Saltos do Douro é o nome do projeto hidroelétrico construído na zona de fronteira em Portugal e Espanha da bacia hidrográfica do rio Douro.[1]

O projeto está situado nas províncias espanholas de Zamora e Salamanca e no distrito português de Bragança. Este amplo território potencia a geração de energia hidroelétrica, e conta com as barragens espanholas de Aldeiadávila, Almendra, Castro, Ricobayo, Saucelle e Villalcampo.

Ainda que não façam parte do sistema assim designado, as barragens portuguesas de Bemposta, Miranda e Picote apresentam características similares às espanholas.

Esta rede de barragens e albufeiras situa-se dentro dos parques naturais conhecidos como Arribas do Douro no lado espanhol e Douro Internacional no lado português. Esta zona é caracterizada pela existência de arribas (profundas depressões geográficas originadas pela erosão do rio Douro e seus afluentes Águeda, Esla, Huebra, Tormes e Uces ao longo de milhares de anos). Alguns setores apresentam desníveis de até 400 m em relação à peneplanície.[2] A forte incisão dos rios, juntamente com o elevado caudal da sua confluência, convertem esta zona num dos pontos de maior potencial hidroelétrico de toda a Península Ibérica.

Mapa dos Saltos do Douro e das barragens portuguesas da mesma zona do Douro, que não fazem parte do sistema mas apresentam características similares às espanholas.
Barragem e albufeira País Rio Central Construção Potência
Ricobayo Flag of Spain.svg Espanha Esla Ricobayo I 1929-1935 133 MW
Ricobayo II -1999 158 MW
Villalcampo Flag of Spain.svg Espanha Douro Villalcampo I -1949 096 MW
Villalcampo II -1977 110 MW
Castro Flag of Spain.svg Espanha Douro Castro I -1952 080 MW
Castro II -1977 110 MW
Almendra Flag of Spain.svg Espanha Tormes Villarinho 1965-1970 810 MW
Aldeiadávila Flag of Spain.svg Espanha Douro Aldeiadávila I 1958-1963 718 MW
Aldeiadávila II 1986-1986 421 MW
Saucelle Flag of Spain.svg Espanha Douro Saucelle I -1956 240 MW
Saucelle II -1989 285 MW

HistóriaEditar

A Saltos del Duero foi a empresa encarregada de construir o aproveitamento hidroelétrico do rio Douro, e deu o nome ao conjunto de barragens instalado no torço internacional. Foi constituída em Bilbau em 3 de julho de 1918.

Após observar o imenso potencial energético da zona, o governo espanhol aprovou a concessão global para o aproveitamento hidroelétrico do rio Douro e seus afluentes Esla, Tormes e Huebra, em 23 de agosto de 1926. Porém, ao tratar-se do troço internacional, foi só em 16 de agosto de 1927 que se assinou o acordo hispano-luso que fixou as condições da sua utilização, outorgando as concessões à Saltos del Duero.

O troço atribuído à Espanha foi o situado entre a foz do rio Tormes e o lugar onde se construiu a barragem de Saucelle, com comprimento de 54 km e desnível aproveitável de 201 m, enquanto que a Portugal foi atribuído o troço compreendido entre o lugar onde o Douro começa a ser fronteira entre ambos os países e a foz do Tormes, com comprimento de 52 km e desnível aproveitável de 195 m, bem como outro troço a jusante da barragem de Saucelle.

O primeiro projeto começou a ser feito em de 1929 quando começaram as obras do Salto de Ricobayo que regularia o caudal do rio Esla e administraria eletricidade ao norte de Espanha. Colocou-se em funcionamento em janeiro de 1935 com uma potência instalada de 100 MW, aumentando em 1947 para 133 MW.

Em meados de 1942, iniciaram-se as obras do Salto de Villalcampo, que foi a primeira barragem construída no leito do Douro. A barragem começou a funcionar regularmente em 1949 com 96 MW. Em 16 de setembro de 1944, acordou-se a fusão da Saltos del Duero com a Hidroeléctrica Ibérica, criando-se a Iberduero. Com o aumento da procura energética produzida nessa época, a Iberduero começou a construção do Salto de Castro em 1946, que começou a produzir energia em 1952, com potência instalada de 80 MW.

Em 1948 começaram as obras do Salto de Saucelle que constituiu a última barragem do Douro em território espanhol. Entrou em funcionamento em 1956 com uma potência de 240 MW.

Em 1958 foi iniciada a construção do Salto de Aldeiadávila que foi a central hidroelétrica de maior potência da Europa Ocidental. Começou a funcionar regularmente em 1962 com 718,2 MW - o que implicou dobrar a capacidade de produção da Iberduero - e em 1986 foi aumentada a potência em mais 421 MW, o que a converteu na mais importante do panorama hidroelétrico espanhol com os seus 1203,2 MW. Em 1970 inaugurou-se o Salto de Villarinho.

Finalmente, em 1991, o Conselho de Administração da Iberduero decidiu pela integração com a Hidroeléctrica Española mediante um processo jurídico de fusão por absorção, que teria a Iberduero como absorvente de igual para igual com a Hidroeléctrica Española. Em 12 de dezembro de 1992 foi assinada a escritura de constituição da Iberdrola.

Referências

  1. Sociedad Española de Presas y Embalses. Escuela Politécnica Superior. Universidad de Burgos, ed. «Evolución de la ingeniería de presas en España. El caso de los "Saltos del Duero"» (PDF) (em espanhol). Consultado em 5 de março de 2011 
  2. Diversos autores (1991). Prensa Ibérica, ed. Geografía de Zamora (em espanhol). [S.l.: s.n.] 

Ligações externasEditar