Abrir menu principal
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas. Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes fiáveis e independentes.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde dezembro de 2018)

O Programa Nacional de Aceleração de Startups (Start-Up Brasil) é uma iniciativa do governo federal do Brasil, criada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) em parceria com aceleradoras.[1] Este programa foi lançado no dia 29 de novembro de 2012 pelo ministro Marco Antonio Raupp em São Paulo.[2]

A iniciativa é parte do Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (TI Maior),[3] lançado pelo mesmo ministério no dia 20 de outubro de 2012, que tem como finalidade principal fomentar a indústria de software e serviços na área de tecnologia da informação (TI).[4]

O programa funciona por edições com duração de um ano, realizando duas chamadas públicas nesse período: uma para qualificar aceleradoras (uma única rodada) e outra para a seleção de projetos startups (duas rodadas semestrais).[5] Em 22 de dezembro de 2014, foi a segunda edição, tendo o resultado da etapa de seleção da turma 4 (segunda turma da segunda edição) divulgado no dia 3 de dezembro de 2014.[6]

As startups contempladas pelo programa receberão uma série de benefícios, entre eles: acesso à aceleradoras; bolsas de pesquisa, desenvolvimento e inovação no valor de até 200 mil reais; acesso à eventos de capacitação, networking e mentoria; acesso à eventos de apresentação de startups para investidores (Demo Days); espaço de trabalho no Vale do Silício (algumas startups apoiadas pelo Start-Up Brasil); e benefícios específicos oferecidos pelas empresas parceiras do programa.[7]

Como recursos previstos, espera-se que um total de 40 milhões de reais[2] de reais sejam gastos no programa Startup-Brasil no período entre 2012 e 2015.[8]

Índice

ObjetivoEditar

O objetivo geral do programa é acelerar o desenvolvimento de empresas nascentes de base tecnológica no Brasil, gerando inovação e novas tecnologias que atendam as demandas do mercado global que está cada vez mais competitivo. Para tanto, é necessário a construção de um ecossistema adequado à aceleração do empreendedorismo tecnológico no Brasil e à geração de bens e serviços inovadores com competitividade global. Buscando alcançar esse objetivo principal, o programa Start-up Brasil compreenderá:[8]

Assim, esta ação tem como objetivo alavancar a aceleração de um número crescente de startups a cada ano, colocando no mercado local e internacional novos produtos e serviços inovadores, conectando nossas empresas de base tecnológica em contato com tendências e mercados globais, bem como construir uma parceria governo e iniciativa privada para a geração de um ecossistema favorável ao empreendedorismo de base tecnológica.[8]

Etapas do programaEditar

O programa é organizado em três fases.[1]

  • Habilitação de aceleradoras — A primeira fase é a habilitação de aceleradoras e é responsável por selecionar as aceleradoras de empresas que serão parceiras por meio de edital específico. Mais informações sobre o edital atual de aceleradoras e sobre o processo seletivo podem ser encontradas no portal do Start-Up Brasil.
  • Seleção das startups — Após a habilitação das aceleradoras, dar-se início a segunda fase do programa, responsável pela seleção das startups que serão apoiadas pelo programa, podendo ser equipes nacionais ou internacionais (limite máximo de 25% dos projetos aprovados). Esta fase de seleção de startups está prevista para acontecer duas vezes por ano, uma em cada semestre. Mais informações sobre o edital atual de aceleradoras e sobre o processo seletivo podem ser encontradas no portal do Start-Up Brasil.
  • Aceleração — Por fim, inicia-se a terceira e última fase do projeto, que é o processo de aceleração propriamente dito. Num período de até 12 meses, as startups poderão receber até R$ 200 mil em bolsas de pesquisa e desenvolvimento. Além disso, as startups recebem acesso à aceleradoras, participação em eventos de capacitação e mentoria e dispõem de uma infraestrutura de trabalho. Em troca, as startups entregam uma fração de participação acionária para a aceleradora em questão (percentual exata é estabelecido caso a caso com acordo entre as partes.[1]

Aceleradoras selecionadasEditar

Segue abaixo uma lista das aceleradoras selecionadas pelo programa ao longo de suas edições.

