Sale Sale

Sale Sale (28 de setembro de 1337 – 1360), nascido Sale Saladino Sale ibne Maomé ibne Calavuno (em árabe: As-Salih Salah ad-Din Salih ibn Muhammad ibn Qalawun),[1] era o sultão do Sultanato Mameluco do Cairo entre 1351–1354. Era filho de Nácer Maomé até ascender. Era em grande parte uma marionete, com o poder real detido pelos emires mamelucos seniores, mais proeminentemente Taz Anaciri.

Sale Sale
Almalique Sale
Fal de cobre mameluco com o nome de Sale Sale cunhado em Alepo em 1354
Sultão do do Egito
Reinado Dezembro de 1351 – Outubro de 1354
Antecessor(a) Nácer Haçane
Sucessor(a) Nácer Haçane
 
Nascimento 28 de setembro de 1337
Morte dezembro de 1360
Dinastia Bari
Pai Nácer Maomé
Mãe Cutlumalique binte Tanquiz
Religião Islamismo

VidaEditar

Sale nasceu em 28 de setembro de 1337.[1] Era filho do sultão Nácer Maomé (r. 1310–1341) e uma de suas esposas, Cutlumalique, filha do emir Tanquiz Alhuçami de Damasco (r. 1312–1340).[2] Como sultão, Sale frequentemente exibia afeto público e respeito por sua mãe. Levou sua mãe e suas esposas em uma viagem para Siriacus (uma vila turística ao norte do Cairo), junto com vários emires e outros oficiais. Lá, realizou uma cerimônia real em homenagem a sua mãe, na qual colocou a mesa dela e serviu a comida que preparou pessoalmente. Declarou-a sua sultana honorária, concedendo-lhe regalias e designando seus servos e escravas para desempenharem o papel de seus emires.[3]

Em agosto de 1351, foi nomeado sultão no lugar de seu meio-irmão Nácer Haçane. Sua passagem para o sultanato foi o resultado de uma decisão dos emires mamelucos seniores, a saber, Taz e Baibuga, em resposta ao movimento de Nácer Haçane para afirmar o controle real sobre o estado.[4] No início do reinado, os emires Xaicu e Manjaque (irmão de Baibuga) foram libertados.[5] Na verdade, Taz era o governante Sale uma marionete.[4] No entanto, Sale afirmou sua autoridade quando Baibuga lançou uma rebelião na Síria em 1352. Liderou seu exército para Damasco e confrontou os rebeldes. Baibuga e os nuabe (governadores, sing. naíbe) de Safade, Hama e Trípoli foram finalmente presos, e Baibuga morreu enquanto encarcerado em Alepo mais tarde naquele ano.[5]

O emir Xaicu desentendeu-se com Sale e ao mesmo tempo conspirou com o emir Sirguitemis para tirar Taz do poder. Em outubro de 1354, os emires dissidentes derrubaram Sale e restauraram Nácer Haçane ao poder, enquanto enviavam Taz a Alepo para servir como naíbe daquela província (efetivamente exilando-o).[5] Sale morreu em dezembro de 1360 com 24 anos de idade. Foi enterrado no mausoléu de sua avó paterna, Um Sale (esposa de Calavuno) no Cairo. Deixou seu filho, Maomé.[1]

Referências

  1. a b c Bauden 2012.
  2. Bauden 2009, p. 62.
  3. Levanoni 1995, p. 186.
  4. a b Al-Harithy 1996, p. 70.
  5. a b c Al-Harithy 1996, p. 78.

BibliografiaEditar

  • Bauden, Frédéric (2009). «The Sons of al-Nāṣir Muḥammad and the Politics of Puppets: Where Did It All Start?». Chicago: Centro de Documentação do Oriente Médio, Universidade de Chicago. Mamluk Studies Review. 13 (1) 
  • Al-Harithy, Howyda N. (1996). «The Complex of Sultan Hasan in Cairo: Reading Between the Lines». In: Gibb, H. A. R.; E. van Donzel; P.J. Bearman; J. van Lent. The Encyclopaedia of Islam. Leida: Brill. ISBN 9789004106338 
  • Levanoni, Amalia (1995). A Turning Point in Mamluk History: The Third Reign of Al-Nāṣir Muḥammad Ibn Qalāwūn (1310-1341). Leida: Brill. ISBN 9789004101821