Abrir menu principal

Rua da Bahia

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2012)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

19° 56' 20" S 43° 56' 29" O

Rua da Bahia
Belo Horizonte, MG, Brasil
Vista da rua da Bahia em direção à avenida Augusto de Lima.
Extensão 2,8 km
Orientação norte a sul
Extremos
 • norte:
 • sul:

Avenida do Contorno
Avenida do Contorno
Cruzamentos
Arquiteto Aarão Reis
Origem do nome Bahia
Inscrição na rua da Bahia.

Rua da Bahia é uma rua de Belo Horizonte. Localizada na Região Centro-Sul, corta os bairros Centro e Lourdes, e serve de limite para a Savassi. É uma das mais conhecidas vias da capital mineira. Tem importância histórica e cultural. Já foi palco de manifestações políticas e objeto de diversas crônicas e poemas, de autores mineiros e nacionais.

Índice

HistóriaEditar

A rua faz parte do projeto original de Belo Horizonte e foi inaugurada junto com a capital, então chamada de Cidade de Minas Gerais, em 1897.

Nas primeiras décadas do século XX, experimentou grande efervescência política e cultural, ficando conhecida como a porta da cidade, por traçar uma linha reta entre a antiga Estação Ferroviária de Minas Gerais e o Palácio da Liberdade, sede do Governo estadual.

Na esquina com a avenida Augusto de Lima, onde atualmente há o edifício Maletta, localizava-se o Grande Hotel, no qual se hospedaram as maiores personalidades da época. Na esquina com a rua Goiás, havia o Teatro Municipal. Em toda a sua extensão, existiam cafés, livrarias, charutarias e leiterias. Entre os estabelecimentos famosos no período, destacam-se a confeitaria Suíça, a sorveteria Camponesa, o Trianon, a Gruta Metrópole [1] e o Clube Belo Horizonte.

Em 1908, durante a visita de Alberto de Oliveira à cidade, a população atirou das janelas pétalas de rosas em homenagem ao poeta, enquanto ele seguia a rua rumo à Praça da Liberdade.

Em 20 de fevereiro de 1910, Rui Barbosa, candidato civil durante a Campanha Civilista movida contra o marechal Hermes da Fonseca, realizou seu ato político descendo a Rua da Bahia e discursando no Grande Hotel.

Em 1916, estudantes universitários celebraram na via a chegada de Olavo Bilac, cobrindo o chão com capas sobre as quais andou o poeta.

Na década de 20, entre os frequentadores dos cafés da Rua da Bahia, como o Estrela, e de livrarias, como a Francisco Alves, destacavam-se Carlos Drummond de Andrade, Pedro Nava, Emílio Moura, Abgar Renault, João Alphonsus, Martins de Almeida, Gustavo Capanema e Milton Campos.

Localização e adjacênciasEditar

Tem início no Centro, na Avenida do Contorno, seguindo ao cruzamento com a Rua dos Guaicurus, em seguida com a Avenida Santos Dummont, e depois com a Avenida Amazonas e Rua dos Caetés, todas estas no seguimento paralelo à Praça Rui Barbosa, onde se localiza o Museu de Artes e Ofícios (MAO).

Os próximos cruzamentos que se seguem sao com a Rua dos Tupinambás, com a Rua dos Carijós, com a Rua dos Tamóios e com o Viaduto de Santa Tereza, até o cruzamento com à Avenida Afonso Pena.

Segue cruzando com a Rua dos Tupis, com a Rua dos Goitacazes e Rua Goiás na Praça Prof. Alberto Deodato, e em seguida com a Avenida Augusto de Lima (próximo à Praça Afonso Arinos), com as Avenida Álvares Cabral e Rua dos Guajajaras (na Praça Rômulo Paes), seguindo, com a Rua dos Timbiras, com a Rua dos Aimorés e com Rua Bernardo Guimarães, seguida da Rua Gonçalves Dias até o cruzamento com as Avenida Bias Fortes e Rua Alvarenga Peixoto.

Segue no cruzamento com a Rua Prof. Antônio Aleixo e Avenida Brasil na Praça do Palácio dos Despachos e onde se localiza a sede do Minas Tênis Clube, segue-se também a interseção com a Rua Prof. Francisco Brant, e em seguida o cruzamento com as Rua Antônio de Albuquerque, com a Rua Fernandes Tourinho até seu termino na Avenida do Contorno (no bairro Santo Antônio).

Ao longo de seu trajeto, estão localizadas importantes construções e localidades de relevância histórica para a cidade, como o Viaduto Santa Tereza, o Parque Municipal, o Othon Palace Hotel, o Edifício Maletta, o Centro de Cultura Belo Horizonte, a Faculdade de Direito da UFMG, a Academia Mineira de Letras, a Basílica de Nossa Senhora de Lourdes, a Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, o conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade, o Minas Tênis Clube e a Arena Telemig Celular.

Representação na cultura popularEditar

A Rua da Bahia já foi homenageada em textos de diversos escritores, entre eles, Carlos Drummond de Andrade e Pedro Nava.

O compositor Rômulo Paes (Rômulo Pais) é o autor da frase "A minha vida é esta, subir Bahia e descer Floresta.", gravada num monumento na Praça Afonso Arinos.

BibliografiaEditar

  • Santos, Ângelo Oswaldo de Araújo. Praça Sete. 2006.