Abrir menu principal

Santissime Stimmate di San Francesco

Igreja dos Santíssimos Estigmas de São Francisco
Santissime Stimmate di San Francesco
Vista da igreja
Estilo dominante Barroco
Arquiteto Giovanni Battista Contini
Início da construção 1297
Fim da construção 1714
Religião Igreja Católica
Diocese Diocese de Roma
Geografia
País Itália
Região Roma
Local Largo di Torre Argentina (rione Pigna)
Coordenadas 41° 53' 47" N 12° 28' 40" E

Santissime Stimmate di San Francesco ou Igreja dos Santíssimos Estigmas de São Francisco é uma igreja no rione Pigna de Roma, Itália. A igreja está na Via dei Cestari, perto da esquina com o Corso Vittorio Emanuele II e do outro lado da rua, na diagonal, do Largo di Torre Argentina.

Uma primeira igreja foi construída no mesmo local em 1297 no local e chamava-se "Santissime Quaranta Martiri de Calcarario". Em 1597, o terreno foi dado pelo papa Clemente VIII para a "Confraternità delle Ss.Stimmate" e as obras de um novo edifício, projetado por Giovanni Battista Contini e dedicado aos estigmas de São Francisco de Assis, só terminaria em 1714.

Índice

Arte e arquiteturaEditar

A fachada foi projetada por Antonio Canevari e lembra o estilo de Pietro da Cortona. No nicho central formado pelo tímpano interrompido está uma estátua de São Francisco olhando para o alto enquanto recebe seus estigmas. No interior, o teto está decorado com um afresco da "Glória de São Francisco", de Luigi Garzi. A primeira capela à direita abriga uma "Flagelação", de Marco Benefial, e sua cúpula está decorada por afrescos de Giovanni Odazzi. A peça-de-altar do altar-mor é "São Francisco Estigmatizado" (1719), de Francesco Trevisani. Na primeira capela à esquerda está um "Quarenta Santos Mártires", de Giacinto Brandi, autor de outro "São Francisco Estigmatizado" na Sala dos Estigmas.

GaleriaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Santissime Stimmate di San Francesco

BibliografiaEditar

  • Rendina, C. (2000). Le Chiese di Roma. Rome: Newton & Compton Editori. pp. 353–354