Rio Corrente (Pedro II)

Rio Corrente (Pedro II)
Nascente Serra dos Matões/Sitio Revedor - Barro dos Lopes (PI)
Altitude da nascente 720 - 730 m
Foz Rio Longá
País(es)  Brasil

O rio Corrente é um curso de água do estado do Piauí, no Brasil. Faz parte da bacia hidrográfica do município de Pedro II, responsável pelo o abastecimento de água na sede do município.

Bacia hidrográficaEditar

O rio Corrente nasce no sítio Revedor, no confrontes da Serra dos Matões, a uma altura de 720 metros de altitude. Conforme o processamento de dados realizados pelo o governo brasileiro no século XX, a principal nascente do rio Corrente situava-se na localidade de Barro dos Lopes, na continuação do platô da serra dos Matões, com altitude de 730 metros.

Nas nascentes do rio Corrente, encontra-se o local destinado para a criação do Parque Estadual das Orquídeas.

É um dos importantes afluentes do Rio Longá.

 
Nascentes do rio Corrente na serra dos Matês

A bacia abrange total ou parcialmente, os seguintes municípios piauienses: Pedro II, Milton Brandão, Piripiri, Capitão de Campos, Barras e Boa Hora.

CursoEditar

 
pequena barragem "O Cordeiro" construído no leito do rio Corrente em 1951

Após as nascentes, o leito do rio entra na zona urbana de Pedro II, recebendo vários barramentos de pequenas barragens, sendo ela a barragem Lauro Cordeiro (construída em 1951), barragem da Delegacia e do Pirapora (construídas em 1991) até o Açude Joana (inaugurada em 1994) que é o manancial que abastece a população urbana de Pedro II.

No seu curso, existem vários olhos d'água, a saber:

  • Olho d'água Revedor - situada em uma propriedade rural após as cachoeiras da serra.
  • Olho d'água do Mirante - situada dentro de uma propriedade rural, na fazenda Mirante do Revedor.
  • Olho d'água Buritizinho - esse olho d'água é considerado uma das nascentes do Rio Corrente por está situada no confrontes da Serra dos Matões.
  • Olho d'água Bananeira - situada na sede urbana de Pedro II, suas águas drenam em direção ao Açude Joana.
  • Olho d'água Pirapora - famoso olho d'água que está situada ao lado do centro da cidade, é uma unidade de conservação municipal criada por decreto nº 129, de 05 de junho de 2001 pelo então prefeito Walmir Café.

Comunidade e o rioEditar

Em março de 2014, membros da sociedade civil organizada montaram uma expedição [1]mapear os impactos ambientais do leito do rio Corrente, desde suas nascentes até o Açude Joana. A expedição foi dividida em três partes, culminando na elaboração de um Relatório[2] de Impactos Ambientais que foi entregues às autoridades.

Em janeiro de 2016, quase dois anos após a expedição feita no rio Corrente, pessoas da comunidade como estudantes, professores, autônomos, profissionais liberais se reúnem e lançam um movimento denominado S.O.S Rio Corrente de Pedro II[3] e cria uma Fanpage no Facebook para chamar atenção da comunidade e das autoridades sobre a degradação que está acontecendo cotidianamente no rio Corrente.

Estudos e pesquisasEditar

Dezenas de estudos e pesquisas foram feitas sobre o Rio Corrente:

  • "Avaliação da Mutagenicidade das Águas do Rio Corrente, que sofre influências de diferentes atividades antropogênicas" realizada pelo professor Nelson Jorge, biólogo da Faculdade Santo Agostinho[4].
  • "Diagnóstico do Impacto Ambiental causado pelas as propriedades rurais às nascentes do Rio Corrente de Pedro II", trabalho de conclusão do curso de meio ambiente no IFPI de Helio Ulisses.

Referências

  Este artigo sobre hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.