Abrir menu principal

Sonata para piano n.º 10 (Beethoven)

(Redirecionado de Sonata Op. 14 n.2 (Beethoven))
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário ou apologético
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{ER|6|2=~~~~}}, regra nº 6 da eliminação rápida.
Allegro: Primeiro movimento.

Nessa segunda sonata do Opus 14, Beethoven volta ao tradicional forma allegroAndanteAllegro assai (Scherzo). A segunda sonata dedicada a Baronesa Josefa von Braun é simples, mas contém passagens bem elaboradas.

O primeiro movimento começa com uma figura ríitmica interessante, onde o ouvinte não sabe ao certo onde está o Downbeat da música. Beethoven, que adorava brincar com a percepção rítmica do ouvinte, inicia a sonata no segundo tempo de um compasso 2/4, deslocando todo primeio tema em "meio compasso" e criando a impressão de que o baixo entra no início de cada compasso. O pianista tem que entender essa dualidade e colocá-la em prática na interpretação. O movimento é cheio de "armadilhas rítmicas" com síncopes, polirritmia, acentos em off beats, etc. O movimento é apresentado tradicionalmente, sem muitas inovações quanto à forma. Na coda, Beethoven traz de volta o tema principal - outra "tradição" em suas sonatas.

Largo, con gran espressione: Segundo movimento.

Com o ataque seco e as pausas entre acordes, Beethoven cria uma atmosfera de uma marcha para a abertura do segundo movimento. O movimento traz várias "idéias" que são repetidas cada passagem até à passagem final, onde Beethoven explora mais uma vez seu talento em desenvolver idéias. Uma passagem em semicolcheias traz de volta o tema inicial da marcha para enfim terminar o movimento.

Allegro: Terceiro movimento.

O Scherzo final também apresenta variações rítmicas que pregam truques no ouvinte. O tema vem em fragmentos, onde o material principal é com uma escala ascendente. Essa "indecisão" dura até o compasso 70, onde a música finalmente "pega" e se desenvolve com um pouco mais de fluidez. Mas mesmo assim, Beethoven não deixa de lado a complexidade rítmica, com acentos nos tempos fracos. Essa seção funciona mais ou menos como o Trio do Scherzo. Beethoven intensifica essa complexidade até o final da peça, onde a polirritmia aparece entre o acompanhamento e a melodia. O final, surpreendente, dilui a música gradualmente até a última nota no baixo.

Mais uma sonata onde Beethoven "pratica" suas características ao compor para o piano, sendo que a complexidade rítmica é a mais evidente nesse caso.

Sonata para Piano No. 10
Op14 2 pri mov.png
Composições de Ludwig van Beethoven
Apelido: Nenhum
Forma: Sonata para piano
Tonalidade - Compasso: Sol maior- 2/4
Movimentos 3
Data da composição: 1798-9[1]
Número da composição: Op. 14 nº 2
Andamentos
Primeiro Movimento Allegro
Segundo Movimento Andante
Terceiro Movimento Scherzo (Allegro assai)

Referências

  1. COOPER, Barry. Beethoven: Um Compêndio. Tradução de Mauro Gama e Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor. 1996. ISBN 85-7110-349-6