Primeira edição: Turmas 01 e 02 (2013)[9]Editar

  1. 21212 Digital Accelerator
  2. Acelera MGTI
  3. Acelera Partners
  4. Aceleratech
  5. Outsource Brazil
  6. Papaya Ventures
  7. Pipa
  8. Start You Up Accelerator
  9. Wayra Brasil

Segunda edição: Turmas 03 e 04 (2014)[9][10]Editar

  1. 21212 Digital Accelerator
  2. Acelera MGTI
  3. Aceleratech
  4. Pipa
  5. Start You Up Accelerator
  6. Wayra Brasil
  7. Acelera Cimatec
  8. Baita Aceleradora
  9. C.E.S.A.R Labs
  10. TechMall
  11. Ventiur.net
  12. Wow

Startups selecionadasEditar

A seguir serão listadas as startups que já foram selecionadas pelo programa e suas respectivas localidades.

Primeira edição: Turma 01 (2013)[11]Editar

Nacionais:

  1. AFTScan (SC)
  2. App Prova (MG)
  3. Aula Livre (RS)
  4. B2Blue.com (SP)
  5. Broader (RJ)
  6. Chegue Lá (SP)
  7. Chip Inside (RS)
  8. Convenia (SP)
  9. Data Mundus (RS)
  10. Data Event (PE)
  11. EadBox (PR)
  12. EasyAula (RJ)
  13. EconoData (SP)
  14. Estoks (PE)
  15. Eventick (PE)
  16. EvoBooks (SP)
  17. Executive (PR)
  18. Fisiohub (PE)
  19. Geomais (GO)
  20. Heap Up (MG)
  21. Hello Universe (SP)
  22. Intoo (SP)
  23. Kiduca (SP)
  24. LabSynapse (RJ)
  25. Leva-la (MG)
  26. MercaFácil (PR)
  27. MiningMath (MG)
  28. MobGeek (RJ)
  29. Motomob (SP)
  30. Mundo de aventura (PE)
  31. Myooni (RS)
  32. Ocapi (SP)
  33. Pagapramim (RS)
  34. PayParking (ES)
  35. PegaPlantão (MS)
  36. Poup (DF)
  37. Prodeaf (PE)
  38. Profes (SP)
  39. QueroFrete (MG)
  40. RegLare (SP)
  41. Sensorbox (ES)
  42. Timobox (SP)
  43. TotemStore (RJ)
  44. Uaizo (MG)
  45. Wotchapp+ (CE)

Estrangeiras:

  1. Aentropico (Colômbia)
  2. Bizzabo (Israel)
  3. EduSynch (EUA)
  4. Fitboo (Espanha)
  5. IguanaFix (Argentina)
  6. KinCentral (EUA)
  7. Kudo Learning (EUA)
  8. Love Mondays (Irlanda)
  9. Media Relevance (EUA)
  10. PayMins (Irlanda)
  11. Sensimob (EUA)

Primeira edição: Turma 02 (2013)[12]Editar

Nacionais:

  1. Agenda Beleza (PR)
  2. Bov Control (SP)
  3. Brasil By Bus (SP)
  4. Cardio Care (PR)
  5. Cerensa (SP)
  6. Codifique (SP)
  7. Coletivy (SP)
  8. Crowdtask (MG)
  9. CrowdMobi (AL)
  10. Cucco (MG)
  11. Cuponeria (RJ)
  12. Diagnes (PE)
  13. Dujour (RJ)
  14. eBRICS (SP)
  15. eDonators (RN)
  16. Engarte (MG)
  17. Esmalteria Club (SP)
  18. Estacionamento Rotativo (PR)
  19. Fashion85 (CE)
  20. Fitsy (SP)
  21. Fonte A1 (CE)
  22. Gecam (RN)
  23. Giftter (SP)
  24. iHelpU (CE)
  25. Image2Doc (SP)
  26. InfoPrice (SP)
  27. ITS Netbee (MG)
  28. Klipbox (RN)
  29. MaxMilhas (MG)
  30. Memed (SP)
  31. Meu Carrinho (SP)
  32. Nazar (PE)
  33. Nina Pig (AL)
  34. NUE (Next User Experience)
  35. (PE)
  36. NUI! (SP)
  37. Overdrive Eletronica (DF)
  38. Ploog (RJ), na época da seleção conhecida como Virtual Machine Experience (VMExp)
  39. Preditiva (DF)
  40. Prêmio Ideia (MG)
  41. PRP – Plataforma de Reconhecimento de Produtos (SP)
  42. Razoom (RJ)
  43. Reamp (SP)
  44. Responde Aí (RJ)
  45. Sabesim (SP)
  46. Saldo Coletivo (PA)
  47. Shipfy (SP)
  48. Superplayer (RS)
  49. Tangible (SP)
  50. Tex.do (SC)
  51. Tippz (GO)
  52. To Nails (AL)
  53. Valor da Construção (GO)
  54. Vitrola (CE)

