Abrir menu principal

Roça do Ventura

Candomblé terreiro em Cachoeira
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Roça do Ventura
Tipo terreiro de candomblé, patrimônio histórico
Geografia
Coordenadas 12° 36' 18.61" S 38° 57' 44.57" O
Logradouro Fazenda Ventura, Lagoa Encantada, Cachoeira - Bahia, Rua Benjamin Constant
Localização Cachoeira
País Brasil

Roça do Ventura, Zògbódó Bògún Màlé Sɛ̀jáhùnɖé ou apenas Kwé Sɛ̀jáhùnɖé - (Sɛn= Adorar, Já= Cobra de ferro, Hùn= Vodun, Dé = Aqui neste lugar. Traduzindo "Aqui neste lugar adoramos um vodum que e representado pela cobra de ferro). É uma roça grande de Candomblé Jeje, localizada em Cachoeira de São Félix (Roça de Baixo), próximo à Salvador na Bahia.

Índice

HistóriaEditar

Ludovina Pessoa, natural da cidade Mahi (marri), daomeana foi escolhida pelos Voduns para fundar três templos na Bahia.

Ela fundou:

O templo de Ajunsun-Sakpata foi fundado mais tarde pela africana Gaiaku Satu, em Cachoeira e São Felix e recebeu o nome de Axé Kpó Egi, mais conhecido por Terreiro Cacunda de Yayá, que tem como sua representante a Gaiakú Maria de Lourdes Buana (Gaiakú Ominibu Kafae foobá) que veio a falecer em Outubro de 2014 , filha de Mae Tança de Nanã (Jaoci) que era filha de Gaiaku Satu.

Segunda versãoEditar

Fundada pelos escravos Manoel Ventura, Tixareme, Zé do Brechó e Gaiaku Ludovina Pessoa, também conhecida como Ogun Rainha que muitos acham que ela deveria ter sido uma rainha mesmo, Manuel Ventura, era só o dono das terras.

Tixareme foi o primeiro Pejigan da Roça e Ludovina sería a primeira Gaiaku. Essa roça foi aberta por Ludovina para a sua filha Maria Ogorenssi mais conhecia como Ahumsi misimi que levou essa roça com muita força e independencia sendo assim denominada de Jeji Maxi Axé Séjáhùndé (Maxi lê-se: "marri"), onde ela iniciou alguns vodunsis, como o saudoso Tata Fomotinho (Antonio Pinto de Oliveira) ou Oxum Ojunto Deyi, que foi para o Rio de Janeiro levando um pouco do que lá aprendeu.

Congresso Afro-indígena 1994Editar

Depoimento de José Gomes de LimaZezinho da Boa Viagem:

Quem trouxe os mahin para Cachoeira de São Félix foram os “tios”. Eles se dividiram em cachoeira porque junto com eles, em outra levada, vieram Tixarene, Zé do Brexo e outras pessoas mais que fundaram suas roças.

Vovô Ventura e Gaiaku Ludovina fundaram a roça do Kwè (xwè) Séjáhùndé que é a roça de baixo; Tixareme fundou a roça de cima, quer dizer, duas nações jeje a vinte metros uma da outra…quando morre uma mãe-de-santo, nosso pai que descende de Komadavit, então é ele quem aponta a pessoa que vai ficar no trono.

A minha primeira zeladora foi Iyá Fortunata, Baiana de Pina. Filha de Oxum e Oyá. Posteriormente fui iniciado pelas mãos de Tata Fomotinho em São João de Meriti, Rio de Janeiro

Tata Fomotinho foi o primeiro homem feito no Séjáhùndé em 25/12/1912. Veio para o Rio em 1930 abrindo sua casa mais tarde em 1936.

Luiza Franquelina da Rocha, nasceu em 1909 e é mais conhecida como Gayaku Luiza do Hunkpame Huntoloji, no alto da levada em cachoeira. È filha carnal do pejigan do Séjáhùndé. Inicialmente foi feita no ritual Ketu, sendo mais tarde “refeita” no ritual jeje por Gayaku Kposusì Rumaninha (Maria Romana Moreira) no candomblé do Terreiro do Bogum em 1945, na qualidade de Hungbono.

Gaiaku Romaninha não tinha terreiro fixo, por ser muito conceituada tinha acesso a todos, tendo sido “Deré“, mãe-pequena do Terreiro Bate Folha, advindo daí, talvez, a influência de ritos Jeji no ritual de Angola. Faleceu em 1956 com 115 anos de idade.

Os avós maternos de Dila de Obaluaye tinham cargo no candomblé de Rozena de Bessen: Afonsekoloanoo de Sango, foi o primeiro pejigan e Adpan Noeji foi feita de Oxumare.

Quando Aninha morreu, Dila tirou a mão com Mejitó, que lhe abriu a casa.

Mejitó, Alda, também conhecida como Fominho, feita ainda criança em 1957, veio para o rio de janeiro onde fundou sua casa iniciando vários filhos e seguindo ainda a risca todos os preceitos aprendidos em todas as décadas de obediência aos voduns. Dividindo sua vida religiosa entre o Rio de Janeiro e sua casa mãe e hoje sua saudosa família de Santo.


Era de Vodun Djo e o nome dado foi Zinvode. Mudou o candomblé do bairro de Cavalcante para a Rua Cecília em Coelho da Rocha, próximo à atual sede do Àsé Òpó Àfònjá do Rio de Janeiro. Com quem mantinha boas relações com a dirigente da época, Agripina de Souza. Tirou dois barcos com seis pessoas, vindo a falecer em 1956.

Para finalizar também existe uma outra casa de Jeje na Bahia de nome Àcè Kpó Eji, na Cacunda de Yayá, com ritual Savalu e fundada por Gaiaku Satu de Cachoeira."

Esta Nação é Jeje Mahi, que foi comandada por Sinhá Romana, irmã de Santo da Gaiaku Ludovina Pessoa.

Pela ordem genealógica os Sacerdotes:

  • Tixareme (Fundador)
  • Ludovina Pessoa (Fundadora)
  • Gayakú Ogorensì,
  • Gayakú Abali,
  • Gayakú Pararasì,
  • Gayakú Aguésì, Elisa Gonçalves, dona da terra.
  • Gayakú Gamo Lokosì que foi escolhida por Sinhá Pararasì para ser a herdeira do trono.
  • Gayakú Alda Fomo Oyassi - que em época da sucessão foi escolhida pelo próprio dono da casa (Ahono Bessen)a assumir o trono de matriarca da nação.

Referências

Ligações externasEditar