Sonetos a Orfeu

Sonetos a Orfeu
Die Sonette an Orpheus
Capa frontal do livro Sonetos a Orfeu, de 1923
Autor(es) Rainer Maria Rilke
Idioma Alemão
Gênero Poesia
Editora Insel-Verlag
Lançamento 1923

Os Sonetos a Orfeu (em alemão: Die Sonette an Orpheus)[a] são um ciclo de 55 sonetos escritos em 1922 pelo poeta boêmio-austríaco Rainer Maria Rilke (1875-1926). Foi publicado pela primeira vez no ano seguinte. Rilke, que é "amplamente reconhecido como um dos poetas em língua alemã mais intensamente líricos",[1] escreveu o ciclo em um período de três semanas experimentando o que descreveu uma "selvagem tempestade criativa".[2] Inspirado pelas notícias da morte de Wera Ouckama Knoop (1900–1919), colega de brincadeira da filha de Rilke, Ruth, ele os dedicou como memorial, ou Grab-Mal, em sua memória.[3]:481

Na mesma época, em fevereiro de 1922, Rilke completou o trabalho em sua coleção profundamente filosófica e mística de dez poemas intitulada Elegias de Duino, que levou dez anos para ser concluída. Os Sonetos a Orfeu e as Elegias de Duino são considerados obras-primas de Rilke e as mais altas expressões de seu talento.[1]

Histórico de redação e publicaçãoEditar

Château de Muzot e a "selvagem tempestade criativa"Editar

Durante a maior parte da década de 1910, Rilke sofreu uma depressão severa que o impediu de escrever. Ele havia iniciado suas Elegias de Duino em 1912 e completado parte delas em 1913 e 1915 antes de ser silenciado por uma crise psicológica causada pelos eventos da Primeira Guerra Mundial e seu breve recrutamento no exército austro-húngaro.[4] Somente em 1920 ele foi motivado a se concentrar na conclusão das Elegias. Nos dois anos seguintes, no entanto, seu modo de vida era instável e não lhe permitiu o tempo ou o estado mental que ele precisava para escrever.

 
O Château de Muzot, em Veyras, na Suíça, foi onde Rilke escreveu os Sonetos a Orfeu e completou as Elegias de Duino em "uma selvagem tempestade criativa" durante três semanas em fevereiro de 1922

Em 1921, Rilke viajou para a Suíça, esperando mergulhar na cultura francesa perto de Genebra e encontrar um lugar para morar permanentemente.[3]:p.471 Na época, ele estava envolvido romanticamente com Baladine Klossowska. A convite de Werner Reinhart, Rilke mudou-se para o Château de Muzot, uma mansão do século XIII que carecia de gás e eletricidade, localizada perto de Veyras, Vale do Ródano, Suíça.[3]:p.474 Reinhart, um comerciante suíço e clarinetista amador, usou sua riqueza para patrocinar muitos compositores e escritores do século XX. Ele comprou Muzot para permitir que Rilke morasse lá sem aluguel e se concentrasse em seu trabalho.[3]:p.474 Rilke e Klossowska se mudaram em julho de 1921 e, durante o outono, Rilke traduziu para alemão os escritos de Paul Valéry e Michelangelo.[3]:p.478

Com as notícias da morte da amiga de sua filha, Wera Knoop, Rilke foi inspirado a criar e trabalhar em Sonetos a Orfeu.[3]:p.481 Dentro de alguns dias, entre 2 de fevereiro e 5 de fevereiro de 1922, ele completara a primeira seção de 26 sonetos. Nos dias seguintes, concentrou-se nas Elegias de Duino, completando-as na noite de 11 de fevereiro. Imediatamente depois, ele voltou a trabalhar nos Sonetos e completou a seção seguinte de 29 sonetos em menos de duas semanas. Em cartas aos amigos, Rilke se referiu a esse período de três semanas como uma "selvagem tempestade criativa".[2] Rilke considerou as duas coleções como tendo "a mesma origem".[2][5] Escrevendo para sua ex-amante, Lou Andreas-Salomé, em 11 de fevereiro, ele descreveu esse período como "... uma tempestade sem limites, um furacão do espírito, e tudo o que há dentro de mim é como fios e entrelaçamentos, treliça, tudo rachado e retorcido. Nenhum pensamento em comida".[3]:p.492 [6]

Em todo o Sonetos, há diversas referências a Wera, tanto diretamente onde ele a aborda pelo nome quanto indiretas como alusões a uma "dançarina" ou à mítica Eurídice. Mais tarde, Rilke escreveu à mãe da jovem, afirmando que o fantasma de Wera estava "comandando e impelindo" ele a escrever.[7][8]

Forma e estiloEditar

Os sonetosEditar

Existem 55 sonetos na sequência, divididos em duas seções: a primeira de 26 e a segunda de 29. Os sonetos seguem certas tendências, mas incluem muitas formas diferentes.