Estrangeiras:

  1. Aktive Bay (Estados Unidos)
  2. AppBin (Índia)
  3. Interactly (Holanda)
  4. Kedzoh (Chile)
  5. MR PRESTA (Argentina)
  6. Nubimetrics (Argentina)
  7. Soukboard (Argentina)
  8. Stylect (Reino Unido)
  9. Xendo (Estados Unidos)

Segunda edição: Turma 03 (2014)[13]Editar

Nacionais:

  1. Buyttle (PE)
  2. Cosméticos Já (RJ)
  3. Dino (RJ)
  4. Dona Cegonha (RJ)
  5. DSPGeo (SP)
  6. Emotion.me (RJ)
  7. Fluxviz (BA)
  8. Freta.lá (SP)
  9. Frutas em casa (GO)
  10. Conceituais (MG)
  11. Heatmaper (SP)
  12. Hookit (RS)
  13. Lar21 (SP)
  14. MeCasei.com (RS)
  15. Minuto Feedback (PE)
  16. Origem Vegeral (RS)
  17. OneView (SP)
  18. Pastar (BA)
  19. Pesquisa, desenvolvimento e auto-publicação de games híbridos para plataformas Sony Playstation e Nitendo (MG)
  20. Pick2Trip (SC)
  21. PinMyPet (DF)
  22. Plataforma online de desenvolvimento de ambientes virtuais renderizados em tempo real para empreendimentos imobiliários (SP)
  23. Plataformas saúde (RJ)
  24. PlugBuy (RS)
  25. Quero Frete (RS)
  26. Quero frete rede de agências cooperativa mobile conectada via satélite no padrão IPV6 (SP)
  27. Sacapp (SP)
  28. SalãoVip (SP)
  29. Tributária (MG)
  30. Sii create smarts things (MG)
  31. Simn (BA)
  32. Sistema Hiper (SC)
  33. Sistema para simulação de voo (SP)
  34. Skyhub (PE)
  35. SliceMob (SP)
  36. SocialPublik (PB)
  37. SocialCondo (RS)
  38. Para medição de energia elétrica via tecnologia RF mesh baseada em IPV6 (SP)
  39. Squid Fácil (SP)
  40. Superela (SP)
  41. Vet Smart (SP)
  42. Yupi Play (PB)

Estrangeiras:

  1. Algrano (Suíça)
  2. Construct Latam (Estados Unidos)
  3. Genwords (Argentina)
  4. Hoy plan (Itália)
  5. Iq friends (Alemanha)
  6. Ofelia feliz (Argentina)
  7. Rogue rovers (Estados Unidos)
  8. Sentimoto (Rússia)
  9. Shippify.co (Equador)
  10. Softruck (Uruguai)

Segunda edição: Turma 04 (2014)[6]Editar

Nacionais:

