Skagboys

Skagboys é um romance de 2012 do escritor escocês Irvine Welsh.[1] É uma pré-sequência do romance Trainspotting (1993) e sequência de Porno (2002). O livro conta os estágios iniciais da vida dos personagens Renton e Sick Boy, quando eles se tornaram viciados em heroína.[2]

Skagboys
Capa da edição brasileira
Autor(es) Irvine Welsh
Idioma inglês
País Escócia
Gênero Ficção
Editora W. W. Norton
Irvine Welsh
Lançamento 2012
Páginas 560
ISBN 1409028232
Edição brasileira
Tradução Daniel Galera e Daniel Pellizzari
Editora Rocco
Lançamento 2014
Páginas 591
ISBN 978-8532528858
Cronologia
Porno (2002)

ContextoEditar

Quando Welsh descreveu o romance, ele disse: "Acho que vou chamá-lo de Skag Boys: 'skag' é minha palavra favorita para heroína. O livro se inicia antes dos personagens se tornarem viciados em heroína e investiga como os personagens principais se tornaram viciados, a dinâmica de suas família, as ansiedades dos jovens. Muitos dos personagens marginais se tornam, neste livro, mais proeminentes".[2]

"Eu tinha muito material que, por várias razões, principalmente o ritmo e porque não se encaixava no prazo, ou não era adequado para o livro. Há uma passagem específica sobre a primeira visita de Renton e Sick Boy a Londres para ficar com seu amigo Nicksy em Hackney que eu sempre quis publicar, mas era um pouco longo demais para revistas e antologias. Então, retirei alguns dos outros materiais não utilizados do Trainspotting e os coloquei ao lado deste livro. A coisa é basicamente um pré-sequência para Trainspotting . É basicamente sobre como Renton e Sick Boy deixaram de ser rapazes idiotas, apenas com pouco interesse em drogas, e se transformaram em viciados. Mostra como suas atitudes e comportamentos começam a mudar à medida que se tornam mais definidos pela droga e pela cultura à sua volta".[3]

Em 2012, Welsh disse que a pré-sequencia foi inicialmente escrita como parte do Trainspotting, mas não foi usada na versão publicada. Mais tarde, ele decidiu que iria apagar seu trabalho ou usá-lo de alguma forma, pois "ele temia poder cair embaixo de um ônibus e deixar para trás 'coisas meio escritas' que as pessoas publicariam". Ele disse: "Acabei de ler e comecei a escrever com base no que estava lá, me inspirando no que estava lendo e cortando e inserindo pedaços. Antes que eu percebesse, eu tinha outro romance em minhas mãos".[2]

ReaçõesEditar

Sam Leith, do Financial Times, argumenta: "O vício em heroína existe não como uma metáfora, mas como uma espécie de paradigma: um thatcherismo moralmente invertido. O viciado é o individualista supremo."[4]

A Revista 3:AM comentou: "Sabia-se que havia mais material sobre Trainspotting do que o que foi incluído no rascunho final, mas isso é verdade para a maioria dos romances. Então, você antecipa uma série de ataques e erros de gravação. O que você recebe é algo bem diferente. O prequel tem todos os cenários maravilhosos, os esquemas, histórias, golpes e sonhos e a mesma profusão louca de narradores que caracteriza tudo o que o Welsh escreveu. Mas é longo, estranho, cheio de descrição exuberante que dá a tudo uma qualidade aterrorizante e melancólica".[5]

Referências

  1. Irvine Welsh: Skagboys: London: Jonathon Cape: 2012: ISBN 1409028232
  2. a b c Stanley, Carl (22 de março de 2012). «Irvine Welsh : interview about new book 'Skag Boys'». Louder Than War (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2020 
  3. «Skagboy». Irvine Welsh. Consultado em 30 de setembro de 2011 
  4. Leith, Sam (2012). «Life choice». Financial Times. Consultado em 19 de setembro de 2022. (pede subscrição (ajuda)) 
  5. Dunbar, Max (2012). «This is an epidemic». 3:AM Magazine (em inglês). Consultado em 19 de setembro de 2022