Todos os sonetos são compostos por duas quadras seguidas por dois tercetos.

A tradição do soneto não é tão pronunciada na literatura alemã quanto é, por exemplo, na literatura inglesa e italiana. Um possível modelo para Rilke poderia ter sido Les Fleurs du Mal, de Charles Baudelaire. Formar poemas em ciclos inteiros era bastante comum na prática contemporânea, sendo as obras de Stefan George, Arthur Rimbaud e Stéphane Mallarmé exemplos disso. Rilke não segue os padrões formais do soneto alemão criado por August Schlegel. Os esquemas de rima variam e são geralmente ABAB CDCD ou ABBA CDDC nos quartetos, e EEF GGF, EFG EFG ou EFG GFE nos trigêmeos. Os sonetos também possuem métricas, mas elas variam muito entre os poemas; dáctilo e troqueu são os pés mais comuns, com o comprimento da linha variando bastante, às vezes até dentro de um soneto em particular. Devido ao uso frequente de enjambement, Rilke rompe a estrutura dos versos. Dificuldades na compreensão do texto surgem de pronomes sem referência clara. Assim começa, por exemplo, o terceiro soneto da primeira parte:

É deixado para interpretação se "sua mente" se refere a Deus ou ao homem.

Simbolismo e temasEditar

O conteúdo dos sonetos é, como é típico de Rilke, altamente metafórico. O trabalho é baseado no mito de Orfeu e Eurídice. O personagem de Orfeu (a quem Rilke se refere como o "deus da lira"[9]) aparece várias vezes no ciclo, assim como outros personagens míticos, como Dafne. Fontes para tal são principalmente as Metamorfoses de Ovídio e, em menor medida as Geórgicas de Virgílio. O princípio das transformações ovidianas também pode ser encontrado dentro e principalmente entre os sonetos. Durante o primeiro soneto do canto órfico, o discurso da floresta e dos animais é "transformado" em uma garota no segundo soneto: E quase uma garota foi quem emergiu / dessa alegre unidade de canto e lira... Durante o segundo soneto, o foco muda da menina para o mundo: Ela dormiu o mundo... O ciclo também contém alusões bíblicas, incluindo uma referência a Esaú. Outros temas envolvem animais, povos de diferentes culturas e tempo e morte.[10]

Enquanto Rilke invoca o poeta original Orfeu, uma auto-reflexão poética ocorre ao mesmo tempo. Ele frequentemente aborda as condições da poesia, a natureza da arte: Canto é ser. Para o deus, uma questão simples. / Mas quando somos? (I, 3) Uma solução para esses problemas pode ser encontrada no quinto soneto da primeira parte, onde Rilke exclama: Uma vez e sempre é Orfeu, quando quer que haja música (I,5). Isso significa que o poema sempre possui uma qualidade divina, pois o poeta está em sucessão direta ao filho das Musas.[10]

Embora Rilke tenha afirmado que todo o ciclo foi inspirado por Wera, ela aparece como personagem em apenas um dos poemas. Ele insistiu, no entanto, que "a própria figura de Wera [...] no entanto governa e move o curso do todo".[11]  

Em maio de 1922, depois de decidir que poderia arcar com o custo de uma considerável reforma necessária, o filantropo suíço Werner Reinhart comprou Muzot para que Rilke pudesse morar lá sem aluguel e tornou-se patrono de Rilke.[3] Ele completou as Elegias Duino enquanto inquilino de Reinhart.[12] Durante esse período, Reinhart apresentou Rilke ao seu protegido, o violinista australiano Alma Moodie.[13] Rilke ficou tão impressionado com a peça que escreveu em uma carta: "Mas que som, que riqueza, que determinação. Essa e os Sonetos para Orfeu, eram duas cordas da mesma voz. E ela toca principalmente Bach! Muzot recebeu seu batizado musical..."[13][14][15]

