Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Sul-africanos brancos é um termo que se refere a pessoas da África do Sul, que são descendentes de europeus e que não consideram a si mesmos (ou que não são consideradas) parte de outro grupo racial, como os coloured, por exemplo.[3]

Sul-africanos brancos
F. W. de Klerk 2012.jpg
Jan Christiaan Smuts.jpg
Oscar Pistorius in Warsaw (cropped).jpg
Charlize Theron Cannes 2015 2.jpg
J.M. Coetzee.JPG
Mark Shuttleworth by Martin Schmitt.jpg
Christiaan Barnard (1968).jpg
Candice-Swanepoel 2010-03-31 VictoriasSecretStoreChicago photo-by-Adam Bielawski.jpg
All Black.jpg
População total

Estimativa de 2017: Baixa 4 493 500 (8% da população sul-africana)[1]
Censo de 2011: Baixa 4 586 838 (8,9%)
Censo de 2001: 4 293 640 (9,6%)[2]

Regiões com população significativa
Por todo o país, mas concentrados nas áreas urbanas
Línguas
Africâner (61%), inglês (36%) e outros (3%; e.g. português)
Religiões
Cristianismo (87%), sem religião (9%), judaísmo (1%) e outros (3%)
Grupos étnicos relacionados
Bôeres

Em termos linguísticos, culturais e históricos, os brancos do país são geralmente divididos em descendentes de colonos falantes língua africâner, principalmente neerlandeses, alemães e franceses (conhecidos como africânderes), e os descendentes de colonos de língua inglesa, principalmente britânicos e irlandeses. A população branca da África do Sul é dividida em 61% de falantes do africâner, 36% falantes do inglês e 3% que falam outra língua,[4] como o português. Os sul-africanos brancos são, de longe, o maior grupo populacional descendente de europeus que reside na África.

Os brancos da África do Sul diferem significativamente de outros grupos africanos brancos, devido não só a sua população muito maior, mas porque eles desenvolveram uma nacionalidade, como no caso dos africânderes, que estabeleceram uma língua e uma cultura distinta no continente africano.[5]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Mid-year population estimates 2017» (PDF). Statistics South Africa. Consultado em 31 de julho de 2017 
  2. «Table 2.6: Home language within provinces (percentages)» (PDF). Census 2001 - Census in brief. Statistics South Africa. p. 16. Consultado em 17 de setembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 5 de maio de 2005 
  3. «What's in a name? Racial categorisations under apartheid and their afterlife». Consultado em 25 de julho de 2014. Arquivado do original em 7 de abril de 2014 
  4. Census 2011: Census in brief (PDF). Pretoria: Statistics South Africa. 2012. p. 27. ISBN 9780621413885 
  5. Kaplan, Irving. Area Handbook for the Republic of South Africa. [S.l.: s.n.] p. 113-539