Revolta de Maio

A Revolta de Maio [4][5] (em armênio/arménio: Մայիսյան ապստամբություն Mayisyan apstambutyun) foi uma tentativa de golpe de Estado ​​pelos bolcheviques armênios que começou em Alexandropol (atual Gyumri) em 10 de maio de 1920.[6][7] Foi finalmente suprimida pelo governo armênio em 14 de maio e seus líderes foram executados.

Revolta de Maio
Data Maio de 1920
Local Primeira República da Armênia
Desfecho Revolta reprimida[1]
Beligerantes
Arménia República da Armênia bolcheviques armênios
  • Unidades desertadas das unidades governamentais[2]

Muçulmanos da Armênia[2]
Apoiados por:
Rússia soviética

Comandantes
Sebouh Nersesian[3]
Hamo Ohanjanyan (PM)
Ruben Ter-Minasian (MD)
Revkom
Sargis Musayelian
Ghukas Ghukasyan

Embora a revolta fracassasse, a Armênia foi sovietizada após o Exército Vermelho invadir o país em novembro de 1920 e os turcos ocuparem a metade ocidental da Armênia. A revolta e seus líderes executados foram elogiados durante o período soviético de 1920 até o final de 1980, quando o Movimento Carabaque começou e o sentimento antissoviético surgiu na Armênia. A revolta continua a ser um tema controverso na Armênia.

Mayisyan apstambneri hushardzan Gyumrium 02.jpg

AntecedentesEditar

Desde a criação da República Democrática da Armênia em 1918, os partidos políticos e diferentes facções, em sua maior parte, evitaram conflitos internos ou rebeliões contra o partido dominante Dashnak já que o país estava em profunda crise econômica e demográfica e esteve em algum momento de sua existência de dois anos em guerra com três de seus quatro vizinhos (Turquia, Azerbaijão e Geórgia). Esta situação mudou depois do avanço dos bolcheviques na região do Cáucaso, no início de 1920.[3] O Partido Comunista da Armênia, operando secretamente, foi fundado em janeiro de 1920 para lutar contra o "vilipêndio das Potências Aliadas e seus 'colaboradores' do Dashnakist."[8]

A revoltaEditar

Encorajados pela invasão do Exército Vermelho ao Azerbaijão no final de abril de 1920, os bolcheviques da Armênia se rebelaram em maio.[8] Os acontecimentos que precederam a revolta começaram em 1 de maio de 1920, Dia Internacional dos Trabalhadores, com os bolcheviques protestando contra o governo da Armênia na capital Yerevan e outras cidades.[3]

A revolta escalou depois que um comboio blindado chamado "Vardan zoravar" sob o comando de Sargis Musayelyan se juntou aos rebeldes bolcheviques que haviam formado um comitê revolucionário (Revkom) e proclamado um estado soviético armênio em Alexandopol em 10 de maio. [9][10][3] Os rebeldes bolcheviques tomaram com sucesso Alexandropol, Kars e Sarikamis.[11][12]

Em 5 de maio de 1920, o governo (do gabinete) de Alexander Khatisian renunciou e um novo foi constituído sob a liderança de Hamo Ohanjanyan. Este, estava inteiramente composto por membros do partido Dashnak. O parlamento entregou seus direitos ao governo uma vez que a Armênia estava sob estado de emergência. Sebouh Nersesian foi nomeado comandante para reprimir a revolta. Em 13 de maio, sua unidade atingiu Alexandropol e no dia seguinte os rebeldes deixaram a cidade e as forças do governo entraram na cidade e a ordem estabelecida. [3]

ConsequênciasEditar

Os líderes da revolta, incluindo Sargis Musayelyan e Ghukas Ghukasyan [10], foram executados por decisões judiciais. O Partido Comunista da Armênia foi proibido.[3] A situação interna da Armênia ficou gravemente ferida e apenas seis meses após a revolta, o Exército Vermelho invadiu a Armênia.[3]

LegadoEditar

Período soviéticoEditar

A revolta foi elogiada na Armênia soviética, apresentada como uma "luta heroica". [13] Vários livros foram escritos sobre ela.[14][15]

Numerosos assentamentos na Armênia soviética receberam o nome dos notáveis participantes bolcheviques ​​da revolta, incluindo Gandzak (anteriormente denominada Batikian conforme Batik Batikian),[16] Sarukhan (conforme Hovhannes Sarukhanian),[16] Nahapetavan (conforme Nahapet Kurghinian),[17] Gharibjanyan (conforme Bagrat Gharibjanyan), [10] Musayelian (conforme Sargis Musayelian), [10] Mayisyan (conforme a própria "revolta de maio"), [18] Ashotsk (anteriormente denominada Ghukasyan conforme Ghukas Ghukasyan). [19]

Uma estátua de Ghukas Ghukasyan foi erigida em 1935. Esta, ficava no parque perto da Universidade Agrária no centro de Yerevan. A estátua foi destruída em 1990, durante o auge da contenda antissoviética na Armênia. [20] Em 2009, a estátua do proeminente cientista armênio Viktor Ambartsumian foi colocada em seu lugar. [21]

