Tecnomacumba

Álbum de Rita Benneditto

Tecnomacumba é o quarto álbum de estúdio da cantora e compositora maranhense Rita Benneditto, lançado em 2006. É considerado o trabalho mais aclamado da cantora por conquistar o grande sucesso de público e crítica.[1]

Tecnomacumba
Álbum de estúdio de Rita Benneditto
Lançamento 2006
Gênero(s) MPB
Duração 60:02
Formato(s) CD
Gravadora(s) Manaxica, Biscoito Fino
Produção Israel Dantas
Cronologia de Rita Benneditto
Comigo (álbum) (2001)
Encanto (álbum de Rita Benneditto) (2014)

ProduçãoEditar

Um trabalho bastante apegado à musicalidade reverente às tradições religiosas afro-brasileiras.Já no primeiro disco, ela readaptou Jurema, ponto de umbanda, com destaque. Ali já havia o embrião do projeto Tecnomacumba, que viria a tomar corpo há dois anos quando Rita montou um show exclusivamente com músicas com temática fincada na religiosidade vinda do candomblé e da umbanda, incluindo citações a pontos tradicionais, próprios dos terreiros. O show virou sucesso de público e de crítica.

Sem contrato com gravadora, a cantora Rita batalhou bastante para transformar em CD o show que já tinha conquistado sua fatia de público. Depois de anos, a opção encontrada foi pela produção independente através de seu escritório, Manaxica Produções, até que foi acertado seu lançamento pela gravadora carioca Biscoito Fino. Mesmo já tendo algumas músicas disponíveis para download na internet, fato que levou algumas faixas a conquistar DJs por todo o Brasil, Rita Benneditto optou por gravar todo o material entre janeiro e junho deste ano com uma produção mais bem acabada. Assim, Tecnomacumba chega às lojas já consagrado e estalando de novidades.

Ao repertório escolhido - entre composições de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Jorge Benjor, Dorival Caymmi, Wilson Moreira, Gerônimo, etc -, Rita buscou citações tiradas em pontos de terreiro, dividindo pelos santos consagrados. Por exemplo, em É D´Oxum (Gerônimo/ Vevé Calasans), ela cita alguns versos de pontos dedicados a Oxum vindos dos terreiros praticantes das religiões afro-brasileiras. O resultado garante uma riqueza ainda maior ao simples fato de transpor para a música eletrônica as batidas, o que daria um resultado apenas curioso. Ela enriquece uma ideia que já nasceu interessante e supera expectativas.

Algumas músicas, como a própria Jurema (domínio público) e Cocada (Antônio Vieira), que já tinham sido registradas por ela, ganham mais brilho e contemporaneidade. Cavaleiro de Aruanda (Tony Osanah) também já vinha sendo ouvida nas festas. É interessante notar que, apesar de boa parte das músicas já terem feito sucesso nas vozes de outras intérpretes - em especial Clara Nunes - intérprete que Rita sempre creditou como influência -, como é o caso de A Deusa dos Orixás, as versões deste CD apontam para outras leituras bem distintas, sem parecer um mero decalque.[2]

Lista de faixasEditar

TítuloCompositor(es) Duração
1. "Saudação/Abertura"  Domínio Público/Adpt. Rita Ribeiro 5:32
2. "Domingo 23"  Jorge Ben 5:19
3. "Cavaleiro de Aruanda"  Tony Osanah 4:52
4. "Babá Alapalá"  Gilberto Gil 4:55
5. "Oração ao Tempo"  Caetano Veloso 5:46
6. "Deusas dos Orixás"  Toninho, Romildo 4:04
7. "Iansã"  Caetano Veloso, Gilberto Gil 3:37
8. "Rainha do Mar"  Dorival Caymmi 3:57
9. "É d'Oxum"  Gerônimo, Vevé Calazans 5:22
10. "Coisa da Antiga"  Wilson Moreira, Nei Lopes 4:05
11. "Cocada"  Antônio Vieira 4:27
12. "Jurema"  Domínio Público/Adpt. Rita Ribeiro 4:55
13. "Tambor de Crioula"  Júnior, Oberdan Oliveira 3:35
14. "Canto para Oxalá"  Domínio Público/Adpt. Rita Ribeiro 2:22
Duração total:
60:02

Referências

  1. «Rita Benneditto | CD Tecnomacumba (2006)». Consultado em 14 de Abril de 2017 
  2. «O projeto Tecnomacumba - Rita Benneditto - Wikipédia». Consultado em 14 de Abril de 2017