CríticaEditar

Desde o início, houve críticas aos sonetos de Rilke. Assim, já em 1927, Robert Musil descreveu Rilke como o poeta que "nada fez além de aperfeiçoar o poema alemão pela primeira vez", mas limitou esse julgamento às Elegias de Duino como o auge da criação artística, e descreveu os Sonetos a Orfeu de Rilke como uma "queda excepcional que o trabalho de Rilke sofre".[16] O que Wolfram Groddeck se referiu em seu posfácio à edição do Reclam como um "dilema da leitura crítica" foi resultado do texto intransigente, que resiste à simples interpretação. Ao mesmo tempo, a qualidade da expressão lírica constitui, sem dúvida, um destaque da história poética alemã. Assim, as críticas aos sonetos frequentemente oscilam entre a suposição de uma primazia sônica sobre o nível semântico e uma afirmação incondicional do ciclo.

Exemplos de textoEditar

Primeiro sonetoEditar

Notas

  1. O título completo está listado como Die Sonette an Orpheus: Geschrieben als ein Grab-Mal für Wera Ouckama Knoop (traduzido como Sonetos a Orfeu: Escrito em Memória de Wera Ouckama Knoop)

Referências

  1. a b Biography: Rainer Maria Rilke 1875–1926 no sítio eletrônico da Poetry Foundation. Consultado em 2 de fevereiro de 2013.
  2. a b c Polikoff, Daniel Joseph. In the Image of Orpheus Rilke: a Soul History. (Wilmette, Illinois: Chiron Publications, 2011), 585-588.
  3. a b c d e f g h Freedman, Ralph. (1998). Life of a Poet: Rainer Maria Rilke. Evanston, Illinois: Northwestern University Press.
  4. Gass, William H. Reading Rilke: Reflections on the Problems of Translation. (Nova Iorque: Alfred A. Knopf, 1999).
  5. Rilke to Witold Hulewicz (13 de novembro de 1925) em Rilke, Rainer Maria. Briefe aus Muzot: 1921 bis 1926 (Leipzig: Inser-Verlag, 1937), 335-338. "As Elegias e os Sonetos se apoiam reciprocamente, e considero uma bênção interminável que eu, com o mesmo fôlego, tenha podido encher as duas velas: a pequena vela cor de ferrugem dos sonetos e a grande tela branca do Elegies."
  6. Rilke to Lou Andreas-Salomé (11 de fevereiro de 1922) em Rilke, Rainer Maria and Andreas-Salomé, Lou. Briefwechsel (Insel, 1952), 464.
  7. Sword, Helen. Engendering Inspiration: Visionary Strategies in Rilke, Lawrence, and H.D. (Ann Arbor, Michigan: University of Michigan Press, 1995), 68-70.
  8. Rilke to Gertrud Ouckama Knoop (20 de abril de 1923) em Rilke, Rainer Maria. Briefe aus Muzot: 1921 bis 1926 (Leipzig: Insel-Verlag, 1937).
  9. Sonette an Orpheus, Erste Teil, XIX, v.8: "Gott mit der Leier"
  10. a b Leisi, Ernst. (1987). Rilkes Sonette an Orpheus: Interpretation, Kommentar, Glossar. G. Narr. ISBN 978- 3878086932. p. 55-58.
  11. Carta a Gertrud Ouckama Knoop, datada de 20 de abril de 1923; citada em Snow, Edward, trans. and ed., Sonnets to Orpheus por Rainer Maria Rilke, edição bilíngue, North Point Press, New York, 2004.
  12. «Spherical Editions - Catalogue - Robert Hugill - Elegy for Baritone and Orchestra». Cópia arquivada em 21 de março de 2007 
  13. a b «R. M. Rilke – Music as Metaphor». Cópia arquivada em 29 de abril de 2003 
  14. «Rilke at Muzot (1923) | Photo and description». picture-poems.com 
  15. «Rainer Maria Rilke: a brief biographical overview». picture-poems.com 
  16. Musil, Robert ed. Pike, Burton and Luft, David S. Precision and Soul: Essays and Addresses. (Chicago: The University of Chicago Press, 1990)

BibliografiaEditar

  • Neuman, Claude, The Sonnets to Orpheus, edição trilíngue alemão-inglês-francês, www.ressouvenances.fr, 2017

Ligações externasEditar