  1. Agrid (MG)
  2. AgroSmart (MG)
  3. AllGo (SP)
  4. Atestados (PE)
  5. Beyond Domotics (RS)
  6. Blueye (RN)
  7. Cadencímetro Digital (MG)
  8. CellSeq (MG)
  9. Configr (DF)
  10. Confirm8 (SP)
  11. DescarteLegal (MG)
  12. EasyCrédito (GO)
  13. EQQ++ (SP)
  14. Escola em Movimento (MG)
  15. Ex-Machina (RN)
  16. Fleety (PR)
  17. Guell (BA)
  18. Healfies (SC)
  19. INSTAD (RS)
  20. Integrador de Voz (MG)
  21. Kidu (SP)
  22. Kit de ensino com realidade (RJ)
  23. Laudos.net (GO)
  24. Lifesaver (BA)
  25. Livro de Reservas (SP)
  26. Lotebox (PE)
  27. Mira Digital (RJ)
  28. Netshow.me (SP)
  29. Neuroup (PE)
  30. One Cloud (MG)
  31. P-Sensor (RS)
  32. PackDocs (MG)
  33. PEBMED (RJ)
  34. Playax (SP)
  35. Portal Telemedicina (SP)
  36. Quantogastei.com (AL)
  37. Revolog Broker (MG)
  38. SaleSim (PE)
  39. Shopfloor Cockpit (CE)
  40. Smartcoin (RJ)
  41. Squid It (SP)
  42. Stoodi (SP)
  43. Tecnonutri (MS)
  44. Treinus (MG)
  45. Visualizador de imagens médicas (SP)
  46. VM Card (CE)

Estrangeiras:

  1. Cinepapaya.com (Peru)
  2. IHealth4Me (Austrália)
  3. Interactivo Web (Uruguai)
  4. Internet for All (Estados Unidos)
  5. My Visual Brief (Reino Unido)
  6. Smart Agriculture Analytics (Estados Unidos)
  7. Survey Kiwi (Argentina)
  8. Visual.is (Canadá)
  9. Vitbelle (México)

ResultadosEditar

O programa Start-up Brasil apresentou no dia 6 de novembro de 2014 os resultados da primeira turma (turma 01) do processo de aceleração. A turma 1 foi composta por 45 startups, das quais 38 eram brasileiras e eram internacionais. Elas receberam apoio para a pesquisa, desenvolvimento e contratações, além de investimento e mentoria de aceleradoras.[14] O valor captado no mercado (9,63 milhões de reais) durante o processo de aceleração ultrapassou o valor público investido (7,7 milhões de reais). De janeiro a agosto de 2014, o faturamento das startups teve um aumento de 139%, com um crescimento de 63% no número de colaboradores das respectivas empresas.[14] Assim, pode-se afirmar que a primeira turma de aceleração apresentou resultados positivos, evidenciando a importância de dar continuidade ao programa.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Portal Start-Up Brasil. «Saiba tudo sobre o Start-Up Brasil». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  2. a b Portal do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (29 de novembro de 2012). «Start-up Brasil precisa ser ágil como o setor de TI, diz Raupp». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  3. Portal do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. «Programa TI Maior». Consultado em 22 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 6 de agosto de 2014 
  4. Portal do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (20 de agosto de 2012). «TI Maior terá investimentos de R$ 500 milhões». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  5. Portal Brasil (7 de novembro de 2014). «Start-Up Brasil: Primeira turma de aceleração apresenta resultados positivos». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  6. a b Startupi (3 de dezembro de 2014). «Estas 55 startups vão ganhar dinheiro público se contratarem aceleradoras em 60 dias». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  7. Portal Start-Up Brasil. «Benefícios do programa Start-Up Brasil». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  8. a b c Portal do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. «Startup-Brasil». Consultado em 22 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 7 de janeiro de 2015 
  9. a b Portal Start-Up Brasil. «Guia de Aceleradoras». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  10. Startupi (26 de fevereiro de 2014). «Startup Brasil: Papaya caiu, Pipa subiu». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  11. Startupi (29 de julho de 2013). «Start-Up Brasil divulga startups selecionadas». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  12. Startupi (18 de dezembro de 2013). «Dissecando o Start-Up Brasil, parte 2: a ótica dos gestores e os novos selecionados». Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  13. Portal Start-Up Brasil. «Conheça a lista das startups selecionadas para a Turma 03 do Programa Start-Up Brasil». Consultado em 4 de setembro de 2014 
  14. a b Portal Brasil (7 de novembro de 2014). «Start-Up Brasil: Primeira turma de aceleração apresenta resultados positivos». Consultado em 22 de dezembro de 2014