Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura o rio homônimo, veja rio Moa (Serra Leoa).
Rio Moa
Rio moa.jpg
Localização
País
Coordenadas
Hidrografia
Tipo
Bacia hidrográfica
País(es) da
bacia hidrográfica
Afluente
principal
Vários igarapés (Preto, Mosquito, São Francisco, entre outros)
Foz

O rio Moa é um curso de água que banha o estado do Acre. Situado na serra do Divisor, fronteira Brasil–Peru, em suas nascentes está o ponto extremo ocidental do Brasil, a 07° 33' 13" de latitude sul e 73° 59' 32" de longitude oeste, no município de Mâncio Lima. Sua nascente principal está em território peruano.

HistóriaEditar

Apesar de a área do rio Moa ter pertencido à Bolívia até 1903, ano em que o Brasil anexou o Acre, desde 1883 que há brasileiros assentados na região, como o seringueiro cearense Antonio Marques de Menezes, que possuía nessa data um seringal na foz do Moa.[1]

Bacia hidrográficaEditar

O rio, que é afluente do rio Juruá, possui muitas cachoeiras e corredeiras e nesse região encontra-se a maior variedade de palmeiras do mundo.[2] A temperatura média anual do curso é de 23,5°C, o qual é navegável por embarcações de pequeno calado quase o ano todo. Em algumas épocas do ano, surgem trechos de corredeiras e é possível a prática de esportes radicais.

Na margem direita do rio, habitam os índios Nuquinis, no interior do parque. Existe processo em andamento para a criação da "Reserva Indígena do Rio Moa", que abrigará também índios da etnia Nawa.[3]

O Moa está localizado no Parque Nacional da Serra do Divisor, que é o quarto maior parque nacional do Brasil e foi criado em 1989.[2] O parque não está aberto para visitação e não possui infraestrutura. Cruzeiro do Sul é a cidade mais próxima do parque.

Referências

  1. Victor Leonardi (2000). Fronteiras amazônicas do Brasil: saúde e história social. [S.l.]: Marco Zero. 181 páginas. ISBN 9788527903134 
  2. a b Marta Góes (2003). Brazilian cultural landscape, North Region. [S.l.]: Editora Terceiro Nome. 159 páginas. ISBN 8587556282 
  3. Beto Ricardo; e Fany Ricardo (2006). Povos Indígenas no Brasil - 2001/2005. [S.l.]: Instituto Socioambiental. 880 páginas. ISBN 8585994401 
  Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.