Rhodanthidium sticticum

espécie de inseto

Rhodanthidium sticticum é uma espécie de insetos himenópteros, mais especificamente de abelhas pertencente à família Megachilidae.[2]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaRhodanthidium sticticum

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Hymenoptera
Subordem: Apocrita
Superfamília: Apoidea
Família: Megachilidae
Tribo: Anthidiini[1]
Género: Rhodanthidium
Espécie: R. sticticum
Nome binomial
Rhodanthidium sticticum
(Fabricius, 1787)
Sinónimos
Apis stictica
Anthidium sticticum
Trachusa stictica
Dianthidium sticticum

A autoridade científica da espécie é Fabricius, tendo sido descrita no ano de 1787.[3]

Trata-se de uma espécie presente no território português.[4]

Taxonomia editar

A espécie foi descrita em 1787 por Johan Christian Fabricius, inicialmente com a designação de Apis stictica;[5] foi posteriormente incluida nos gêneros Anthidium, Trachusa e Dianthidium, sendo atualmente classificada no gênero Rhodanthidium.[3]

Em Marrocos existe também a espécie Rhodanthidium ordonezi, que tem sido considerada por alguns autores como uma subespécie da R. sticticum, com a designação de R. s. ordonezi. [6]

Descrição editar

As R. sticticum medem entre 11 e 15 mm (os machos) ou entre 13 e 16 mm (as fêmeas);[7] a sua coloração é preta e vermelha.[7] 

Distribuição editar

A R. sticticum encontra-se na zona mediterrânica ocidental: no norte de África, de Marrocos à Líbia, na Península Ibérica, no sul de França e em ilhas como as Baleares, a Córsega e a Sicília, havendo também observações por comprovar na Grécia, na Croácia e no centro de França.[4] Em Portugal há observações registadas no Algarve, na península de Setúbal[8] e na região centro.[9]

Biologia editar

A R. sticticum é uma abelha solitária[10] e os machos são territoriais, ocupando áreas de alguns metros quadrados que defendem de outros machos.[4][11]

Como acontece na generalidade das abelhas do género Rhodanthidium, a R. sticticum usa cascas vazias de caracóis como ninhos, onde põe os seus ovos,[12] tendo provavelmente duas gerações por ano, já que são observadas no principio da Primavera e no final do Outono.[9]

A R. sticticum poliniza várias espécies de plantas,[13] sendo o polinizador principal da espécie Antirrhinum microphyllum.[10]

Referências

  1. Kasparek 2017, p. 8
  2. Gabiot 2017
  3. a b Kasparek 2019, p. 110
  4. a b c Kasparek 2019, p. 116
  5. Fabricius, Johann Christian (1787). Mantissa Insectorum. Sistens Eorvm Species Nvper Detectas. Adiectis Characteribvs, Genericis, Differentiis Specificis, Emendationibvs, Observationibvs (em latim). 1. [S.l.]: Proft. p. 302 
  6. Kasparek & Lhomme 2019, p. 43
  7. a b Kasparek 2019, p. 112
  8. Kasparek & Lhomme 2019, p. 49
  9. a b Kasparek 2019, p. 115
  10. a b Torres, Elena; Iriondo, José M.; Escudero, Adrián; Pérez, César (1 de dezembro de 2003). «Analysis of within‐population spatial genetic structure in Antirrhinum microphyllum (Scrophulariaceae. American Journal of Botany (em inglês). 9 (12): 1689. doi:10.3732/ajb.90.12.1688. Consultado em 1 de abril de 2021 
  11. Torres et al. 2003, p. 1693
  12. Kasparek 2019, p. 25
  13. Kasparek 2019, pp. 115-116

Bibliografia editar

Ligações externas editar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Categoria no Commons