Decenvirato em 450 a.C.

Quinto Petélio Libo Visolo
Decênviro da República Romana
Decenvirato 450 a.C. (decênviro)
449 a.C. (decênviro)

DecenviratoEditar

Em 450 a.C., Quinto Petélio foi eleito decênviro no Segundo Decenvirato (em latim: Decemviri Legibus Scribundis Consulari Imperio)[1], que, apesar de produzir aquilo que estabelecia seu mandato original, a reforma do ordenamento legal romano através da criação da Lei das Doze Tábuas, foi caracterizado por um forte viés anti-popular e autoritário, tanto que os magistrados chegaram a ultrapassar os limites de seus mandatos.

No escopo da luta contra os sabinos e équos, Quinto Petélio, ajudado pelos colegas decênviros Mânio Rabuleio e Quinto Fábio Vibulano, foi encarregada a condução das operações contra os primeiros[2]. Entre os seus soldados estava Lúcio Icílio, noivo de Vergínia, e Públio Numitório, tio dela, futuros tribunos da plebe.

Em 449, depois de re-estabelecidas as prerrogativas dos tribunos da plebe pelos cônsules Lúcio Valério Potito e Marco Horácio Barbato, Quinto Petélio foi acusado pelos tribunos de ações ilegais durante seu decenvirato e, por isto, foi exilado e teve seus bens confiscados[3].

Ver tambémEditar

Decênviro da República Romana
 
Precedido por:
'Primeiro Decenvirato'
Quinto Petélio Libo Visolo
450 a.C.

com Segundo Decenvirato

Sucedido por:
'Marco Horácio Barbato

com Lúcio Valério Potito


Referências