República da Armênia Montanhosa



Լեռնահայաստան
República da Armênia Montanhosa
Սյունիքի Հանրապետություն
República de Siunique
República de Carabaque-Zanlezur

Estado não-reconhecido pela Liga das Nações

Flag of the Transcaucasian Federation.svg
1918 Flag of the First Republic of Armenia.svg

Bandeira de Armênia

Bandeira

Localização de Armênia
Continente Eurásia
Região Cáucaso
Capital Não especificada
Língua oficial Nenhum
De facto: armênio
Governo República autônoma dentro da Armênia
Comandante-em-chefe
 • 1918 Andranik Ozanian
Período histórico I Guerra Mundial
 • 1918 Fundação
 • 1918 Dissolução

A República da Armênia Montanhosa (português brasileiro) ou Arménia Montanhosa (português europeu) (em armênio: Լեռնահայաստան), também chamada de República de Siunique (Սյունիքի Հանրապետություն) ou República de Carabaque-Zanlezur foi um estado de vida curta, não reconhecido, no Sul do Cáucaso, aproximadamente correspondente aos territórios da atual província armênia de Siunique e da república autoproclamada de Artsaque.

O general Andranik e seus oficiais, durante a conquista do Carabaque

O Tratado de Batum foi assinado entre a República Democrática da Armênia e o Império Otomano, depois das derrotas armênias nas últimas batalhas da Campanha do Cáucaso. Os otomanos haviam ganho, anteriormente, uma parte considerável do Sul do Cáucaso com o Tratado de Brest-Litovski, assinado com a República Socialista Federativa Soviética da Rússia. Em 1918 a Armênia, seguindo estes acordos, foi reduzida a um pequeno enclave centrado nas margens ocidentais do lago Sevã e nas cidades de Erevã e Valarsapate. Andranik Ozanian, general armênio, rejeitou estas novas fronteiras e proclamou o novo estado, onde suas atividades se concentrariam nas ligações entre o Império Otomano e a República Democrática do Azerbaijão, em Carabaque, Zanlezur e Naquichevão.

Em janeiro de 1919, com o avanço das tropas armênias, as forças britânicas de Lionel Dunsterville ordenaram a Andranik que voltasse a Zanlezur, dando-lhe seguranças de que o conflito poderia ser solucionado através da Conferência de Paz a ser realizada em Paris naquele mesmo ano, que acabou por declarar a República Democrática da Armênia um estado internacionalmente reconhecido.

Ver tambémEditar