Rudolph Peters

Rudolph Albert Peters FRS (Kensington, 13 de abril de 188929 de janeiro de 1982) foi um bioquímico britânico.

Rudolph Peters
Nascimento 13 de abril de 1889
Kensington
Morte 29 de janeiro de 1982 (92 anos)
Cambridge
Nacionalidade britânico
Cidadania Reino Unido, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda
Alma mater
Ocupação médico militar, bioquímico
Prêmios Medalha Real (1949), Prêmio Cameron (1950)
Campo(s) bioquímica

Foi eleito membro da Royal Society em 1935.[1] Foi Professor Whitley de Bioquímica da Universidade de Oxford, de 1923 a 1954.

VidaEditar

Ele nasceu em Kensington, em Londres, filho do Dr. Albert EDR Peters (1863-1945), um médico, e sua esposa, Agnes Malvina Watts (1867-1950).[2]

Ele foi educado no Wellington College, Berkshire, e depois estudou Medicina no King's College London e Gonville and Caius College, Cambridge.[3]

Na Primeira Guerra Mundial, ele serviu no Royal Army Medical Corps como oficial médico do 60º Rifles. A partir de 1917, ele foi designado para a seção de guerra química em Porton Down. Após a guerra, ele voltou para a Universidade de Cambridge lecionando Bioquímica. Em 1923 foi nomeado Professor de Bioquímica na Universidade de Oxford.

Após a Segunda Guerra Mundial, ele pesquisou o metabolismo do piruvato, com foco particular na toxicidade do fluoroacetato. O fato de o fluoroacetato em si ser muito menos tóxico do que seu metabólito fluorocitrato o levou a cunhar o termo " síntese letal ", que foi o título de sua Palestra Crooniana de 1951.[4][5]

Peters se aposentou da academia em 1954 para estabelecer, aos 65 anos, um novo departamento de bioquímica na Unidade de Fisiologia Animal do Agricultural Research Council em Babraham; ele se aposentou cinco anos depois.[6]

Ele foi eleito FRS em 1935. Em 1940, recebeu o Prêmio Cameron de Terapêutica da Universidade de Edimburgo. Ele foi nomeado cavaleiro pela Rainha Elizabeth II em 1952 e eleito Membro Honorário da Royal Society of Edinburgh em 1957.

Ele morreu em Cambridge em 29 de janeiro de 1982 e foi cremado lá em 4 de fevereiro.

Alguns dos papéis de Sir Rudolph estão guardados na Biblioteca Bodleian.[7]

Referências

  1. Thompson, R. H. S.; Ogston, A. G. (1983). «Rudolph Albert Peters. 13 April 1889-29 January 1982». Biographical Memoirs of Fellows of the Royal Society. 29. 494 páginas. JSTOR 769811. doi:10.1098/rsbm.1983.0018 
  2. Índice biográfico de ex-companheiros da Royal Society of Edinburgh 1783–2002
  3. ‘PETERS, Sir Rudolph (Albert)’, Who Was Who, A & C Black, an imprint of Bloomsbury Publishing plc, 1920–2016
  4. Anon (1982). "Obituary". BMJ. 284 (6315): 589. doi:10.1136/bmj.284.6315.589.
  5. Peters, R. A. (1952). "Croonian Lecture: Lethal Synthesis". Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences. 139 (895): 143–170. Bibcode:1952RSPSB.139..143P. doi:10.1098/rspb.1952.0001.
  6. Profile: Sir Rudolph Peters". The New Scientist. 7 (180): 1070–1071. 28 April 1960
  7. «Papers and correspondence of Sir Rudolph Albert Peters, 1889-1982 - Archives Hub». archiveshub.jisc.ac.uk. Consultado em 13 de abril de 2021 

Ligações externasEditar


Precedido por
James Gray e Harold Jeffreys
Medalha Real
1949
com George Paget Thomson
Sucedido por
Carl Pantin e Edward Appleton


  Este artigo sobre um bioquímico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.