A praça central da segunda maior cidade da Armênia, Gyumri (chamada Leninakan durante o período soviético), foi nomeada após a revolta. Atualmente é chamada de Praça Vardanants. [22]

Armênia IndependenteEditar

A revolta continua sendo uma tema um tanto controverso mesmo na Armênia pós-soviética. De acordo com um estudo dos livros didáticos escolares armênios "o tom da explicação permanece relativamente contido e neutro, uma certa interpretação dos eventos não é imposta aos alunos". O uso do termo "revolta" nestes livros, no entanto, ao contrário de "rebelião" - como acontece com casos contemporâneos de distúrbios muçulmanos - revela uma ligeira simpatia para com os bolcheviques.[13]

Durante uma manifestação contra o governo em 2010, o primeiro presidente da Armênia e líder da oposição Levon Ter-Petrosyan declarou:[23]

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

Específicas
  1. Adalian, Rouben Paul (2010). Historical dictionary of Armenia. Lanham, MD: Scarecrow Press. p. 241. ISBN 9780810874503 
  2. a b King, Charles (2008). The Ghost of Freedom: A History of the Caucasus. [S.l.]: Oxford University Press. p. 172. ISBN 9780199884322 
  3. a b c d e f g Armenian State Pedagogical University; Poghsosyan, Samvel; Asryan, Armen; Stepanyan, Khachatur; Hovhannisyan, Edgar (2009). Հայոց Պատմություն [Armenian History]. Yerevan: VMV-Print. pp. 198–200 
  4. Shaginyan, Marietta (1954). Journey Through Soviet Armenia. 61: Foreign Languages Publishing House. Underground Bolshevik organizations worked actively in all parts of the country, preparing the people for a general uprising. In May 1920 the uprising broke out and it has gone down in the history of Armenia as the "May Uprising." 
  5. Payaslian, Simon (2007). The history of Armenia: from the origins to the present. New York: Palgrave Macmillan. p. 170. ISBN 9781403974679 
  6. Panossian, Razmik (2006). The Armenians: From Kings and Priests to Merchants and Commissars. London: Hurst & Co. p. 258. ISBN 9780231511339 
  7. Derogy, Jacques (1990). Resistance and Revenge: The Armenian Assassination of the Turkish Leaders Responsible for the 1915 Massacres and Deportations. New Brunswick, New Jersey: Transaction Publishers. p. 106. ISBN 9781412833165 
  8. a b Scanlan, Chris (14 de dezembro de 2011). «Save Me From Hope That I'll Be Saved: The Birth and Death of the Democratic Republic of Armenia» 
  9. National Republic, Volumes 21-22, 1933, p. 84 "A republic had been declared in 1918, and on May 10, 1920, a "Soviet Republic" acclaimed. However, on May 14 the little soviet fell..."
  10. a b c d Kiesling 1999, p. 49.
  11. Richard G. Hovannisian. The Republic of Armenia, Vol. IV: Between Crescent and Sickle: Partition and Sovietization, (Berkeley, 1996), pp. 209-253
  12. (em russo) A.B. Kadishev, Interventsia I Grazhdanskaja Vojna v Zakavkazje (Moscow, 1961), pp. 280-289
  13. a b Zolyan, Mikayel; Zakaryan, Tigran (2010). «'We are a small nation, but': The image of the self, the image of the other, and the image of the enemy in school text books about Armenia.» (PDF). Eckert.Beiträge. p. 8. Arquivado do original (PDF) em 3 de março de 2016 
  14. Predefinição:Hy icon Karian, S. M. (2003) 1920թ. Մայիսյան ապստամբության հիմնահարցը խորհրդահայ պատմագրության մեջ. Herald of the Social Sciences, Armenian National Academy of Sciences, Yerevan, № 1 . pp. 61-71 ISSN 0320-8117
  15. Predefinição:Hy icon Melkonian, A. H. (1970) Մայիսյան ապստամբության սովետահայ պատմագրությունը (Ապստամբության 50-ամյակի առթիվ). Historical-Philological Journal, Armenian National Academy of Sciences, Yerevan, № 2, pp. 197-201
  16. a b Kiesling 1999, p. 28.
  17. Kiesling 1999, p. 48.
  18. Kiesling 1999, p. 50.
  19. Kiesling 1999, p. 51.
  20. Predefinição:Hy icon «Ղուկաս Ղուկասյանի արձանը». HinYerevan project 
  21. Predefinição:Hy icon «Վիկտոր Համբարձումյանի արձանը՝ Ղուկաս Ղուկասյանի արձանի տեղում». Azg Daily. 18 de novembro de 2009 
  22. Tsypylma Darieva, Wolfgang Kaschuba, Melanie Krebs (2011). Urban Spaces After Socialism: Ethnographies of Public Places in Eurasian Cities. Frankfurt am Main: Campus. p. 70. ISBN 9783593393841 
  23. «Speech by Levon Ter-Petrosyan at the meeting in September 17, 2010». Armenian National Congress. Consultado em 9 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2013 
Geral


  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «May Uprising».