Abrir menu principal

Redoutable (navio francês - 1791)

Redoutable
O Redoutable (centro) combatendo o Temeraire (esquerda) e o
HMS Victory (direita), por Louis-Philippe Crépin
Carreira   Bandeira da marinha que serviu Bandeira da marinha que serviu
Data de encomenda Janeiro 1790
Construção Estaleiro naval de Brest
Lançamento 31 de Maio de 1791 como Suffren renomeado como Redoutable em 20 de Maio de 1794
Patrono Pierre André de Suffren de Saint Tropez
Período de serviço
Estado Capturado em 21 de outubro de 1805 e depois afundado em uma tempestade, 22 de Outubro de 1805.[1]
Características gerais
Deslocamento 1.630 toneladas
Comprimento 52 m
Boca 14 m
Calado 7 m
Tripulação 3 oficiais + 690 homens

O Redoutable foi um navio de linha, de 74 canhões, da Marinha Francesa, um navio da classe de navios de linha Téméraire. Ele é conhecido por seu duelo com o HMS Victory durante a Batalha de Trafalgar e por matar o vice-almirante Horatio Nelson durante a ação.

CarreiraEditar

Início da carreiraEditar

O Redoutable foi estabelecido em Brest em Janeiro de 1790, e lançado com o nome de Suffren em 31 de maio de 1791. Ele foi completado em dezembro de 1792. Sua tripulação participou do motim dos vasos ligados ao esquadrão do vice-almirante Morard de Galles.

Ele foi posteriormente renomeado Redoutable em 20 de maio de 1794. Em março de 1802, o Redoutable foi o navio-almirante de um esquadrão de dois navios de linha e quatro fragatas sob o almirante Bouvet enviado para reforçar Guadalupe em 1802 e Santo Domingo em 1803.

Ele tomou parte da expedição a Irlanda, alcançando a baía de Bantry, onde ele acidentalmente colidiu com o Résolue, destruindo seu gurupés, mastro do traquete, seu mastro principal e o mastro da mezena.

Batalha de TrafalgarEditar

Na Batalha de Trafalgar, em 21 de Outubro de 1805, o Redoutable foi comandado pelo capitaine de vaisseau (capitão de vaso) Lucas,[2] e veio imediatamente após o navio-almirante Bucentaure na linha francêsa. Ele foi mantido tão próximo do Bucentaure, para proteger sua popa, que ele forçou o HMS Victory a entrar em conflito com ele, caindo ao seu lado, e, eventualmente, disparando contra ele.[3]

Sua tripulação engajou ferozmente o Victory, causando danos consideráveis.[4] A tripulação e os soldados do Redoutable manteve um fogo pesado no tombadilho com granadas de mão e armas de pequeno porte, e um atirador francês feriu mortalmente o Vice-almirante Horatio Nelson a partir da plataforma de combate da mezena. Lucas relatou mais tarde:

uma violenta troca de fogo de armas de pequeno porte seguiu-se (...); nosso fogo tornou-se tão superior que dentro de 15 minutos, tínhamos silenciado o do Victory; (...) seus castelos estavam cobertos com mortos e feridos, e o almirante Nelson foi morto pelos nossos tiros. Quase ao mesmo tempo, os castelos do navio inimigo foram evacuados e o Victory cessou complemtamente de lutar contra nós; mas abordar nele revelou-se difícil porque(...) de sua terceira bateria elevada. Eu pedi que a suspensão do pátio grande fosse cortada e que fosse carregada para servir como uma ponte.[5]

A tripulação francesa estava prestes a abordar o Victory quando o HMS Temeraire interveio, disparando à queima-roupa sobre a tripulação francesa exposta. Às 1:55, o Redoutable, com o capitão Lucas gravemente ferido, e apenas 99 homens ainda em condições de combate de um todal de de 643(300 mortos e 222 feridos graves), estava essencialmente indefeso. O Fougueux tentou vir em seu auxílio, mas entrou em conflito com o HMS Temeraire. Depois que ficou constatado que ele estava muito danificado para sobreviver depois da batalha, o Redoutable, fazendo água e sem esperança de ser resgatado, baixou sua bandeira se rendendo. O Victory sofreu 160 baixas e o Temeraire, 120. O Redoutable foi capturado pelos britânicos, e afundou durante a tempestade do dia seguinte. Lucas relatou:

Referências

  1. Goodwin, Peter (2005). The Ships of Trafalgar. The British, French and Spanish Fleets October 1805 (em inglês). Annapolis: Naval Institute Press. p. 193-194. 256 páginas. ISBN 1-59114-824-3 
  2. Stillwell, Alexandre (editor) Monaque, Admiral Rémi (2005). «4 - The French and Spanish Perspective». The Trafalgar Companion. Leading Historians Explore Nelson´s Great Victory (em inglês). Midland House, Oxford: Osprey Publishing. p. 118-119. 224 páginas. ISBN 1-84176-835-9 
  3. Gardiner, Robert (2001). The Campaign of Trafalgar. 1803-1805 (em inglês). Great Britain: The Caxton Publishing Group. p. 151. 192 páginas. ISBN 1-84067-3583 
  4. Pocock, Tom (editor) (2005). Trafalgar. An Eyewitness History (em inglês). London: Penguin Books. p. 98. 238 páginas. ISBN 978-0-141-44150-4 
  5. |il s’engagea un vif combat de mousqueterie [...] ; notre feu devint tellement supérieur qu’en moins de quinze minutes, nous fîmes taire celui du Victory ; [...] ses gaillards furent jonchés de morts et de blessés, et l’amiral Nelson fut tué par le feu de notre mousqueterie. Presqu’aussitôt, les gaillards du vaisseau ennemi furent évacués et le Victory cessa absolument de nous combattre ; mais il était difficile de passer à son bord à cause [...] de la supériorité de l’élévation de sa troisième batterie. J’ordonnai de couper les suspentes de la grande vergue et de l’amener pour nous servir de pont.
    Précis des événemens Particuliers survenus à chaque vaisseau français, dans le combat du 29 vendémiaire an 14, Rapport du capitaine de vaisseau Jean Jacques Étienne Lucas, commandant le vaisseau le Redoutable, au ministre de la marine Decrès, écrit à Reading en Angleterre, le 2 janvier 1806. Fonte: Archives nationales, fond Marine, BB4-237.