Santa Fabíola


Santa Fabíola foi uma enfermeira (médica) e matrona romana de categoria da companhia das nobres mulheres romanas que, sob a influência do padre da Igreja São Jerônimo, abandonaram todos os prazeres terrenos e se dedicaram à prática da ascese cristã e à obra de caridade.[1]

Santa Fabíola
Cópia do retrato de Henner de Santa Fabíola.
Nascimento Roma, Itália
Morte  
27 de dezembro de 399 d.C.
Gloriole.svg Portal dos Santos

Vida anteriorEditar

Fabíola pertencia à família patrícia romana da Gente Fábia. Ela havia se casado com um homem que levava uma vida tão cruel que viver com ele era impossível. Ela obteve o divórcio dele de acordo com a lei romana e, ao contrário das ordenanças da Igreja, ela entrou em uma segunda união antes da morte de seu primeiro marido.[1]

Na época da estadia de São Jerônimo em Roma (382-84), Fabíola não fazia parte do círculo ascético que se reunia ao seu redor. Só mais tarde, com a morte de seu segundo consorte, ela decidiu entrar em uma vida de renúncia e trabalho pelos outros. Na véspera da Páscoa, após a morte de sua segunda consorte, ela apareceu diante dos portões da Basílica de Latrão, vestida com traje de penitência, e fez penitência pública por seu pecado, que causou grande impressão na população cristã de Roma. O Papa a recebeu formalmente novamente em plena comunhão com a Igreja.[1]

Conversão ao Cristianismo e vida posteriorEditar

Fabíola renunciou a tudo o que o mundo tinha para lhe oferecer e dedicou sua imensa riqueza às necessidades dos pobres e enfermos. Ela construiu um bom hospital em Roma,[2] e atendeu os internos ela mesma, e tratou os cidadãos rejeitados pela sociedade devido às suas "doenças repulsivas". Além disso, deu grandes somas às igrejas e comunidades religiosas de Roma e de outros lugares da Itália. Todos os seus interesses estavam centrados nas necessidades da Igreja e no cuidado dos pobres e sofredores.[1]

Em 395 foi para Belém, onde viveu no hospício do convento dirigido por Santa Paula e aplicou-se, sob a direção de São Jerônimo, com o maior zelo ao estudo e contemplação das Escrituras e aos exercícios ascéticos. Uma incursão dos hunos nas províncias orientais do império e a contenda que eclodiu entre Jerônimo e João II, Bispo de Jerusalém respeitando os ensinamentos de Orígenes, tornou a residência em Belém desagradável para ela e ela voltou a Roma.[1]

Ela permaneceu, no entanto, em correspondência com São Jerônimo, que a seu pedido escreveu um tratado sobre o sacerdócio de Aarão e as vestes sacerdotais. Em Roma, Fabíola uniu-se ao ex-senador São Pamáquio na realização de uma grande obra de caridade; juntos, eles ergueram em Porto um grande hospício para os peregrinos que vinham a Roma. Fabíola também continuou seu trabalho pessoal habitual em ajuda aos pobres e enfermos até sua morte em 27 de dezembro de 399 ou 400. Embora a prática da medicina de Fabíola fosse pragmática na aplicação, seu legado ilustra o envolvimento das primeiras mulheres cristãs no campo da medicina.[3]

Veneração e LegadoEditar

Seu funeral foi uma manifestação maravilhosa da gratidão e veneração com que ela foi considerada pela população romana.

São Jerônimo escreveu uma autobiografia elogiosa de Fabíola em uma carta a seu parente Oceanus.[1]

Jean-Jacques Henner pintou seu retrato de Fabiola (em um perfil romano clássico) em 1885; o original deste retrato idealizado da santa foi perdido em 1912, mas a imagem foi copiada por artistas de todo o mundo no século seguinte. Em 2008, o artista contemporâneo Francis Alÿs montou uma exposição itinerante de mais de 300 dessas cópias de sua própria coleção. A exposição foi exibida pela primeira vez na Hispanic Society of America na cidade de Nova York, depois no LACMA em Los Angeles, indo para a National Portrait Gallery em Londres de maio a setembro de 2009. A coleção, que cresceu para incluir 514 cópias do retrato, foi posteriormente exposta na Capela do Fresco Bizantino da Coleção Menil em Houston de 21 de maio de 2016 a 13 de maio de 2018.

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c d e f Herbermann, Charles (1909). The Catholic Encyclopedia: An International Work of Reference on the Constitution, Doctrine, Discipline, and History of the Catholic Church. [S.l.]: Robert Appleton 
  2. Peregrine Horden, Cultures of Healing: Medieval and After, Routledge, 2019.
  3. Ogilvie, Marilyn Bailey (1986). Women in Science: antiquity though the 19th century. [S.l.]: Massachusetts Institute of Technology. ISBN 0-262-15031-X