Roberto Paulino

político brasileiro
Roberto Paulino
Roberto Paulino
46° Governador da Paraíba
Período 6 de Abril de 2002 até
1 de Janeiro de 2003
Antecessor José Maranhão
Sucessor Cássio Cunha Lima
32º Prefeito de Guarabira
Período 1 de janeiro de 1977] até
31 de dezembro de 1982
Antecessor João de Farias Pimentel Filho
Sucessor Zenóbio Toscano
34º Prefeito de Guarabira
Período 1 de janeiro de 1989 até
31 de dezembro de 1992
Antecessor Zenóbio Toscano
Sucessor Jáder Pimentel
Vice-governador da Paraíba
Período 1 de janeiro de 1999 até
6 de abril de 2002
Deputado federal pela Paraíba
Período 1 de fevereiro de 1995 até
31 de dezembro de 1998
Deputado estadual da Paraíba
Período 1 de fevereiro de 1987 até
31 de dezembro de 1989
Dados pessoais
Nascimento 20 de junho de 1951 (69 anos)
Guarabira, PB
Cônjuge Fátima Paulino
Partido MDB (1976-1979)
MDB (1980-presente)

Antônio Roberto de Sousa Paulino (Guarabira, 20 de julho de 1951) é um político brasileiro, ex-governador da Paraíba.[1]

Filiado ao MDB e nascido em Guarabira, aonde é considerado uma liderança política expressiva, Paulino foi prefeito de sua cidade natal por duas vezes, (1977-1983 e 1989-1992), em 1994 é eleito deputado federal, tendo mandato entre 1995 e 1998 e se firmando assim no cenário político estadual.

Entre 1999 e 2002, foi vice-governador da Paraíba durante o segundo governo de José Maranhão. Em 2002, com Maranhão tendo renunciado ao governo da Paraíba para candidatar-se a senador, assume o posto de governador do estado. No mesmo ano, concorre a reeleição. Tendo o deputado estadual Gervásio Maia como vice-governador, leva a disputa para o segundo turno, mas acaba sendo derrotado, por uma diferença pequena, para Cássio Cunha Lima.

Vida pós-governoEditar

Após a eleição para governador em 2002, manteve alto prestígio político em seu estado. Sua esposa, Fátima Paulino foi eleita e reeleita prefeita de Guarabira em 2004 e 2008, respectivamente. Seu filho, Raniery Paulino é deputado estadual na Paraíba desde 2007, sendo reeleito nas eleições de 2010, 2014 e 2018.

Foi novamente candidato a deputado federal em 2010, obtendo 41.053 votos, não foi eleito.

Em 2014 foi mais uma vez candidato a vice-governador na chapa encabeçada por Vital do Rêgo Filho, do PMDB, ficando em terceiro lugar, com 106.162 (5,22%).

Em 2018 foi candidato a senador. Tendo como suplentes o advogado Higor Fialho e o ex-deputado Ariano Fernandes, obtiveram 262.998 votos (7,67%).

IdeologiaEditar

A ideologia pregada por Roberto Paulino, era uma sociedade e mercado liberais e tolerância zero contra criminosos. Apoiava a diminuição de maioridade penal, diminuição de impostos de mercados e desburocratização de centrais do livre comércio.

Período 1977 até 1982Editar

Foi um dos responsáveis a conseguir sanear 87% da Paraíba, com um investimento de pequenos impostos e do seu próprio dinheiro. Em 1981, criou o projeto Mercado Liberal, porém, foi rejeitado pelo congresso nordestino.

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «ANTONIO ROBERTO DE SOUSA PAULINO». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 19 de julho de 2020