Teatro crítico universal

O Teatro crítico universal, ou Discursos varios en todo género de materias para desengaño de errores comunes (em idioma português, Discursos diversos em todos os tipos de assuntos para desapontar erros comuns), é uma extensa coleção de ensaios escritos por o polígrafo espanhol Benito Jerónimo Feijoo e publicados de 1726 a 1740.[1]

É composto por cento e dezoito ensaios que tratam de uma enorme quantidade de temas diversos: filologia, física, matemática, ciências naturais, medicina, astronomia, geografia, economia, direito, religião, política, filosofia, literatura, história, etc.

Foi uma das obras mais divulgadas e polêmicas do século dezoito, alcançando a cifra astronômica de mais de 600.000 exemplares vendidos, sendo traduzida, quase sempre parcialmente, para o inglês, para o francês, italiano, alemão e português.[2]

O objetivo de Feijoo foi explicitado no título, tentando corrigir antigas superstições, preconceitos e costumes. Feijoo possui um estilo simples, às vezes brilhante, e com a presença de francesismos.[3]

ReferênciasEditar

  1. Sempere y Guarinos, J., Ensayo de una biblioteca española de los mejores escritores del reinado de Carlos III, tomo III, págs. 18-46, Madrid, 1789.
  2. Teatro Crítico, abreviado e traduzido na lingua Portugueza, por Jacinto Onofre e Anta (1º, 2º, 3º y 4º parte), tomo I, Coimbra, 1746.
  3. Ferrarin, A. R., Diccionario Literario Bompiani de obras y personajes de todos los tiempos y todos los países, tomo X. página 41. Barcelona: Hora, 1992.