Abrir menu principal

Sítio Arqueológico de São João Batista

Sítio Arqueológico de São João Batista
Redução de São João Batista
Monumento ao padre Antonio Sepp no sítio
Redução de São João Batista.jpg
O plano da Redução de São João Batista
Localização atual
Sítio Arqueológico de São João Batista está localizado em: Brasil
Sítio Arqueológico de São João Batista
Localização do sítio arqueológico no Brasil
Coordenadas 28° 27' 19" S 54° 23' 54" O
País  Brasil
Altitude 335 m
Dados históricos
Região histórica Região das Missões
Fundação 1697, por Antonio Sepp
Abandono Década de 1750
Estado  Rio Grande do Sul
Município Entre-Ijuís
Notas
Estado de conservação Em ruínas
Administração IPHAN
Acesso público Sim
Nome oficial: Povo de São João: ruínas e remanescentes do Povoado
Classificação: Ruína
Processo: 0813-T-69
Livro do tombo: Histórico
Número do registro: 423-A
Data de registro: 22 de janeiro de 1970

O Sítio Arqueológico de São João Batista é um conjunto de ruínas remanescentes da redução jesuítica homônima, que fazia parte dos Sete Povos das Missões. Está localizado na localidade de São João Velho, no município gaúcho de Entre-Ijuís, e seu acesso se dá pela BR-285.

Índice

HistóriaEditar

A redução de São João Batista foi fundada em 1697, a partir da divisão do povoado de São Miguel Arcanjo, em função do crescimento populacional e das dificuldades de abastecimento.

Seu fundador foi o padre Antonio Sepp, um polímata que dominava a música, arquitetura, urbanismo, relojoaria, pintura e escultura. Foi seguido por 2.832 pessoas oriundas da redução de São Miguel. Os trabalhos na igreja iniciaram em 1708, quando já havia 3.400 pessoas habitando o aldeamento. Sob orientação de Sepp esta redução mostrou alto nível de atividade cultural.

Sepp também foi um geólogo e minerador, sendo o pioneiro nos trabalhos de metalurgia nas Missões. Extraia o ferro, utilizado na fabricação dos sinos, aquecendo a pedra itacurú que era abundante na região. Sua obra-prima foi o relógio instalado no campanário da igreja que, ao dar as horas, fazia desfilar pelo mostrador os 12 Apóstolos.

AtualidadeEditar

Atualmente o sítio abriga restos da estrutura do cemitério, da igreja e do colégio, além de estruturas complementares como olarias, barragem e estradas. Em todo o sítio podem ser observadas peças esculpidas em pedras grês. Placas interpretativas contam a história a partir dos relatos feitos, na época, em cartas escritas pelos padres.

O local oferece visita guiada aos turistas.

Galeria de imagensEditar

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar