Abrir menu principal

Rubens Florentino Vaz

(Redirecionado de Rubens Vaz)
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde janeiro de 2012). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rubens Florentino VazCombatente Militar
Nascimento 17 de março de 1922
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Morte 5 de agosto de 1954 (32 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Serviço militar
Serviço Força Aérea Brasileira
País  Brasil
Patente Major-aviador

Rubens Florentino Vaz (Rio de Janeiro, 17 de março de 1922 - 5 de agosto de 1954)[1] foi um militar brasileiro, major da FAB.

Filho de Joaquim Florentino Vaz Júnior e de Zilda de Oliveira Vaz, em 1º de abril de 1940 iniciou seu curso na Escola Militar do Exército. No ano seguinte, com a criação do Ministério da Aeronáutica, solicitou transferência para essa arma.[2] foi aluno da Escola de Cadetes da Aeronáutica, no Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro, e concluiu seu curso em 1943. Em 1954 servia na Diretoria de Rotas Aéreas, no Rio de Janeiro, quando se intensificou a oposição ao governo de Getúlio Vargas.[1]

Destacou-se por ser a vítima mortal do atentado da rua Tonelero contra o deputado e jornalista Carlos Lacerda, quando este, retornando de um comício, se aproximava do seu apartamento no edifício situado à Rua Tonelero, 180. Os tiros disparados feriram o pé de Carlos Lacerda e mataram o major Rubens Vaz.[2][3] A investigação subsequente indicou como mandante do crime o chefe da segurança pessoal do então Presidente da República, Getúlio Vargas, Gregório Fortunato, apelidado de "O Anjo Negro". No dia do crime, 5 de agosto, a proteção à Carlos Lacerda deveria ser feita pelo major Gustavo Borges, mas em virtude da necessidade de realizar um voo para completar as horas determinadas aos aviadores, o major Vaz o substituiu naquela noite, fazendo um favor ao colega.[2]

Dezenove dias após o episódio, Getúlio se suicidou, em 24 de agosto de 1954.

Rubens Vaz foi promovido post mortem por duas vezes: em 1954 e em 1965. Foi casado com Lígia Figueiredo Vaz, com quem teve quatro filhos.[1]

Referências

  1. a b c «Rubens Vaz». FGV CPDOC. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  2. a b c «Rubens Vaz». Alesp. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  3. BORGES, Gustavo (2001). Getúlio e o mar de lama. [S.l.]: Lacerda. p. 16. ISBN 9788573840827 


  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.