Abrir menu principal

Roberto Torres

político brasileiro
Roberto Torres
Nascimento 29 de agosto de 1938 (80 anos)
Água Branca
Cidadania Brasil
Ocupação político

Roberto Vilar Torres (Água Branca, 29 de agosto de 1938) é um político brasileiro. Exerceu o mandato de deputado federal constituinte em 1988.[1]

FamíliaEditar

Os pais de Roberto Torres são José Fernandes Torres e Iracema Vilar Torres. Roberto tem um irmão chamado Fernando Torres, que foi deputado federal de 1995 a 1999.

Roberto Torres é casado com Maria José Marques Torres, com quem teve quatro filhos.

Vida PúblicaEditar

Roberto Torres era empresário do setor agropecuário, e começou a sua vida pública em 1961, quando tornou-se prefeito de sua cidade natal até o ano de 1967. Voltou a ser prefeito depois de 4 anos com apoio da Aliança Renovadora Nacional (Arena), o partido que sustentou a ditadura militar, que foi instaurada no Brasil no ano de 1964.

Roberto candidatou-se a uma cadeira na Assembleia Legislativa de Alagoas em novembro de 1978, foi vitorioso e iniciou o seu mandato de deputado estadual no mês de fevereiro de 1979. Com a reorganização partidária que aconteceu com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979, ele se filiou ao Partido Democrático Social (PDS), que foi o sucessor da Arena.

Foi reeleito como deputado estadual em novembro de 1982, e na legislatura 1983-1987 Roberto presidiu a Comissão de Constituição e Justiça, assumiu o cargo de segundo secretário e por fim presidente da Assembléia, sendo que durante as ausências dos governadores Divaldo Suruagi e José Tavares. Nos seis meses anteriores às eleições de novembro de 1986 ele ingressou no Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), e já dentro deste novo partido Roberto batalhou pela coligação com o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), responsável por eleger Fernando Collor de Melo como governador de Alagoas, ocasião na qual Roberto também se elegeu como deputado constituinte, assumindo o seu mandato no dia 1º de fevereiro do ano de 1987.

Nessa época Roberto votou a favor de:

  • Romper relações diplomáticas com países que praticassem políticas de discriminação racial;
  • Voto aos 16 anos;
  • Nacionalização do subsolo;
  • Limite de 12% ao ano para os juros reais;
  • Criar um fundo de apoio à reforma agrária;
  • Aviso prévio proporcional;
  • Turno ininterrupto de seis horas;
  • Unicidade sindical.

Votou contra:

  • A demissão sem justa causa;
  • Pena de morte;
  • Limitação do direito de propriedade;
  • Estatização do sistema financeiro;
  • Anistia aos pequenos e micro empresários;
  • Soberania popular;
  • Presidencialismo;
  • Mandato de cinco anos para o presidente José Sarney.

Quando a nova Carta Constitucional foi promulgada no dia 5 de outubro de 1988, Roberto passou a integrar os trabalhos legislativos Ordinários da Câmara sendo titular das comissões de Constituição e Justiça, de Redação, de Defesa do Consumidor, e de Meio Ambiente e Minorias, e sendo suplente das comissões de Relações Exteriores e também de Agricultura e Política Rural. No mês de outubro de 1990 ele se reelegeu para mais um mandato, que teve início no mês de fevereiro de 1991, quando retomou a cadeira da Câmara dos Deputados.

Ainda no ano de 1991, Roberto integrou a Comissão de Finanças e Tributação. Votou a favor do impeachment do então presidente Fernando Collor de Melo, que foi acusado de crime de responsabilidade por ter ligações com um esquema de corrupção que tinha como líder o ex-tesoureiro de sua campanha presidencial, chamado Paulo César Farias.

Roberto disputou uma vaga de deputado estadual pelo PTB nas eleições de outubro de 1994, foi eleito e deixou Brasília quando a legislatura chegou ao fim, no mês de janeiro de 1995, e em fevereiro do mesmo ano tomou posse na Assembleia Legislativa de Alagoas. No mês de outubro de 1996 ele renunciou ao seu mandato para assumir o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas de Alagoas (TCE). Chegou a ser vice-presidente do Tribunal de Contas de Alagoas e também exerceu a função de ouvidor até o ano de 2008, ano em que deixou o Tribunal de Contas de Alagoas. Em outubro de 2009 concorreu à prefeitura de Água Branca, seu município natal, mas não foi eleito.[2]

Referências

  1. «Roberto Torres - CPDOC». CPDOC. Consultado em 2 de janeiro de 2018 
  2. Brasil, CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «ROBERTO VILAR TORRES | CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.