Abrir menu principal
Roseola
Menina de 21 meses com roseóla
Especialidade infectologia
Classificação e recursos externos
CID-10 B08.2
CID-9 057.8
DiseasesDB 5857
MedlinePlus 000968
eMedicine emerg/400 derm/378 ped/998
MeSH D005077
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A roséola ou exantema súbito é uma doença epidémica da infância geralmente benigna causa pelo Herpesvirus 6 (HHV6) ou pelo Herpesvirus 7 (HHV7), geralmente afeta maiores de 6 meses e menores de 6 anos de idade, causando três dias de febre e depois pintas vermelhas pelo corpo.[1][2]

CausasEditar

 
Vírus Herpes 6

Os dois vírus aparentados que causam a roséola são da mesma família do vírus da Herpes mas produzem uma doença não relacionada. O HHV6 e HHV7 são vírus com genoma de DNA bicatenar (hélice dupla), que se multiplicam no núcleo da célula hóspede. Têm preferência para parasitar linfócitos T.

A transmissão é por contato direto ou com secreção proveniente da saliva, espirro e tosse e é bastante infecciosa.

Os vírus HHV6 e HHV7 foram descobertos enquanto causa da roséola apenas em 1988 e 2012 respectivamente.

EpidemiologiaEditar

A maioria dos adultos têm anticorpo anti HHV6 ou HHV7, significando que a doença foi assintomática, ignorada ou diagnosticada como outra condição. Atinge principalmente crianças pequenas, de três meses a três anos.

Progressão, sinais e sintomasEditar

Nos indivíduos adultos causa uma síndrome semelhante à mononucleose infecciosa, contudo infecta mais frequentemente crianças com quadro típico de roséola.

A roséola caracteriza-se por aparecimento súbito de febre moderadamente elevada (39-40 °C) que dura poucos dias e é seguida de exantema macular (mancha vermelha na pele). Os sintomas duram três ou quatro dias. Raramente o aparecimento súbito da febre elevada pode levar a convulsões e tremores violentos da criança, e nesse caso a ajuda médica é aconselhada.

ComplicaçõesEditar

Em caso de febre alta (mais de 40 graus) pode causar convulsão. O uso de antitérmicos/antipiréticos como paracetamol ou um banho frio e compressa de água fria costuma resolver o quadro. Em caso de pacientes imunodeprimidos pode causar pneumonia viral e encefalite viral. [3] Nesse caso deve ser tratados com antivirais(ganciclovir, cidofovir ou foscarnet) e Interferon.[4]

DiagnósticoEditar

O diagnóstico é eminentemente clínico. A sorologia não é necessária, pois a doença desaparece sozinha. Pode ser verificado por anticorpos HHV6 com ELISA.

TratamentoEditar

O tratamento é inespecífico: aliviar as roupas se a criança suar muito, dar mais água para beber que o normal e eventualmente administrar paracetamol ou ibuprofeno se a temperatura subir muito. Não se deve dar aspirina para crianças, pois pode causar Síndrome de Reye ou hemorragia.[5][6]

Relação com a Esclerose MúltiplaEditar

Acredita-se [7] que exista uma correlação entre o vírus HHV-6 e o desencadeamento de Esclerose Múltipla em adultos com pré-disposição genética à doença. Isto porque o HHV-6 pode permanecer dormente em fibras nervosas, e este possui semelhanças estruturais com a mielina, podendo atuar como um "mímico molecular", provocando a produção de anticorpos que ataquem e inflamem também a bainha de mielina dos neurônios do sistema nervoso. Estes ataques levam a geração de "cicatrizes" rijas, conhecidas como esclerose, bloqueando a propagação de impulsos pelos neurônios afetados.

Referências

  1. Zerr DM, Meier AS, Selke SS; et al. (fevereiro de 2005). «A population-based study of primary human herpesvirus 6 infection». N. Engl. J. Med. 352 (8): 768–76. PMID 15728809. doi:10.1056/NEJMoa042207 
  2. Stone, Rivka C.; Micali, Giuseppe A.; Schwartz, Robert A. (2014-4). «Roseola infantum and its causal human herpesviruses». International Journal of Dermatology. 53 (4): 397–403. ISSN 1365-4632. PMID 24673253. doi:10.1111/ijd.12310  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/roseola/basics/complications/con-20023511
  4. PMID 19559728 (PubMed)
  5. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/roseola/basics/treatment/con-20023511
  6. What is the role of aspirin? Arquivado em 12 de março de 2008, no Wayback Machine., reyessyndrome.org
  7. Sherwood, Lauralee. Fisiologia Humana: das células aos sistemas. São Paulo: Cengage Learning, 2011. 7. ed.